Pular para o conteúdo principal

Cuidado Com A Imprensa (da) Nanica I






Segunda-feira passada, eu estava navegando pela Internet em busca de algum conteúdo sobre os temas "controle social", "web 2.0" e "compras governamentais" para ilustrar minha participação na conclusão no "Ciclo de Formação em Compras Governamentais", programa de formação para o servidor público paulista, ministrado pela Fundap, em colaboração com a tecReg.

Para minha sorte, acabei encontrando um exemplo que, sozinho, cobriu  os  três assuntos que eu procurava. Novamente, a inspiração veio do Reino Unido, mais precisamente de Argyll, região localizada no oeste da Escócia.

Após realizar um "texto jornalístico" para um trabalho escolar, a pequena  Martha Payne, de apenas 9 anos de idade, seduzida pela experiência, comentou com seus familiares que gostaria de escrever como jornalista diariamente e desde já.

Conversa vai, conversa vem, chegaram a conclusão que fazer um blog seria uma boa alternativa. O tema seria a merenda escolar, que segundo a espevitada garota era muito pequena e demasiadamente gordurosa, muita pizza, hambúrgueres e frituras, poucas verduras e nenhuma fruta.

Muito criativa, Martha, que batizou seu blog de NeverSeconds, algo como  "nunca repita o prato", começou a fotografar e avaliar a merenda diariamente. Além da nota, ela escolheu alguns indicadores complementares, número de garfadas (para medir o tamanho da porção) e o número de fios de cabelo encontrados (para medir o asseio).

Em uma de suas primeiras postagens, Martha comentou, com certa dose de ironia, que, finalmente, seu pai compreendia por que ela chegava em casa com fome.

A repercussão doméstica, neste caso, foi fichinha, perto do que estaria por vir. O impacto do blog, que observou um vertiginoso aumento de audiência com o passar do tempo,  acabou por encalacrar, o próprio poder público. Como quase sempre ocorre nestes casos, o governo, mais precisamente o Conselho de Argyll e Bute, surpreendido pelos acontecimentos, adotou uma frágil  postura defensiva, afirmando que a merenda não tinha qualquer problema. Para provar isto, alguns membros do Conselho foram visitar a escola, acompanhados de jornalistas.

A postagem da Martha, no dia da visita, foi emblemática. "Pela primeira vez eu vi no almoço tomates-cereja, rabanetes, cenouras e pedaços de pepino. Eu escolhi macarrão com queijo, purê de batatas, pepino e pimentões. O macarrão com queijo é sempre bom, mas eu comeria mais. Hoje me perguntaram pela primeira vez:- É suficiente para você?"

A partir daí, a merenda melhorou, ainda que de forma inconstante, segundo a garota.

A pequena Martha, com seus nove aninhos, está dando uma aula de controle social, mostrando como um simples e despretensioso blog, pode ajudar a melhorar e tornar mais saudável a merenda escolar, sem que o estado necessite gastar um só centavo a mais para ampliar a burocracia destinada a fiscalização, que, como sabemos, nem sempre, ou melhor, quase nunca, cumpre seu papel.

Se você pensa que a coisa ficou por aí, clique aqui para ver a segunda parte deste post.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles i niciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia. Isto por que, na maioria dos  5563 municípios  brasileiros, i ndependente de porte ou localização , há um imenso  descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las.  Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno  século XXI,  índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU. Bem, a choradeira para por ai.  O que gostaríamos de falar, daqui para a frente,  para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as  grandes alterações  que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo  novas oportunida

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Segundo: Governo Único para Cidadão Único.

A visão organizacional que o governo tem de si mesmo é a de ser um amontoado de compartimentos organizados por temas, numa estrutura hierárquica funcional que, de pesado equilíbrio, assenta-se de forma estanque e rígida em sólidas bases da lei. Por isso, só executa scripts de competências restritas, estimulando o isolamento – quantos governos dentro de um só – e a decorrente ausência de cooperação, refletindo, na visão do cidadão, um governo fragmentado, com algumas ilhas de excelência e grandes continentes de baixa eficiência. De igual forma, o governo também vê o cidadão de modo fragmentado: às vezes contribuinte, outras motorista, proprietário, aluno, paciente... mas nunca um cidadão único. E essas fragmentações impedem a visão da pluralidade, do todo, de um único harmônico, impedem o entendimento do que representam um e outro. retirado de  Korea IT Times O governo que se apresenta em fragmentos, naturalmente por agir de forma fragmentada, dispersa responsabilid

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Terceiro: o Governo como Plataforma

A ideia de Tim O'Reilly ao criar o termo e a abordagem de Governo como Plataforma, foi dar uma perspectiva de valor de patrimônio e de uso aos dados governamentais. Inicia explicando que as plataformas seguem uma lógica de alto investimento, onde praticamente só o Estado é capaz de investir, mas permitem à população, ao utilizarem essa plataforma, gerar riquezas. Temos um claro exemplo ao pensar em uma rodovia como esse investimento. O governo a constrói, mas a entrega aos usuários para trafegarem seus produtos, serviços, passageiros, estimular turismo e economias integradoras etc.. Em outras palavras, uma plataforma rodoviária do governo, mesmo em concessão, será usada pela sociedade, mesmo a custo de pedágios. O mesmo serve para plataformas digitais. O governo americano durante a gestão Reagan, em 1983, tornou disponível ao mundo o Sistema de Posicionamento Global - GPS. A partir do uso mundial dessa plataforma podemos calcular quantos outros produtos e serviços foram gerado