Pular para o conteúdo principal

Bases de Dados e Mentes Abertas


Acompanhei o lançamento oficial do portal Governo Aberto, do Governo do Estado de São Paulo, ocorrido na Campus Party 2011, e fiquei surpreso com algumas manifestações da imprensa que, diferente da comunidade de usuários, cidadãos e hackers presentes no evento, parece não ter compreendido do que se trata o assunto.

O Governo Aberto, tal qual outras iniciativas internacionais comentadas aqui sobre os data.gov dos EUA, Reino Unido e Nova Zelândia, é uma plataforma web que disponibiliza para download as bases de dados do governo, em formato aberto, ou seja, que possam ser lidas, retrabalhadas, cruzadas com outras bases, sem necessidade de softwares proprietários, em geral nos formatos xml, csv ou até txt. A princípio, nada além disso, porém com o tempo espera-se que a sociedade, com acesso a essas bases, passem a produzir pesquisas e serviços eletrônicos utilizando esse material.

 Basicamente três questões surgiram pela imprensa, que deveria ser um dos setores a comemorar o lançamento, visto facilitar a pesquisa e investigação de informações, que me fizeram desconfiar do não entendimento de projetos dessa natureza.

A primeira questão levantada, focada no acontecimento político do lançamento, era o porquê estava sendo lançado agora um serviço que fora determinado pelo Decreto 55.559, em março de 2010. Ora, o projeto do portal aprovado naquela ocasião passou por testes e por um tempo de avaliação da sociedade, principalmente com a colaboração do pessoal do Transparência HackDay e levado ao debate no CONIP daquele ano. Após os acertos, entrou o período eleitoral e, por força de lei, teve que ser adiado o seu lançamento, que ocorreu no primeiro grande evento deste ano.

A segunda questão, talvez o maior equívoco, foi considerar redundante o Governo Aberto com o portal de transparência do Governo de São Paulo, o bem sucedido Prestando Contas que, como qualquer um pode notar, é focado em assuntos fazendários e suas informações não estão (ainda) em formato aberto, como preconizado no projeto Governo Aberto. Simples de entender, creio.

No terceiro ponto, levanta-se a questão da quantidade de bases ainda ser pequena, disponibilizando apenas 37 bases. Se pegarmos o exemplo da iniciativa americana, o portal dos EUA iniciou em julho de 2009 com 47 bases e atingiu, um ano após seu lançamento, mais de 200 mil bases de dados abertos. Um projeto web, como sabem, está sempre em crescimento e desenvolvimento.

No próprio evento de lançamento também foram estimulados que os usuários colaborassem, enviando idéias e quais bases consideram mais importantes a serem viabilizadas para download.

Por fim, um dia após o lançamento do Governo Aberto, recebemos a notícia que a Comunidade Européia acabara de lançar o seu Open Government, com 13 bases de dados catalogadas.

Penso que, além de nossas bases de dados, temos que ter nossas mentes abertas.

Comentários

Lele disse…
Voce esta bem corporativo com esse slogan "mentes abertas"
;)
Bjos

Postagens mais visitadas deste blog

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Terceiro: o Governo como Plataforma

A ideia de Tim O'Reilly ao criar o termo e a abordagem de Governo como Plataforma, foi dar uma perspectiva de valor de patrimônio e de uso aos dados governamentais. Inicia explicando que as plataformas seguem uma lógica de alto investimento, onde praticamente só o Estado é capaz de investir, mas permitem à população, ao utilizarem essa plataforma, gerar riquezas. Temos um claro exemplo ao pensar em uma rodovia como esse investimento. O governo a constrói, mas a entrega aos usuários para trafegarem seus produtos, serviços, passageiros, estimular turismo e economias integradoras etc.. Em outras palavras, uma plataforma rodoviária do governo, mesmo em concessão, será usada pela sociedade, mesmo a custo de pedágios. O mesmo serve para plataformas digitais. O governo americano durante a gestão Reagan, em 1983, tornou disponível ao mundo o Sistema de Posicionamento Global - GPS. A partir do uso mundial dessa plataforma podemos calcular quantos outros produtos e serviços foram gerado

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles i niciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia. Isto por que, na maioria dos  5563 municípios  brasileiros, i ndependente de porte ou localização , há um imenso  descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las.  Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno  século XXI,  índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU. Bem, a choradeira para por ai.  O que gostaríamos de falar, daqui para a frente,  para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as  grandes alterações  que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo  novas oportunida

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Segundo: Governo Único para Cidadão Único.

A visão organizacional que o governo tem de si mesmo é a de ser um amontoado de compartimentos organizados por temas, numa estrutura hierárquica funcional que, de pesado equilíbrio, assenta-se de forma estanque e rígida em sólidas bases da lei. Por isso, só executa scripts de competências restritas, estimulando o isolamento – quantos governos dentro de um só – e a decorrente ausência de cooperação, refletindo, na visão do cidadão, um governo fragmentado, com algumas ilhas de excelência e grandes continentes de baixa eficiência. De igual forma, o governo também vê o cidadão de modo fragmentado: às vezes contribuinte, outras motorista, proprietário, aluno, paciente... mas nunca um cidadão único. E essas fragmentações impedem a visão da pluralidade, do todo, de um único harmônico, impedem o entendimento do que representam um e outro. retirado de  Korea IT Times O governo que se apresenta em fragmentos, naturalmente por agir de forma fragmentada, dispersa responsabilid