Pular para o conteúdo principal

Serviços urbanos online

No início da internet comercial no Brasil eu trabalhava na PRODAM, companhia de informática municipal de São Paulo, quando implantamos o primeiro site de governo na rede e, após alguns meses lançamos o Serviço de Atendimento ao Cidadão - SAC, online, que tinha como principal função atender ao cidadão nas suas solicitações junto a Prefeitura, como poda de árvores, troca de lâmpadas nas ruas, tapar buracos em vias públicas e outros 400 serviços que até hoje estão lá disponíveis.

A idéia de usar a rede para aproximar cidadãos da gestão da cidade, cuidando do seu entorno, cresceu e sofisticou em forma e interfaces, agregou outros recursos de compartilhamento e localização georeferenciada, como o que foi feito no modelar Fix My Street inglês, este criado e mantido pelo MySociety, o principal projeto organização não-governamental UK Citizens Online Democracy.


Agora observo esse mesmo tipo de serviço aplicado aos serviços portugueses, incluído no Portal do Cidadão de Portugal: o serviço A Minha Rua. Aceitando comunicação dos cidadãos por texto ou mesmo fotos, permite por exemplo que o cidadão, ao caminhar pelas ruas e encontrar algo que esteja em desacordo e seja de responsabilidade do governo municipal - como calçadas, vias, árvores, iluminação, lixo e afins - basta sacar o celular, tirar uma foto ou escrever um texto via web (poderia ser SMS, não?) e enviar a "queixa" ao serviço lusitano.

Disponível inicialmente nas cidades de Borba, Évora, Murça, Ovar e Pombal,o serviço online promete para breve um mashup de interação com mapas, o que tornará finalmente essa utilíssima aplicação aos munícipes muito melhor, como o que sempre defendemos aqui tomando por exemplo o Citix. Entendo que ainda seja um dos melhores serviços ao cidadão em sua relação com a cidade em que vive.

Comentários

Olá sou novata neste espaço e gostaria de obter ajuda quanto a possíveis redes sociais governamentais cuja iniciativa vem dando certo no Brasil. Agradeço respostas, grande abraço a todos!
Alvaro Gregorio disse…
Olá Gisele,

Especificamente no Governo de São Paulo temos duas exemplares experiências sobre redes sociais governamentais: a nósGov (em http://igovsp.ning.com ) e a nósGov-PM ( http://nosgov-pm.ning.com/ ). Ambas são exclusivas ao funcionalismo.
A primeira (nósGov) é dedicada à inovação e recebeu o Prêmio InfoCorporate deste ano. Você pode acessar livremente a Rede Paulista de Inovação em Governo (que foi premiada nesta semana com o Excelência em Governo 2009- SECOP) em http://www.igovsp.net/

abs

ag
Vera Massa disse…
Alvaro...Fiz um curso contigo no Metrô recentemente. Lá vc comentou sobre o Inova Day. Parece que acontecerá amanhã, não é? Poderia me dizer mais alguma coisa sobre isso? Obrigada
Alvaro Gregorio disse…
Olá Vera,

Tem um convite para o evento lá na comunidade, em http://metro-inova.ning.com/
Adiantando: é amanhã, as 9h, na FUNDAP.
Até lá.

ag

Postagens mais visitadas deste blog

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Terceiro: o Governo como Plataforma

A ideia de Tim O'Reilly ao criar o termo e a abordagem de Governo como Plataforma, foi dar uma perspectiva de valor de patrimônio e de uso aos dados governamentais. Inicia explicando que as plataformas seguem uma lógica de alto investimento, onde praticamente só o Estado é capaz de investir, mas permitem à população, ao utilizarem essa plataforma, gerar riquezas. Temos um claro exemplo ao pensar em uma rodovia como esse investimento. O governo a constrói, mas a entrega aos usuários para trafegarem seus produtos, serviços, passageiros, estimular turismo e economias integradoras etc.. Em outras palavras, uma plataforma rodoviária do governo, mesmo em concessão, será usada pela sociedade, mesmo a custo de pedágios. O mesmo serve para plataformas digitais. O governo americano durante a gestão Reagan, em 1983, tornou disponível ao mundo o Sistema de Posicionamento Global - GPS. A partir do uso mundial dessa plataforma podemos calcular quantos outros produtos e serviços foram gerado

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles i niciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia. Isto por que, na maioria dos  5563 municípios  brasileiros, i ndependente de porte ou localização , há um imenso  descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las.  Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno  século XXI,  índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU. Bem, a choradeira para por ai.  O que gostaríamos de falar, daqui para a frente,  para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as  grandes alterações  que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo  novas oportunida

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Segundo: Governo Único para Cidadão Único.

A visão organizacional que o governo tem de si mesmo é a de ser um amontoado de compartimentos organizados por temas, numa estrutura hierárquica funcional que, de pesado equilíbrio, assenta-se de forma estanque e rígida em sólidas bases da lei. Por isso, só executa scripts de competências restritas, estimulando o isolamento – quantos governos dentro de um só – e a decorrente ausência de cooperação, refletindo, na visão do cidadão, um governo fragmentado, com algumas ilhas de excelência e grandes continentes de baixa eficiência. De igual forma, o governo também vê o cidadão de modo fragmentado: às vezes contribuinte, outras motorista, proprietário, aluno, paciente... mas nunca um cidadão único. E essas fragmentações impedem a visão da pluralidade, do todo, de um único harmônico, impedem o entendimento do que representam um e outro. retirado de  Korea IT Times O governo que se apresenta em fragmentos, naturalmente por agir de forma fragmentada, dispersa responsabilid