Pular para o conteúdo principal

A Grande Sociedade

Aqui no Reino Unido a palavra da moda em políticas públicas no momento é Localismo. Ou, a “Grande Sociedade”, como prefere a aliança Conservadores-Democratas Liberais. Segundo o Primeiro-Ministro David Cameron, construir a Grande Sociedade é sua “paixão”, que se consumaria com a “redistribuição do poder”, isto é, a multiplicação de iniciativas comunitárias voltadas para a provisão de serviços públicos.
É interessante enxergar a Grande Sociedade como uma maneira de completar a agenda Conservadora de redução do setor público. Da última vez que os Conservadores estiveram no governo, com Margaret Thatcher (1979-1990) e John Major (1990-1997), o foco foi na transferência em massa de serviços do setor público para o setor privado, através das privatizações de serviços de habitação, gás, aço, saneamento e ferrovias, entre outras. Desta vez o enfoque é transferir responsabilidades do setor público para o terceiro setor, principalmente aquelas ligadas a políticas sociais, mas potencialmente incluindo qualquer coisa, desde bibliotecas e escolas, até transporte público.


Alex Hughes

Não por acaso, a proposta desta Grande Sociedade vem acompanhando o maior corte no orçamento desde o pós-guerra. A premissa é portanto que o terceiro setor irá preencher o vácuo deixado nos serviços públicos pelo drástico corte orçamentário.
Mas a Aliança parece ter subestimado um detalhe: O terceiro setor na verdade depende fortemente do apoio do Governo, na forma não só de recursos financeiros, mas também de cessão de espaço físico e de coordenação de redes institucionais. Para os críticos a severa diminuição no orçamento público inviabiliza a execução da Grande Sociedade.
Curiosamente, o Brasil é mencionado mais de uma vez como inspiração para os proponentes dessa agenda. Paulo Freire, com sua “Pedagogia da Libertação”, é considerado pela aliança como modelo para organização comunitária, numa interpretação considerada controversa por alguns. E Nick Hurd, o Ministro para Sociedade Civil e um dos principais promotores da Grande Sociedade, já morou cinco anos em São Paulo, e se declara fascinado por uma ONG que conheceu enquanto morava no Brasil que “redistribui computadores para moradores da favela” (suponho que ele se refira ao CDI).
Entretanto, já existe no Reino Unido um Terceiro Setor vibrante, e bastante poderoso, fortemente baseado na tradição britânica da filantropia. Mas então, o que exatamente busca Cameron com a Grande Sociedade?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles i niciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia. Isto por que, na maioria dos  5563 municípios  brasileiros, i ndependente de porte ou localização , há um imenso  descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las.  Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno  século XXI,  índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU. Bem, a choradeira para por ai.  O que gostaríamos de falar, daqui para a frente,  para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as  grandes alterações  que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo  novas oportunida

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Terceiro: o Governo como Plataforma

A ideia de Tim O'Reilly ao criar o termo e a abordagem de Governo como Plataforma, foi dar uma perspectiva de valor de patrimônio e de uso aos dados governamentais. Inicia explicando que as plataformas seguem uma lógica de alto investimento, onde praticamente só o Estado é capaz de investir, mas permitem à população, ao utilizarem essa plataforma, gerar riquezas. Temos um claro exemplo ao pensar em uma rodovia como esse investimento. O governo a constrói, mas a entrega aos usuários para trafegarem seus produtos, serviços, passageiros, estimular turismo e economias integradoras etc.. Em outras palavras, uma plataforma rodoviária do governo, mesmo em concessão, será usada pela sociedade, mesmo a custo de pedágios. O mesmo serve para plataformas digitais. O governo americano durante a gestão Reagan, em 1983, tornou disponível ao mundo o Sistema de Posicionamento Global - GPS. A partir do uso mundial dessa plataforma podemos calcular quantos outros produtos e serviços foram gerado

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Segundo: Governo Único para Cidadão Único.

A visão organizacional que o governo tem de si mesmo é a de ser um amontoado de compartimentos organizados por temas, numa estrutura hierárquica funcional que, de pesado equilíbrio, assenta-se de forma estanque e rígida em sólidas bases da lei. Por isso, só executa scripts de competências restritas, estimulando o isolamento – quantos governos dentro de um só – e a decorrente ausência de cooperação, refletindo, na visão do cidadão, um governo fragmentado, com algumas ilhas de excelência e grandes continentes de baixa eficiência. De igual forma, o governo também vê o cidadão de modo fragmentado: às vezes contribuinte, outras motorista, proprietário, aluno, paciente... mas nunca um cidadão único. E essas fragmentações impedem a visão da pluralidade, do todo, de um único harmônico, impedem o entendimento do que representam um e outro. retirado de  Korea IT Times O governo que se apresenta em fragmentos, naturalmente por agir de forma fragmentada, dispersa responsabilid