Pular para o conteúdo principal

A Grande Sociedade

Aqui no Reino Unido a palavra da moda em políticas públicas no momento é Localismo. Ou, a “Grande Sociedade”, como prefere a aliança Conservadores-Democratas Liberais. Segundo o Primeiro-Ministro David Cameron, construir a Grande Sociedade é sua “paixão”, que se consumaria com a “redistribuição do poder”, isto é, a multiplicação de iniciativas comunitárias voltadas para a provisão de serviços públicos.
É interessante enxergar a Grande Sociedade como uma maneira de completar a agenda Conservadora de redução do setor público. Da última vez que os Conservadores estiveram no governo, com Margaret Thatcher (1979-1990) e John Major (1990-1997), o foco foi na transferência em massa de serviços do setor público para o setor privado, através das privatizações de serviços de habitação, gás, aço, saneamento e ferrovias, entre outras. Desta vez o enfoque é transferir responsabilidades do setor público para o terceiro setor, principalmente aquelas ligadas a políticas sociais, mas potencialmente incluindo qualquer coisa, desde bibliotecas e escolas, até transporte público.


Alex Hughes

Não por acaso, a proposta desta Grande Sociedade vem acompanhando o maior corte no orçamento desde o pós-guerra. A premissa é portanto que o terceiro setor irá preencher o vácuo deixado nos serviços públicos pelo drástico corte orçamentário.
Mas a Aliança parece ter subestimado um detalhe: O terceiro setor na verdade depende fortemente do apoio do Governo, na forma não só de recursos financeiros, mas também de cessão de espaço físico e de coordenação de redes institucionais. Para os críticos a severa diminuição no orçamento público inviabiliza a execução da Grande Sociedade.
Curiosamente, o Brasil é mencionado mais de uma vez como inspiração para os proponentes dessa agenda. Paulo Freire, com sua “Pedagogia da Libertação”, é considerado pela aliança como modelo para organização comunitária, numa interpretação considerada controversa por alguns. E Nick Hurd, o Ministro para Sociedade Civil e um dos principais promotores da Grande Sociedade, já morou cinco anos em São Paulo, e se declara fascinado por uma ONG que conheceu enquanto morava no Brasil que “redistribui computadores para moradores da favela” (suponho que ele se refira ao CDI).
Entretanto, já existe no Reino Unido um Terceiro Setor vibrante, e bastante poderoso, fortemente baseado na tradição britânica da filantropia. Mas então, o que exatamente busca Cameron com a Grande Sociedade?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles iniciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia.

Isto por que, na maioria dos 5563 municípios brasileiros, independente de porte ou localização, há um imenso descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las. Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno século XXI, índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU.
Bem, a choradeira para por ai. O que gostaríamos de falar, daqui para a frente, para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as grandes alterações que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo novas oportunidades para os municípios, não im…

Objetivos e valores do Laboratório de Inovação

Um laboratório de inovação em governo pode atuar desde a criação de novas políticas públicas até a prototipagem de serviços prestados ao cidadão. A diferença não se trata apenas de níveis da gestão (estratégica e operacional), mas também define o porquê deve existir o lab, sua estrutura, seus objetivos e quais valores irá agregar ao governo.

Objetivar amplitude e formas de atuação nos ajuda a relacionar quesitos, estabelecer limites e buscar as parcerias certas.

Antes de apresentar uma nova relação sobre os aspectos de construção do laboratório, como os aspectos projetuais colocados em post anterior, apresento uma lista que pode ajudar a definir com um pouco mais de formalidade e precisão, após respondido o checklist projetual, para que está sendo criado o laboratório e no que pode contribuir para um governo inovador.

A ideia é de que usemos essa relação para selecionar aqueles itens que se aproximam com os objetivos do lab que pretendemos construir ou significar, mantendo em mente o …

A vibe dos Laboratórios de Inovação em Governo e um checklist projetual

Tem emergido na área governamental, felizmente, a ideia de criar laboratórios de inovação como um ambiente de criatividade e solução de problemas do setor público.

Tive a oportunidade de ajudar a criar para o Governo de São Paulo, em 2015, o iGovLab, permitindo estudar e entender melhor as potencialidades e objetivos de um laboratório de inovação, aprender com erros e saber quais caminhos e com quais companhias devemos contar. Depois disso, nos colocamos a observar e apoiar outras propostas de laboratórios dessa natureza no governo paulista, como no Metrô, na Secretaria de Educação, na FATEC e mais recentemente na SEFAZ, além de auxiliar conceitualmente outros Estados e Municípios que tem essa intenção.

É raro que os entusiastas pelo tema em governo se perguntem para que fazer um lab dessa natureza, parece inerente pois nem explicam com clareza esse entusiasmo, desviar do porque esconde a falta de conhecimento mais profundo sobre seus desejos ou, pior ainda, estar seguindo um fluxo qu…