Pular para o conteúdo principal

Localismo à Inglesa

Localismo não é um conceito novo, mas aqui no Reino Unido está bem na moda, graças à agenda da Big Society, já discutida em outro post. Para a Aliança Conservadores – Democratas Liberais o Localismo é um dos principais elementos (ou enablers) da Grande Sociedade. Mas a ideia do Localismo é mais neutra de um ponto de visto político-partidário, que tem sido usada para defender diferentes políticas públicas, e no passado já foi até considerada como uma possível bandeira eleitoral para Tony Blair.
No momento o projeto de lei do localismo está sendo debatido no Parlamento (aliás, vale dar uma olhada no site, especialmente na didática explicação sobre seu funcionamento). Se aprovada, esta lei irá mudar o equilíbrio de poder entre governo central, governos locais e cidadãos britânicos.

Existem diversas definições do que é Localismo, mas em síntese trata-se de uma preponderância de soluções locais, desenvolvida por grupos relativamente menores e geograficamente próximos, em oposição a decisões tomadas por um organismo central e distante. Alguns pontos característicos são:

Do ponto de vista da gestão pública, o Localismo apresenta um dilema, no sentido de que é difícil apoiar soluções locais e ao mesmo tempo atingir impacto nacional. A Nesta, uma interessante instituição não governamental dedicada a fomentar inovação em organizações públicas e privadas no Reino Unido, publicou em 2010 o relatório Mass Localism, ou Localismo de Massa. O relatório sugere que para alcançar resultados positivos em desafios sociais complexos, com um grande componente comportamental, como por exemplo em saúde pública, é importante que o governo estabeleça mecanismos de apoio a iniciativas comunitárias. Essa recomendação da Nesta me fez lembrar da Rede de Projetos do AcessaSP, que tem uma abordagem similar.

Uma outra discussão interessante em torno desse tema é o hiperlocalismo, expressão usada especialmente no contexto de mídias sociais. Trata-se do desenvolvimento de comunidades virtuais ligadas a uma vizinhança. Pra dar uma referência paulistana, uma solução desenvolvida para a região da sub-prefeitura de pinheiros seria um exemplo de localismo, enquanto a comunidade no Facebook dos frequentadores do Clube Pinheiros seria um exemplo de hiper-localismo. Mas também caem na categoria do hiper-localismo o jornalzinho da vizinhança, uma rádio ou tv comunitária, ou blogs.
Aqui no Reino existem uma série de iniciativas para fomentar o desenvolvimento de website hiper-locais, como a Social Media Surgery, e o Talk about Local , bem como para fomentar o uso do hiperlocalismo por governo locais, como o Local by Social . Uma pesquisa da consultoria Networked Neighbourhoods sumariza os impactos de alguns destes sites comunitários.
Basicamente, o hiper-localismo colabora para o fortalecimento de comunidades, o desenvolvimento de um canal de relacionamento através do qual serviços públicos podem contatar cidadãos de uma forma segmentada, e potencialmente o fortalecimento de um senso de responsabilidade social e cidadania. Ou no mínimo, um senso de boa vizinhança.



Publicado também no Observatório do Conhecimento.

Comentários

Caio Zaplana disse…
Olá Isabel!

O Localismo parece ser uma forma melhor de resolver os problemas da população, a partir de soluções para os problemas, dividindo-os em micro regiões. Acredito que esse tipo de prática pode trazer maior eficiência e agilidade para as políticas públicas, desde que a administração dessas "micro-regiões" tenham autonomia para resolver esses problemas.

Ótimo texto! Comecei a acompanhar o blog recentemente e estou gostando muito.

Um abraço
Olá Caio, o localismo pode ser sim uma solução interessante, desde que tenha um orçamento associado que permita às comunidades investir nas soluções desenvolvidas. É também importante não perder de vista questões de igualdade de oportunidades, já que a representatividade na administração dessas micro-regiões pode ser viesada. Mas concordo que o localismo pode ter um efeito bastante positivo em termos de envolvimento de cidadãos na administração pública.
Obrigada pelo comentário!
Isabel.

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles i niciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia. Isto por que, na maioria dos  5563 municípios  brasileiros, i ndependente de porte ou localização , há um imenso  descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las.  Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno  século XXI,  índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU. Bem, a choradeira para por ai.  O que gostaríamos de falar, daqui para a frente,  para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as  grandes alterações  que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo  novas oportunida

Design Thinking em Governo: abrem-se os caminhos

Temos dedicado muito tempo de nossas pesquisas na avaliação da metodologia de Design Thinking, adaptada a governo para apoiar a inovação, na tentativa de adotá-la para a criação e reformulação de serviços públicos. O Pepe já havia comentado aqui anteriormente sobre Roger Martin e o Design de Negócios, bem como nos trouxe uma trilogia de posts ( 1 , 2 e 3 ) apontando a aplicação que pode ser dada ao tema em governo, baseado também na obra de Tim Brown e nos cases da IDEO . Nossas impressões foram confirmadas com a recente publicação de dois trabalhos que a IDEO realizou junto a The Partnership for Public Services , entidade não governamental que trabalha para produzir inovação em governo nos EUA. Essas publicações, que considero leitura obrigatória, estão dirigidas a dois públicos distintos: Innovation in Government : para todos envolvidos em inovação, é uma agradável e bem organizada leitura que introduz o assunto inovação em governo, baseada em depoimentos de especialistas, a

Choque de Conhecimento I

O acelerado crescimento econômico da Irlanda, que já caminha para duas décadas, é um dos mais ilustrativos exemplos da reinvenção de um país em torno da produção do conhecimento. Em meados da década de 80, a Irlanda tinha um produto por habitante cerca de 60% abaixo da média dos países da UE -União Européia. O desemprego, oscilando em torno dos 18%, a forte emigração em busca de novas oportunidades no exterior e a contínua degradação de áreas urbanas, notadamente na capital, Dublin, eram algumas das mais tristes marcas dessa época de desalento. Hoje, cerca de 20 anos depois, a Irlanda tornou-se um país opulento. O produto per capita está, agora, em torno de US$ 38 mil, 40% acima da média dos países europeus e o segundo maior da UE, o desemprego recuou para 4%, a emigração deu lugar à imigração e os programas de recuperação urbana tornaram-se “cases” mundiais de sucesso. Um complexo conjunto de fatores, nos planos, político, social e econômico, que podem ser conferidos, por exemplo, no