Pular para o conteúdo principal

Amplia a participação cidadã em Portugal


No caminho do uso colaborativo da internet fortalecido pelo governo Obama, seguido pela iniciativa européia da Open Declaration on Public Services 2.0, chegou a hora do Governo de Portugal mostrar as iniciativas que aproximam cidadão e governo para a coesão do futuro.
A primeira iniciativa lusa, comentada aqui, revelou os primeiros passos portugueses rumo a essa direção. Agora, o projeto Eu Participo pretende fazer com que os cidadãos de todo o país colaborem, sugerindo melhorias e denunciando maus cuidados na região onde moram.
É possível também, anexar vídeos explicativos às propostas que receberão comentários e votos de outros internautas.
As mais votadas, mais comentadas e mais recentes ficam prioritariamente expostas no site. E se você, por curiosidade, clicar apenas para descobrir quais as necessidades de um país europeu, poderá ir além: em alguns dos inúmeros vídeos explicativos postados no canto superior da página aprenderá a fazer uma área de plantações no seu telhado ou saberá a quantas anda a campanha pelo uso de sacolas de pano. Os portugueses não estão ali apenas para reclamar, mas para sugerir melhorias para o bem comum.
A iniciativa, entretanto, parte de uma empresa, a OceanLab que, diferente dos exemplos anteriores, não explica claramente o que acontecerá com as idéias registradas. 
Temo por esse tipo de iniciativa desagregada do poder público, pois novamente dá a entender que as ferramentas existem, e nesse caso até o estímulo de participação popular, mas como será a recepção política disso tudo fica sem resposta.

Com proposta similar, porém com o devido amparo político, a Câmara Municipal de Lisboa está promovendo o Orçamento Participativo 2010 online e colaborativo. As propostas são enviadas e votadas pelo cidadão. Cada uma delas poderá apresentar um projeto com o limite máximo de gasto de cinco milhões de euros. As mais votadas serão incluídas no orçamento municipal do próximo ano.
Uma cidade construída por governantes e munícipes, através da internet. Um projeto inovador como esse, só poderia ganhar o título de “boa prática de governo urbano”, reconhecido pela UN-Habitat, da Organização das Nações Unidas – ONU.
Vale lembrar que parte do sucesso do espaço dado às boas propostas, depende também da base cultural e educacional que o próprio Governo oferece à população. Sem ela, é difícil crer que as pessoas estejam dispostas a envolverem-se com os problemas da sociedade sem antes resolverem seus próprios problemas.  Antes da evolução tecnológica, precisamos ter garantias de que já houve uma evolução humana.

Comentários

Rafael Soares disse…
O Orçamento Participativo de Lisboa é a melhor iniciativa de Governo 2.0 que VI até agora. A prefeitura está de parabéns e seu exemplo precisa ser divulgado e seguido no mundo todo.

Postagens mais visitadas deste blog

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Terceiro: o Governo como Plataforma

A ideia de Tim O'Reilly ao criar o termo e a abordagem de Governo como Plataforma, foi dar uma perspectiva de valor de patrimônio e de uso aos dados governamentais. Inicia explicando que as plataformas seguem uma lógica de alto investimento, onde praticamente só o Estado é capaz de investir, mas permitem à população, ao utilizarem essa plataforma, gerar riquezas. Temos um claro exemplo ao pensar em uma rodovia como esse investimento. O governo a constrói, mas a entrega aos usuários para trafegarem seus produtos, serviços, passageiros, estimular turismo e economias integradoras etc.. Em outras palavras, uma plataforma rodoviária do governo, mesmo em concessão, será usada pela sociedade, mesmo a custo de pedágios. O mesmo serve para plataformas digitais. O governo americano durante a gestão Reagan, em 1983, tornou disponível ao mundo o Sistema de Posicionamento Global - GPS. A partir do uso mundial dessa plataforma podemos calcular quantos outros produtos e serviços foram gerado

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles i niciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia. Isto por que, na maioria dos  5563 municípios  brasileiros, i ndependente de porte ou localização , há um imenso  descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las.  Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno  século XXI,  índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU. Bem, a choradeira para por ai.  O que gostaríamos de falar, daqui para a frente,  para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as  grandes alterações  que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo  novas oportunida

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Segundo: Governo Único para Cidadão Único.

A visão organizacional que o governo tem de si mesmo é a de ser um amontoado de compartimentos organizados por temas, numa estrutura hierárquica funcional que, de pesado equilíbrio, assenta-se de forma estanque e rígida em sólidas bases da lei. Por isso, só executa scripts de competências restritas, estimulando o isolamento – quantos governos dentro de um só – e a decorrente ausência de cooperação, refletindo, na visão do cidadão, um governo fragmentado, com algumas ilhas de excelência e grandes continentes de baixa eficiência. De igual forma, o governo também vê o cidadão de modo fragmentado: às vezes contribuinte, outras motorista, proprietário, aluno, paciente... mas nunca um cidadão único. E essas fragmentações impedem a visão da pluralidade, do todo, de um único harmônico, impedem o entendimento do que representam um e outro. retirado de  Korea IT Times O governo que se apresenta em fragmentos, naturalmente por agir de forma fragmentada, dispersa responsabilid