Pular para o conteúdo principal

Dados Governamentais Abertos em debate


Para quem não foi ao CONIP-2010, o melhor e maior evento de informática pública no Brasil, pode encontrar no blog do Thiago Ávila uma boa síntese das palestras ocorridas neste evento. Estive lá em alguns painéis, a convite da organização e saí satisfeito com o nível dos debates e da notável busca de caminhos que o setor apresenta.

Um dos painéis que assisti foi o de "Dados Governamentais Abertos: um novo patamar do Governo Eletrônico", com as apresentações de Roberto Agune, Vagner Diniz, Claudio Cavalcanti e Pedro Markun. Um painel surpreendente, uma vez que deixou clara a necessidade de criação e disseminação de uma política para a abertura desses dados e conseqüente disponibilização à sociedade, ao mesmo tempo que revelou, pelas perguntas dos presentes, um grau de desconhecimento ou má interpretação do assunto.

Na abertura, com cada um dos debatedores apresentando seu ponto de vista, Agune apontou conceitualmente, a partir das camadas de metas do governo eletrônico, onde está a real oportunidade do e-gov evoluir: nas camadas de integração e participação, utilizando web 2.0, ferramentas e redes sociais, crowdsourcing e dados abertos, como apresentado na figura acima. Ainda apresentou exemplos internacionais, com destaque para o data.gov americano, que está completando um ano, atingindo 270 mil bases de dados entregues à população.

Por sua vez, Vagner Diniz, falando pelo W3C Brasil, apontou características do Open Data Gov, pontuando como saída para o marasmo do governo eletrônico destes últimos cinco anos e apoiando as iniciativas nacionais, tanto do lado do governo como as da socieadade, com destaque para o The HackDay.

Na fala do Claudio Cavalcanti percebemos um "fora do tom" na compreensão dos dados abertos, visto que o palestrante considera que o governo federal já pratica há muito tempo, mas não é fato, nem de longe, como percebeu Pedro Markun, da Casa de Cultura Digital, representando na mesa a sociedade civil e a geração Y.

Como estava lá com uma pequena câmera, gravei o debate e editei alguns momentos para você conferir a seguir:


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles i niciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia. Isto por que, na maioria dos  5563 municípios  brasileiros, i ndependente de porte ou localização , há um imenso  descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las.  Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno  século XXI,  índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU. Bem, a choradeira para por ai.  O que gostaríamos de falar, daqui para a frente,  para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as  grandes alterações  que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo  novas oportunida

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Segundo: Governo Único para Cidadão Único.

A visão organizacional que o governo tem de si mesmo é a de ser um amontoado de compartimentos organizados por temas, numa estrutura hierárquica funcional que, de pesado equilíbrio, assenta-se de forma estanque e rígida em sólidas bases da lei. Por isso, só executa scripts de competências restritas, estimulando o isolamento – quantos governos dentro de um só – e a decorrente ausência de cooperação, refletindo, na visão do cidadão, um governo fragmentado, com algumas ilhas de excelência e grandes continentes de baixa eficiência. De igual forma, o governo também vê o cidadão de modo fragmentado: às vezes contribuinte, outras motorista, proprietário, aluno, paciente... mas nunca um cidadão único. E essas fragmentações impedem a visão da pluralidade, do todo, de um único harmônico, impedem o entendimento do que representam um e outro. retirado de  Korea IT Times O governo que se apresenta em fragmentos, naturalmente por agir de forma fragmentada, dispersa responsabilid

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Terceiro: o Governo como Plataforma

A ideia de Tim O'Reilly ao criar o termo e a abordagem de Governo como Plataforma, foi dar uma perspectiva de valor de patrimônio e de uso aos dados governamentais. Inicia explicando que as plataformas seguem uma lógica de alto investimento, onde praticamente só o Estado é capaz de investir, mas permitem à população, ao utilizarem essa plataforma, gerar riquezas. Temos um claro exemplo ao pensar em uma rodovia como esse investimento. O governo a constrói, mas a entrega aos usuários para trafegarem seus produtos, serviços, passageiros, estimular turismo e economias integradoras etc.. Em outras palavras, uma plataforma rodoviária do governo, mesmo em concessão, será usada pela sociedade, mesmo a custo de pedágios. O mesmo serve para plataformas digitais. O governo americano durante a gestão Reagan, em 1983, tornou disponível ao mundo o Sistema de Posicionamento Global - GPS. A partir do uso mundial dessa plataforma podemos calcular quantos outros produtos e serviços foram gerado