Pular para o conteúdo principal

Laboratório é problema, mas a governança ajuda a resolver

É preciso considerar que um laboratório de inovação pode atrair pessoas que desprezam as regras, não tanto por rebeldia, mas como um estilo de vida, um espírito independente que busca ocupar um espaço. O lab será visto como um oásis – ou miragem – no deserto de novas ideias das corporações.

Em parte isso é justificado pela aura de criatividade que envolve o novo ambiente ao transmitir uma mensagem de liberdade, com suas técnicas de ideação que estimulam a distância dos valores burocráticos e, claramente, a palavra disruptura que carrega um certo rompimento com padrões.

Isso cria alguns problemas iniciais para a organização que começa o funcionamento do laboratório, tais como:
  • se outras organizações participarão do laboratório, alguns ajustes serão necessários;
  • a segurança física/predial pode ser fragilizada com a presença de “gente de fora”;
  • a segurança digital terá que se adequar ao ambiente de acesso irrestrito e wifi;
  • os horários de funcionamento podem sofrer mudanças radicais, como equipes que quiserem avançar pela madrugada;
  • possíveis divergências com as rotinas trabalhistas;
  • áreas internas que desejarem usar o laboratório para reuniões convencionais;
  • a desobediência fazer parte da cultura; e
  • a inovação ainda não fazer.
Parecem menores e até insignificantes problemas dessa natureza serem capazes de assombrar o andamento de projetos inovadores, mas são coisas assim que podem atrapalhar uma decolagem sem traumas.


Os cuidados na montagem do laboratório que poderão afastar esses riscos de interpretação do espaço fazem parte da governança, com o propósito de institucionalizar regras e disciplinas adequadas ao novo ambiente e às pessoas, antecipando respostas às seguintes perguntas:
  • Como o laboratório pode ter a flexibilidade para testar e avaliar serviços com o usuário?
  • Está de alguma forma expressa ou tácita a aceitação de testes e erros?
  • Já foram mapeadas as redes relevantes existentes? Qual o ecossistema?
  • Já foram mapeadas as fontes e os dados de observação contínua para o laboratório? (p. exemplo: dados abertos do governo, dados das agências, acordos bilaterais com outros laboratórios e esferas, acordos com empresas privadas, uso de Big Data etc)
  • Existe uma noção de como o laboratório terá acesso ou interagirá com essas redes e bases de dados?
  • Será que os mecanismos de governança fornecem autoridade suficiente ao laboratório para fazer coisas novas?
  • As pessoas envolvidas na governança do laboratório têm familiaridade e conhecimento prático das metodologias, técnicas e abordagens que serão utilizadas? Terá laboratoristas especializados em quais técnicas?
  • Pode o grupo de governança incluir ou dar acesso a reconhecidos especialistas que podem atestar e colaborar com essas técnicas?
  • Como se formará a Programação/Agenda do laboratório? (p. exemplo: indicações de dirigentes, demandas de entidades, sugestões dos cidadãos/sociedade, iniciativas internas etc)
  • Como serão avaliados os impactos de sua ação?

De fato, este checklist fazemos logo após termos respondido às questões projetuais.
Já dissemos antes que a meta final de um lab é a autoexplosão, não suicida, mas uma atomização de seus valores, métodos, técnicas e ambiente para todo o seu entorno, de modo a acontecer uma ressignificação do trabalho em grande escala, onde trabalhar em projetos multidisciplinares seja a nova rotina e representem não só a abordagem completa de problema e solução, mas também um aprendizado contínuo e social no trabalho. O laboratório, mais do que abrir portas, derrubará suas paredes para contagiar a organização e todos que quiserem um trabalho desafiador e colaborativo.
Mas talvez isso seja apenas uma miragem.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles iniciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia.

Isto por que, na maioria dos 5563 municípios brasileiros, independente de porte ou localização, há um imenso descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las. Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno século XXI, índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU.
Bem, a choradeira para por ai. O que gostaríamos de falar, daqui para a frente, para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as grandes alterações que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo novas oportunidades para os municípios, não im…

Design Thinking em Governo: abrem-se os caminhos

Temos dedicado muito tempo de nossas pesquisas na avaliação da metodologia de Design Thinking, adaptada a governo para apoiar a inovação, na tentativa de adotá-la para a criação e reformulação de serviços públicos. O Pepe já havia comentado aqui anteriormente sobre Roger Martin e o Design de Negócios, bem como nos trouxe uma trilogia de posts ( 1, 2 e 3 ) apontando a aplicação que pode ser dada ao tema em governo, baseado também na obra de Tim Brown e nos cases da IDEO.

Nossas impressões foram confirmadas com a recente publicação de dois trabalhos que a IDEO realizou junto a The Partnership for Public Services, entidade não governamental que trabalha para produzir inovação em governo nos EUA. Essas publicações, que considero leitura obrigatória, estão dirigidas a dois públicos distintos:


Innovation in Government: para todos envolvidos em inovação, é uma agradável e bem organizada leitura que introduz o assunto inovação em governo, baseada em depoimentos de especialistas, apresentando …

Habilidades e Atitudes do Novo Gerente

Os gerentes que, ao longo dos próximos anos, ambicionarem progressos consistentes em suas carreiras deverão dedicar particular atenção à readequação de suas competências e habilidades, recalibrando-as no sentido da chefia tradicional para a liderança de equipes, do “mandar” para o “convencer”, do “eu ganhei, nós empatamos e vocês perderam” para o “tamo juntos”, só para exemplificar.
Esta, seguramente, não será - ou não tem sido, para aqueles que já iniciaram essa caminhada - uma mudança fácil, pois envolve, além de crescentes esforços de atualização no âmbito estritamente técnico, uma profunda remontagem nos modelos mentais tradicionais.
No campo técnico, a rápida e incansável diminuição no ciclo de vida de processos e produtos tem colocado, cada vez mais, a aprendizagem continuada na ordem do dia. O know-how dos colaboradores e, por consequência, das organizações, sofre ataques praticamente diários que empurram a atividade “aprender” para dentro da “folhinha de produção”. Nesse cenário…