Pular para o conteúdo principal

Cidades Inteligentes são mais do que fibra ótica


Quando tudo parece parado e sem muito interesse nem novidade, surpreendo-me com iniciativas que estão acontecendo em nosso país, que dão o estímulo à continuidade de nossas propostas de inovação em governo, como reportamos aqui com frequência, há quase cinco anos.

No CONIP deste 2011, encerrado em 18 de novembro, tive a oportunidade de assistir várias apresentações de projetos, já implantados ou em implantação, destinados a melhorar, através da tecnologia de informação e da inovação em gestão pública, as cidades em que vivemos e o relacionamento cidadão-estado.

Meu primeiro destaque vai para a cidade do Rio de Janeiro que - além  de todo o trabalho de resgate da presença do poder público nas favelas com a reapropriação do espaço pela população, já amplamente divulgado - apresentou no evento duas iniciativas que julgo entre as melhores deste ano: a Praça do Conhecimento e o Rio Ideias. Ambos foram apresentados pelo titular da Secretaria Especial de Ciência e Tecnologia do Rio, Franklin Coelho, que em suas palavras na abertura do evento assim definiu a Praça do Conhecimento:
“uma Praça do Conhecimento tem que acompanhar a velocidade da inovação, sua sustentabilidade depende disso. E mais: deve possuir um design que trabalhe uma ambiência de inovação, interatividade e mobilidade – um espaço atrativo. A Praça vem com uma idéia de resgatar e trabalhar a história da comunidade, fortalecendo a interatividade com a mídia local e a produção coletiva e autoral. Em suma, a Praça é um elemento disseminador de conhecimento para a comunidade, onde as possibilidades são inúmeras, como por exemplo, a integração com a rede de gestão da Prefeitura. É o ponto de partida para pensar uma nova visão de tecnologia e urbanismo em termos de regeneração urbana”.(retirado do Blog da Secretaria Especial de Ciência e Tecnologia do Município do Rio de Janeiro).
Quanto ao Rio Ideias, uma iniciativa inspirada no BigAppsIdeas que comentamos aqui, traz extraordinários resultados da participação popular que, por outros meios e fins, demonstra a retomada da cidade pelo cidadão, na medida em que este participa com ideias para sua cidade. A primeira fase do Rio Ideias trouxe mais de 1800 contribuições, que agora estão sendo organizadas para que voltem à sociedade em forma de desafios, para a produção de aplicativos móveis.

Encontramos Franklin Coelho após a palestra, que nos concedeu a gravação do nosso "O que você pensa?", falando sobre inovação:


Meus outros destaques do evento, que também estão alinhados com o cidadão que cuida de sua cidade junto com o governo, vão para o projeto PortoAlegre.CC, que tem uma interface bem resolvida, ilustrando este post, além da interatividade e do propósito wikicidade que o define como excelente ferramenta.

A outra experiência, que resume o tema do CONIP 2011 - A Praça é do Povo, pertence a cidade de Canoas-RS, com o Ágora Virtual Canoas. Ao meu ver, ambas iniciativas gaúchas dignas de premiação máxima do CONIP, mas que não foram reconhecidas desta forma pelo júri.

Então, modestamente, recebam aqui meus maiores elogios e cumprimentos, grato por trazerem algo novo às nossas cidades.


Pouco antes de fechar este post, recebo a notícia de que Canoas lança nesta semana o Parque Canoas de Inovação... acho que devemos olhar mais de perto e para além da infraestrutura.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles i niciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia. Isto por que, na maioria dos  5563 municípios  brasileiros, i ndependente de porte ou localização , há um imenso  descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las.  Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno  século XXI,  índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU. Bem, a choradeira para por ai.  O que gostaríamos de falar, daqui para a frente,  para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as  grandes alterações  que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo  novas oportunida

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Terceiro: o Governo como Plataforma

A ideia de Tim O'Reilly ao criar o termo e a abordagem de Governo como Plataforma, foi dar uma perspectiva de valor de patrimônio e de uso aos dados governamentais. Inicia explicando que as plataformas seguem uma lógica de alto investimento, onde praticamente só o Estado é capaz de investir, mas permitem à população, ao utilizarem essa plataforma, gerar riquezas. Temos um claro exemplo ao pensar em uma rodovia como esse investimento. O governo a constrói, mas a entrega aos usuários para trafegarem seus produtos, serviços, passageiros, estimular turismo e economias integradoras etc.. Em outras palavras, uma plataforma rodoviária do governo, mesmo em concessão, será usada pela sociedade, mesmo a custo de pedágios. O mesmo serve para plataformas digitais. O governo americano durante a gestão Reagan, em 1983, tornou disponível ao mundo o Sistema de Posicionamento Global - GPS. A partir do uso mundial dessa plataforma podemos calcular quantos outros produtos e serviços foram gerado

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Segundo: Governo Único para Cidadão Único.

A visão organizacional que o governo tem de si mesmo é a de ser um amontoado de compartimentos organizados por temas, numa estrutura hierárquica funcional que, de pesado equilíbrio, assenta-se de forma estanque e rígida em sólidas bases da lei. Por isso, só executa scripts de competências restritas, estimulando o isolamento – quantos governos dentro de um só – e a decorrente ausência de cooperação, refletindo, na visão do cidadão, um governo fragmentado, com algumas ilhas de excelência e grandes continentes de baixa eficiência. De igual forma, o governo também vê o cidadão de modo fragmentado: às vezes contribuinte, outras motorista, proprietário, aluno, paciente... mas nunca um cidadão único. E essas fragmentações impedem a visão da pluralidade, do todo, de um único harmônico, impedem o entendimento do que representam um e outro. retirado de  Korea IT Times O governo que se apresenta em fragmentos, naturalmente por agir de forma fragmentada, dispersa responsabilid