Pular para o conteúdo principal

Amplia a participação cidadã em Portugal


No caminho do uso colaborativo da internet fortalecido pelo governo Obama, seguido pela iniciativa européia da Open Declaration on Public Services 2.0, chegou a hora do Governo de Portugal mostrar as iniciativas que aproximam cidadão e governo para a coesão do futuro.
A primeira iniciativa lusa, comentada aqui, revelou os primeiros passos portugueses rumo a essa direção. Agora, o projeto Eu Participo pretende fazer com que os cidadãos de todo o país colaborem, sugerindo melhorias e denunciando maus cuidados na região onde moram.
É possível também, anexar vídeos explicativos às propostas que receberão comentários e votos de outros internautas.
As mais votadas, mais comentadas e mais recentes ficam prioritariamente expostas no site. E se você, por curiosidade, clicar apenas para descobrir quais as necessidades de um país europeu, poderá ir além: em alguns dos inúmeros vídeos explicativos postados no canto superior da página aprenderá a fazer uma área de plantações no seu telhado ou saberá a quantas anda a campanha pelo uso de sacolas de pano. Os portugueses não estão ali apenas para reclamar, mas para sugerir melhorias para o bem comum.
A iniciativa, entretanto, parte de uma empresa, a OceanLab que, diferente dos exemplos anteriores, não explica claramente o que acontecerá com as idéias registradas. 
Temo por esse tipo de iniciativa desagregada do poder público, pois novamente dá a entender que as ferramentas existem, e nesse caso até o estímulo de participação popular, mas como será a recepção política disso tudo fica sem resposta.

Com proposta similar, porém com o devido amparo político, a Câmara Municipal de Lisboa está promovendo o Orçamento Participativo 2010 online e colaborativo. As propostas são enviadas e votadas pelo cidadão. Cada uma delas poderá apresentar um projeto com o limite máximo de gasto de cinco milhões de euros. As mais votadas serão incluídas no orçamento municipal do próximo ano.
Uma cidade construída por governantes e munícipes, através da internet. Um projeto inovador como esse, só poderia ganhar o título de “boa prática de governo urbano”, reconhecido pela UN-Habitat, da Organização das Nações Unidas – ONU.
Vale lembrar que parte do sucesso do espaço dado às boas propostas, depende também da base cultural e educacional que o próprio Governo oferece à população. Sem ela, é difícil crer que as pessoas estejam dispostas a envolverem-se com os problemas da sociedade sem antes resolverem seus próprios problemas.  Antes da evolução tecnológica, precisamos ter garantias de que já houve uma evolução humana.

Comentários

Rafael Soares disse…
O Orçamento Participativo de Lisboa é a melhor iniciativa de Governo 2.0 que VI até agora. A prefeitura está de parabéns e seu exemplo precisa ser divulgado e seguido no mundo todo.

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles i niciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia. Isto por que, na maioria dos  5563 municípios  brasileiros, i ndependente de porte ou localização , há um imenso  descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las.  Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno  século XXI,  índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU. Bem, a choradeira para por ai.  O que gostaríamos de falar, daqui para a frente,  para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as  grandes alterações  que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo  novas oportunida

Design Thinking em Governo: abrem-se os caminhos

Temos dedicado muito tempo de nossas pesquisas na avaliação da metodologia de Design Thinking, adaptada a governo para apoiar a inovação, na tentativa de adotá-la para a criação e reformulação de serviços públicos. O Pepe já havia comentado aqui anteriormente sobre Roger Martin e o Design de Negócios, bem como nos trouxe uma trilogia de posts ( 1 , 2 e 3 ) apontando a aplicação que pode ser dada ao tema em governo, baseado também na obra de Tim Brown e nos cases da IDEO . Nossas impressões foram confirmadas com a recente publicação de dois trabalhos que a IDEO realizou junto a The Partnership for Public Services , entidade não governamental que trabalha para produzir inovação em governo nos EUA. Essas publicações, que considero leitura obrigatória, estão dirigidas a dois públicos distintos: Innovation in Government : para todos envolvidos em inovação, é uma agradável e bem organizada leitura que introduz o assunto inovação em governo, baseada em depoimentos de especialistas, a

Choque de Conhecimento I

O acelerado crescimento econômico da Irlanda, que já caminha para duas décadas, é um dos mais ilustrativos exemplos da reinvenção de um país em torno da produção do conhecimento. Em meados da década de 80, a Irlanda tinha um produto por habitante cerca de 60% abaixo da média dos países da UE -União Européia. O desemprego, oscilando em torno dos 18%, a forte emigração em busca de novas oportunidades no exterior e a contínua degradação de áreas urbanas, notadamente na capital, Dublin, eram algumas das mais tristes marcas dessa época de desalento. Hoje, cerca de 20 anos depois, a Irlanda tornou-se um país opulento. O produto per capita está, agora, em torno de US$ 38 mil, 40% acima da média dos países europeus e o segundo maior da UE, o desemprego recuou para 4%, a emigração deu lugar à imigração e os programas de recuperação urbana tornaram-se “cases” mundiais de sucesso. Um complexo conjunto de fatores, nos planos, político, social e econômico, que podem ser conferidos, por exemplo, no