Pular para o conteúdo principal

Fala, que eu te entendo


Quando discutimos usabilidade e acessibilidade de serviços públicos, especialmente os eletrônicos, temos a preocupação em oferecer tais serviços com facilidade de uso e de possível compreensão e realização, incluindo os cidadãos com deficiências sensoriais ou motoras.


Em 2005, o Governo do Estado de São Paulo lançou os guias de usabilidade e de acessibilidade dirigido aos órgãos públicos que, embora já necessitem alguma atualização, trouxeram ao Estado a importância do tema com uma proposta de recomendações a serem adotadas em fase projetual de produtos web.

Podemos ler nesses guias, e em de outros autores, indicações que vão além dos princípios para a correta arquitetura de informação ou da adaptação de páginas para a leitura de softwares adaptativos e tecnologia assistiva. É comum a abordagem da linguagem clara, eliminando siglas e termos técnicos, jargões da esfera pública que podemos chamar de "governês".


Sempre um problema, o tal governês é quase uma ameaça ao cidadão, dificultando qualquer interface com o governo, seja presencial ou virtual, física ou digital. Por outro lado, o governês dá ao funcionalismo uma certa autoridade, como se o conhecimento daquele intrincado idioma representasse um domínio sobre os seres não letrados que, ao ouvirem um conjunto de siglas, nomes de formulários e processos, sentem que o mundo da administração pública é complexo e distante.


Há muito tempo que falamos sobre essa barreira, mas nem por isso a resolvemos.


Em outubro de 2010, o Presidente Obama assinou o ‘‘Plain Writing Act of 2010’’, que obriga toda a administração pública federal a usar clara comunicação, de modo que o público possa entender e usar aquilo que é oferecido pelo governo.


Depois, em janeiro de 2011, o presidente americano publicou a ordem executiva 13563 "Improving Regulation and Regulatory Review",  um documento muito bem escrito sobre os princípios regulatórios de "porquê e como" deve a administração pública abolir o governês. Para completar, discutir e capacitar os comunicadores e legisladores, o governo dos EUA lançou o Plain Language Gov, um site referencial, com uma riqueza de conceitos, exemplos e modelos de escrita com o cidadão que é de ter inveja.


Temos a considerar também que a linguagem clara e plena é uma ação de transparência e facilita a participação e colaboração do cidadão com o seu governo.


POST POST: Por fim, coloco a seguir uma excelente apresentação de Sandra Fisher-Martins, no TEDxPorto, sob o título O Direito a Compreender:




Comentários

Vera Tokairim disse…
Meu caro Álvaro,
Sim, é uma luta esta de abandonarmos o governês e utilizarmos linguagem de fácil compreensão para o chamado "cidadão comum". Tenho tido muitas discussões como esta nos projetos de "Guia de Informações". Por outro lado, há uma questão a ser discutida: não caberia também aos servidores públicos capacitar os cidadãos para a compreensão dos jargões burocráticos? Veja, se abolirmos todas as siglas quando o cidadão se deparar com uma delas, não vai compreender o significado. Penso que saída não é nem tanto o mar, nem tanto a terra, pois os documentos (IPTU, ISS, ITBI etc) continuariam com as denominações técnicas. É uma boa discussão.
um grande abraço,
Vera Tokairim
Alvaro Gregorio disse…
Querida Vera,

Pois é justamente essa abordagem que é dada no site do governo americano, que indico no post acima. A adequação de linguagem começa por eliminar a complexidade, sem abuso vernacular. Porém não significa vulgarizar o vocabulário.

meu abraço, com carinho,

Alvaro
Lele disse…
O governês é uma armadura. Quem o utiliza, utiliza para se proteger já que deixa inúmeras dúvidas a quem é leigo e precisa de uma, muitas vezes, simples, orientação.
Essa armadura está presente no pedagogês, negociês e assim vai... Na minha opinião não mostra o quanto você sabe sobre um assunto, mas o quanto você tem medo de ser questionado rapidamente.
[]´s
Helena
Alvaro Gregorio disse…
Vc está certa, Helena, não é monopólio do governo a utilização de termos técnicos, jargões e complicações em texto que nos faz sentir idiotas.
Veja o que temos que fazer para decidir qual o melhor plano de telefone celular, ou ainda, alguém já leu (e entendeu) o contrato com a Google/gmail sobre privacidade ?
É, temos que deixar o mais simples ser o mais importante.
Unknown disse…
Olá amigo, nesta mesma linha decidi após participar da CONSOCIAL, levar esta idéia para as ações dos politicos de Sorocaba, decide criar um site com transparência pública, controle social, webcidadania e acessbilidade para pessoas com deficiência, a fim de facilitar a obtenção de informações e sem complicação: http://nave.wordpress.com

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles i niciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia. Isto por que, na maioria dos  5563 municípios  brasileiros, i ndependente de porte ou localização , há um imenso  descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las.  Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno  século XXI,  índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU. Bem, a choradeira para por ai.  O que gostaríamos de falar, daqui para a frente,  para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as  grandes alterações  que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo  novas oportunida

Quem Fica Olhando Muito Para Trás, Tem Um Grande Passado Pela Frente

A frase que dá título a este post, proferida pelo grande filósofo e professor Mario Sergio Cortella, deve servir de alerta a muitos de nossos prefeitos.  A maioria deles ainda enxerga a atração de indústrias como o único caminho para o desenvolvimento de uma cidade. Esta visão, formada nos tempos em que fábrica era sinônimo de riqueza, tem feito com que novas oportunidades de crescimento, vinculadas a uma economia cada vez mais pujante, centrada no conhecimento, o mais valioso insumo dos nossos dias, não sejam devidamente estudadas, exploradas e aproveitadas. O que os senhores prefeitos precisam descobrir, desde já, é que nos dias atuais há uma nova "estrada", ainda mal sinalizada, para cidades que almejam um papel de destaque na emergente sociedade do conhecimento. De antemão, asseguro que para chegar a ela não basta usar a velha e onerosa prática de atrair empresas. O sucesso para galgar essa nova "estrada" depende da atração de talentos, pesso

Design Thinking em Governo: abrem-se os caminhos

Temos dedicado muito tempo de nossas pesquisas na avaliação da metodologia de Design Thinking, adaptada a governo para apoiar a inovação, na tentativa de adotá-la para a criação e reformulação de serviços públicos. O Pepe já havia comentado aqui anteriormente sobre Roger Martin e o Design de Negócios, bem como nos trouxe uma trilogia de posts ( 1 , 2 e 3 ) apontando a aplicação que pode ser dada ao tema em governo, baseado também na obra de Tim Brown e nos cases da IDEO . Nossas impressões foram confirmadas com a recente publicação de dois trabalhos que a IDEO realizou junto a The Partnership for Public Services , entidade não governamental que trabalha para produzir inovação em governo nos EUA. Essas publicações, que considero leitura obrigatória, estão dirigidas a dois públicos distintos: Innovation in Government : para todos envolvidos em inovação, é uma agradável e bem organizada leitura que introduz o assunto inovação em governo, baseada em depoimentos de especialistas, a