Pular para o conteúdo principal

A vibe dos Laboratórios de Inovação em Governo e um checklist projetual

Tem emergido na área governamental, felizmente, a ideia de criar laboratórios de inovação como um ambiente de criatividade e solução de problemas do setor público.

Tive a oportunidade de ajudar a criar para o Governo de São Paulo, em 2015, o iGovLab, permitindo estudar e entender melhor as potencialidades e objetivos de um laboratório de inovação, aprender com erros e saber quais caminhos e com quais companhias devemos contar. Depois disso, nos colocamos a observar e apoiar outras propostas de laboratórios dessa natureza no governo paulista, como no Metrô, na Secretaria de Educação, na FATEC e mais recentemente na SEFAZ, além de auxiliar conceitualmente outros Estados e Municípios que tem essa intenção.

É raro que os entusiastas pelo tema em governo se perguntem para que fazer um lab dessa natureza, parece inerente pois nem explicam com clareza esse entusiasmo, desviar do porque esconde a falta de conhecimento mais profundo sobre seus desejos ou, pior ainda, estar seguindo um fluxo que outros governos também estão por modinha, numa vibe onde podem ocupar seu tempo.


Mais raro ainda é se preocuparem em definir o como o lab irá atuar, com quais métodos, em quais segmentos, com quais apoios, amplitudes, enfim tudo que esteja além da definição do projeto arquitetônico, móveis e equipamentos do lab, que parece ser a única preocupação dos iniciantes. Entendo, o tema é novo, paredes escrevíveis e móveis descolados são bacanas de mostrar... toda essa coisa porém pode atrasar e dar má fama ao projeto.

Tentarei organizar em três ou quatro posts uma espécie de checklist para orientar as discussões internas e tentar responder aos porque, pra que, como e o que na criação de um laboratório de inovação, colocando questões que, se não puderem ser respondidas antes da criação, possam estar ao menos entre as preocupações da equipe.

O primeiro grupo de perguntas refere-se aos aspectos projetuais do laboratório, constituindo uma etapa inicial de discussão e evitando perguntas evasivas ou que permitam respostas mais filosóficas sobre a inovação. Minha sugestão é que sejam colocadas na primeira reunião e, colaborativamente, se agreguem os vários pontos de vista nas respostas dos participantes. Aqui estão:

       Qual a amplitude/competência do laboratório? Tem foco temático/setorial?
       A proposta do laboratório deixa claro em quais tipos de problemas poderá utilizado ?
       É explícito que tipos de problemas ou projetos o laboratório não vai fazer?
       O laboratório usa ou pretende usar apoio legal? Quais?
       Estão identificadas as lideranças setoriais e stakeholders que apoiam o laboratório?
       Está claro quais os projetos ou etapas de projetos que o laboratório vai suportar? ( por exemplo, será responsável por entender os problemas (imersão), ou para a identificação de soluções (ideação) ou para testar e implementar as soluções, ou vai fazer todas essas coisas? haverá outros métodos e técnicas?)
       As qualificações disponíveis no laboratório combinam com seu alcance? Existe conhecimento sobre os métodos, técnicas e ferramentas a serem utilizadas?
       Existe algum tipo de suporte para o laboratório quando se deparar com dificuldades ou qualificações inesperadas? ( por exemplo, parcerias com universidades e especialistas)
       Foi feita alguma avaliação sobre a instalação ou manutenção ser feita em parceria com o setor privado?
       Se existe a opção de parceria privada, como assegurar que o laboratório seja visto como legítimo e confiável por funcionários públicos?
       No caso de parceria interna no governo, quais órgãos podem agregar ao laboratório? O que eles podem oferecer e desfrutar? Qual o grau de maturidade desses parceiros para inovação?

Essas questões antecedem a definição de espaços, móveis e equipamentos. Acredito que baste para um primeiro encontro, mais adiante entraremos em perguntas que orientem aspectos de governança e modelo de negócios dos laboratórios. Como sempre, comente e compartilhe como quiser.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles iniciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia.

Isto por que, na maioria dos 5563 municípios brasileiros, independente de porte ou localização, há um imenso descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las. Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno século XXI, índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU.
Bem, a choradeira para por ai. O que gostaríamos de falar, daqui para a frente, para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as grandes alterações que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo novas oportunidades para os municípios, não im…

Design Thinking em Governo: abrem-se os caminhos

Temos dedicado muito tempo de nossas pesquisas na avaliação da metodologia de Design Thinking, adaptada a governo para apoiar a inovação, na tentativa de adotá-la para a criação e reformulação de serviços públicos. O Pepe já havia comentado aqui anteriormente sobre Roger Martin e o Design de Negócios, bem como nos trouxe uma trilogia de posts ( 1, 2 e 3 ) apontando a aplicação que pode ser dada ao tema em governo, baseado também na obra de Tim Brown e nos cases da IDEO.

Nossas impressões foram confirmadas com a recente publicação de dois trabalhos que a IDEO realizou junto a The Partnership for Public Services, entidade não governamental que trabalha para produzir inovação em governo nos EUA. Essas publicações, que considero leitura obrigatória, estão dirigidas a dois públicos distintos:


Innovation in Government: para todos envolvidos em inovação, é uma agradável e bem organizada leitura que introduz o assunto inovação em governo, baseada em depoimentos de especialistas, apresentando …

Habilidades e Atitudes do Novo Gerente

Os gerentes que, ao longo dos próximos anos, ambicionarem progressos consistentes em suas carreiras deverão dedicar particular atenção à readequação de suas competências e habilidades, recalibrando-as no sentido da chefia tradicional para a liderança de equipes, do “mandar” para o “convencer”, do “eu ganhei, nós empatamos e vocês perderam” para o “tamo juntos”, só para exemplificar.
Esta, seguramente, não será - ou não tem sido, para aqueles que já iniciaram essa caminhada - uma mudança fácil, pois envolve, além de crescentes esforços de atualização no âmbito estritamente técnico, uma profunda remontagem nos modelos mentais tradicionais.
No campo técnico, a rápida e incansável diminuição no ciclo de vida de processos e produtos tem colocado, cada vez mais, a aprendizagem continuada na ordem do dia. O know-how dos colaboradores e, por consequência, das organizações, sofre ataques praticamente diários que empurram a atividade “aprender” para dentro da “folhinha de produção”. Nesse cenário…