Pular para o conteúdo principal

Sindicato dos Robôs




Nas palavras de Peter Drucker, o grande mérito da gestão ao longo do século XX  foi o de elevar em 50 vezes a produtividade do trabalhador manual. As teorias desenvolvidas por Taylor, Ford, Fayol e seus seguidores, somadas às novas tecnologias usadas nas fábricas e escritórios, estão na raiz deste enorme salto.

O problema é que a simples extrapolação dessas práticas para as organizações do século XXI não será suficiente para mantê-las vivas. Isto por que, ainda de acordo com Drucker, o conhecimento, ao atingir o status de fator de produção número 1 em termos de geração de riqueza, mudou totalmente as regras do jogo corporativo, desafiando as organizações que queiram continuar fortes e competitivas a aumentar a produtividade do trabalhador do conhecimento, na mesma proporção conseguida para o trabalhador manual.

Isto traz um grande complicador, a mobilização para o trabalho intelectual requer a montagem de um novo "campo de batalha", totalmente distinto daquele criado para obter ganhos na produtividade do trabalho manual. Por ser muito recente, a percepção da necessidade de mudança ainda é muito desigual.  Algumas poucas organizações, mais antenadas, já nasceram ou se recriaram em torno do conhecimento e da inovação. A maioria delas, no entanto, somente agora começa a pensar mais seriamente em como promover essa mudança e nos problemas a ela associados.

Um desses possíveis problemas, por exemplo, veio a tona em uma aula que ministrei recentemente. Ao comentar as características desse novo "campo de batalha", ouvi de uma aluna a seguinte questão: nesse novo ambiente organizacional, não precisaremos nos preocupar mais com a produtividade do trabalho manual? 

Por ser um tema bem interessante, resumo aqui, a resposta que dei a ela. 

Na minha percepção, o trabalho manual sem dúvida, continuará importante, mas também ele será impregnado de doses cavalares de conhecimento. Em outras palavras, a elevação da produtividade manual dependerá cada vez menos de "homens fazendo" e mais de "homens pensando". 

Por mais barata que seja a mão de obra de baixa qualificação, haverá um momento, ainda neste século, no qual a realização de funções repetitivas, com baixa demanda intelectual,  tornar-se-á exclusiva dos robôs e de sua turma - softwares e sistemas de informação - elementos bem comportados, de poucas palavras, que moram no emprego, não cobram vale-alimentação e não fazem greve, pelo menos até que os softwares neles carregados tornem-se mais inteligentes e conduzam-nos à sindicalização.

Este cenário, que parece ficção científica, está, no entanto, cada vez mais próximo, com implicações bastante nebulosas, que extrapolarão em muito a banal questão da produtividade organizacional, e sobre as quais nos atreveremos a conversar oportunamente. Por ora, recomendo a leitura desta reportagem da Folha de São Paulo, publicada no dia 27 de agosto de 2012.

Comentários

De fato. É cada vez maior a necessidade de homens pensantes, e cada vez menor a de homens-máquina. Infelizmente, não se verifica a oferta se direcionando para suprir a demanda. Pelo contrário!

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles i niciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia. Isto por que, na maioria dos  5563 municípios  brasileiros, i ndependente de porte ou localização , há um imenso  descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las.  Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno  século XXI,  índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU. Bem, a choradeira para por ai.  O que gostaríamos de falar, daqui para a frente,  para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as  grandes alterações  que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo  novas oportunida

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Terceiro: o Governo como Plataforma

A ideia de Tim O'Reilly ao criar o termo e a abordagem de Governo como Plataforma, foi dar uma perspectiva de valor de patrimônio e de uso aos dados governamentais. Inicia explicando que as plataformas seguem uma lógica de alto investimento, onde praticamente só o Estado é capaz de investir, mas permitem à população, ao utilizarem essa plataforma, gerar riquezas. Temos um claro exemplo ao pensar em uma rodovia como esse investimento. O governo a constrói, mas a entrega aos usuários para trafegarem seus produtos, serviços, passageiros, estimular turismo e economias integradoras etc.. Em outras palavras, uma plataforma rodoviária do governo, mesmo em concessão, será usada pela sociedade, mesmo a custo de pedágios. O mesmo serve para plataformas digitais. O governo americano durante a gestão Reagan, em 1983, tornou disponível ao mundo o Sistema de Posicionamento Global - GPS. A partir do uso mundial dessa plataforma podemos calcular quantos outros produtos e serviços foram gerado

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Segundo: Governo Único para Cidadão Único.

A visão organizacional que o governo tem de si mesmo é a de ser um amontoado de compartimentos organizados por temas, numa estrutura hierárquica funcional que, de pesado equilíbrio, assenta-se de forma estanque e rígida em sólidas bases da lei. Por isso, só executa scripts de competências restritas, estimulando o isolamento – quantos governos dentro de um só – e a decorrente ausência de cooperação, refletindo, na visão do cidadão, um governo fragmentado, com algumas ilhas de excelência e grandes continentes de baixa eficiência. De igual forma, o governo também vê o cidadão de modo fragmentado: às vezes contribuinte, outras motorista, proprietário, aluno, paciente... mas nunca um cidadão único. E essas fragmentações impedem a visão da pluralidade, do todo, de um único harmônico, impedem o entendimento do que representam um e outro. retirado de  Korea IT Times O governo que se apresenta em fragmentos, naturalmente por agir de forma fragmentada, dispersa responsabilid