Pular para o conteúdo principal

Bases de Dados e Mentes Abertas


Acompanhei o lançamento oficial do portal Governo Aberto, do Governo do Estado de São Paulo, ocorrido na Campus Party 2011, e fiquei surpreso com algumas manifestações da imprensa que, diferente da comunidade de usuários, cidadãos e hackers presentes no evento, parece não ter compreendido do que se trata o assunto.

O Governo Aberto, tal qual outras iniciativas internacionais comentadas aqui sobre os data.gov dos EUA, Reino Unido e Nova Zelândia, é uma plataforma web que disponibiliza para download as bases de dados do governo, em formato aberto, ou seja, que possam ser lidas, retrabalhadas, cruzadas com outras bases, sem necessidade de softwares proprietários, em geral nos formatos xml, csv ou até txt. A princípio, nada além disso, porém com o tempo espera-se que a sociedade, com acesso a essas bases, passem a produzir pesquisas e serviços eletrônicos utilizando esse material.

 Basicamente três questões surgiram pela imprensa, que deveria ser um dos setores a comemorar o lançamento, visto facilitar a pesquisa e investigação de informações, que me fizeram desconfiar do não entendimento de projetos dessa natureza.

A primeira questão levantada, focada no acontecimento político do lançamento, era o porquê estava sendo lançado agora um serviço que fora determinado pelo Decreto 55.559, em março de 2010. Ora, o projeto do portal aprovado naquela ocasião passou por testes e por um tempo de avaliação da sociedade, principalmente com a colaboração do pessoal do Transparência HackDay e levado ao debate no CONIP daquele ano. Após os acertos, entrou o período eleitoral e, por força de lei, teve que ser adiado o seu lançamento, que ocorreu no primeiro grande evento deste ano.

A segunda questão, talvez o maior equívoco, foi considerar redundante o Governo Aberto com o portal de transparência do Governo de São Paulo, o bem sucedido Prestando Contas que, como qualquer um pode notar, é focado em assuntos fazendários e suas informações não estão (ainda) em formato aberto, como preconizado no projeto Governo Aberto. Simples de entender, creio.

No terceiro ponto, levanta-se a questão da quantidade de bases ainda ser pequena, disponibilizando apenas 37 bases. Se pegarmos o exemplo da iniciativa americana, o portal dos EUA iniciou em julho de 2009 com 47 bases e atingiu, um ano após seu lançamento, mais de 200 mil bases de dados abertos. Um projeto web, como sabem, está sempre em crescimento e desenvolvimento.

No próprio evento de lançamento também foram estimulados que os usuários colaborassem, enviando idéias e quais bases consideram mais importantes a serem viabilizadas para download.

Por fim, um dia após o lançamento do Governo Aberto, recebemos a notícia que a Comunidade Européia acabara de lançar o seu Open Government, com 13 bases de dados catalogadas.

Penso que, além de nossas bases de dados, temos que ter nossas mentes abertas.

Comentários

Lele disse…
Voce esta bem corporativo com esse slogan "mentes abertas"
;)
Bjos

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles i niciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia. Isto por que, na maioria dos  5563 municípios  brasileiros, i ndependente de porte ou localização , há um imenso  descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las.  Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno  século XXI,  índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU. Bem, a choradeira para por ai.  O que gostaríamos de falar, daqui para a frente,  para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as  grandes alterações  que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo  novas oportunida

Design Thinking em Governo: abrem-se os caminhos

Temos dedicado muito tempo de nossas pesquisas na avaliação da metodologia de Design Thinking, adaptada a governo para apoiar a inovação, na tentativa de adotá-la para a criação e reformulação de serviços públicos. O Pepe já havia comentado aqui anteriormente sobre Roger Martin e o Design de Negócios, bem como nos trouxe uma trilogia de posts ( 1 , 2 e 3 ) apontando a aplicação que pode ser dada ao tema em governo, baseado também na obra de Tim Brown e nos cases da IDEO . Nossas impressões foram confirmadas com a recente publicação de dois trabalhos que a IDEO realizou junto a The Partnership for Public Services , entidade não governamental que trabalha para produzir inovação em governo nos EUA. Essas publicações, que considero leitura obrigatória, estão dirigidas a dois públicos distintos: Innovation in Government : para todos envolvidos em inovação, é uma agradável e bem organizada leitura que introduz o assunto inovação em governo, baseada em depoimentos de especialistas, a

Choque de Conhecimento I

O acelerado crescimento econômico da Irlanda, que já caminha para duas décadas, é um dos mais ilustrativos exemplos da reinvenção de um país em torno da produção do conhecimento. Em meados da década de 80, a Irlanda tinha um produto por habitante cerca de 60% abaixo da média dos países da UE -União Européia. O desemprego, oscilando em torno dos 18%, a forte emigração em busca de novas oportunidades no exterior e a contínua degradação de áreas urbanas, notadamente na capital, Dublin, eram algumas das mais tristes marcas dessa época de desalento. Hoje, cerca de 20 anos depois, a Irlanda tornou-se um país opulento. O produto per capita está, agora, em torno de US$ 38 mil, 40% acima da média dos países europeus e o segundo maior da UE, o desemprego recuou para 4%, a emigração deu lugar à imigração e os programas de recuperação urbana tornaram-se “cases” mundiais de sucesso. Um complexo conjunto de fatores, nos planos, político, social e econômico, que podem ser conferidos, por exemplo, no