Pular para o conteúdo principal

"Por Deus, tenham um blog !"


Em discurso no último dia 24, o Papa Bento XVI fez um pedido incomum aos padres católicos: “Por Deus, tenham um blog!”. O apelo, noticiado pela Reuters, está alinhado à proposta que será apresentada no próximo Dia Mundial das Comunicações Sociais, que acontecerá em 16 de maio e terá como tema "O sacerdote e a pastoral no mundo digital: os novos media ao serviço da Palavra".


Bento XVI pretende fazer com que a Igreja Católica aproveite os novos meios de comunicação disponíveis para falar com os jovens e evangelizar. “Os padres são assim desafiados a proclamar o evangelho empregando as últimas gerações de recursos audiovisuais - imagens, vídeos, atributos animados, blogs, sites - que juntamente com os meios tradicionais podem abrir novas visões para o diálogo, evangelização e catequização", disse o Papa durante o discurso.


Esse acolhimento das ferramentas sociais pela igreja, que comentamos aqui há um ano, revela uma estratégia moderna e dinâmica, apesar do Papa ser conhecido por sua falta de afinidade com a web e que escreve boa parte de seus discursos à mão, repassando-os aos seus ajudantes digitalizá-los.


No novo site do Vaticano é possível ter acesso aos sermões do Papa através de seu canal no Youtube, sua página no Facebook ou ainda baixar discursos e mensagens do Sumo Pontífice diretamente para o iPhone ou iPod.


Na Itália, padres respondem às questões dos internautas no site Dióceses. Apesar da conversa direta com os sacerdotes, o portal adverte que eles não receberão confissões por e-mail, limitando-se apenas a responder dúvidas.


Nos Estados Unidos, os fiéis da Igreja Católica podem receber via SMS mensagens com pequena biografia do Santo do dia, orações e resumos das missas, através do serviço Catholic Mobile.


Semelhante ao serviço católico, a Igreja Protestante Harvest Christian Fellowship, envia por SMS a milhares de assinantes, trechos dos sermões realizados pelo pastor americano Greg Laurie. No Portal Protestante, os blogs dos pastores ganham destaques e promovem debates até mesmo sobre tecnologia, como o artigo em que Greg Laurie questiona “O tablet de Jesus?”, referindo-se ao novo lançamento iPad, da Apple. Laurie completa: “Vamos amar ao Senhor e usar a tecnologia, não amar a tecnologia e usar a palavra do Senhor”.


O site do padre brasileiro Marcelo Rossi, oferece ao internauta a possibilidade de fazer pedidos de orações, rosários e velas virtuais, além de escutar ao programa “Momento de Fé” na rádio online.


Apesar do pedido papal pelo maior envolvimento da Igreja com a web, Bento XVI alertou para que os representantes do Catolicismo não tornem os novos meios de comunicação uma forma de promoção pessoal. "Os padres no mundo das comunicações digitais devem ser mais chamativos pelos seus corações religiosos do que por seus talentos comunicativos".


A inclusão digital agora é declaradamente um interesse religioso e tem grandes chances de entrar no conjunto de ações solidárias que a Igreja Católica promove em comunidades carentes.


Há filme explicativo produzido pela Santa Sé, mas não permite incorporação (?!). Então para acessá-lo clique aqui .


POST post: o Sérgio Bolliger me passou a seguinte frase do Rubem Alves: Os católicos [...] têm uma interminável burocracia intermediária, que vai amenizando as coisas, e Deus nem fica sabendo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles i niciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia. Isto por que, na maioria dos  5563 municípios  brasileiros, i ndependente de porte ou localização , há um imenso  descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las.  Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno  século XXI,  índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU. Bem, a choradeira para por ai.  O que gostaríamos de falar, daqui para a frente,  para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as  grandes alterações  que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo  novas oportunida

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Terceiro: o Governo como Plataforma

A ideia de Tim O'Reilly ao criar o termo e a abordagem de Governo como Plataforma, foi dar uma perspectiva de valor de patrimônio e de uso aos dados governamentais. Inicia explicando que as plataformas seguem uma lógica de alto investimento, onde praticamente só o Estado é capaz de investir, mas permitem à população, ao utilizarem essa plataforma, gerar riquezas. Temos um claro exemplo ao pensar em uma rodovia como esse investimento. O governo a constrói, mas a entrega aos usuários para trafegarem seus produtos, serviços, passageiros, estimular turismo e economias integradoras etc.. Em outras palavras, uma plataforma rodoviária do governo, mesmo em concessão, será usada pela sociedade, mesmo a custo de pedágios. O mesmo serve para plataformas digitais. O governo americano durante a gestão Reagan, em 1983, tornou disponível ao mundo o Sistema de Posicionamento Global - GPS. A partir do uso mundial dessa plataforma podemos calcular quantos outros produtos e serviços foram gerado

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Segundo: Governo Único para Cidadão Único.

A visão organizacional que o governo tem de si mesmo é a de ser um amontoado de compartimentos organizados por temas, numa estrutura hierárquica funcional que, de pesado equilíbrio, assenta-se de forma estanque e rígida em sólidas bases da lei. Por isso, só executa scripts de competências restritas, estimulando o isolamento – quantos governos dentro de um só – e a decorrente ausência de cooperação, refletindo, na visão do cidadão, um governo fragmentado, com algumas ilhas de excelência e grandes continentes de baixa eficiência. De igual forma, o governo também vê o cidadão de modo fragmentado: às vezes contribuinte, outras motorista, proprietário, aluno, paciente... mas nunca um cidadão único. E essas fragmentações impedem a visão da pluralidade, do todo, de um único harmônico, impedem o entendimento do que representam um e outro. retirado de  Korea IT Times O governo que se apresenta em fragmentos, naturalmente por agir de forma fragmentada, dispersa responsabilid