Pular para o conteúdo principal

Uma no cravo, outra na ferradura: Compartilhamento de serviços entre entidades governamentais + orçamento participativo

Os efeitos não previstos de políticas públicas podem assumir formas muito interessantes. Como já falei por aqui, a aliança de Conservadores-Democratas Liberais predica a “Grande Sociedade” como a solução para as aflições nacionais. Isso significaria aumentar a participação de cidadãos, grupos comunitários, ONGs na entrega de serviços públicos. A agenda do “Localismo” deveria ser a peça legislativa que transformaria essa idéia em realidade.

Pode ser que isso realmente aconteça ao longo do tempo, porém a reação imediata dos governos locais à necessidade premente de reduzir custos é a formação de parcerias de longo prazo com outras instâncias de governo para reduzir custos de back-office. Aqui em Kingston o governo local está se estruturando para compartilhar serviços com outros governos locais geograficamente próximos, em um programa batizado de “One Kingston”.

Kingston Bridge


Crédito: Paul Easton @ Flickr

Um exemplo é o desenvolvimento de um novo sistema de folha de pagamento em conjunto com outras duas autoridades locais. Outro é o compartilhamento de um executivo de primeiro escalão com o Sistema Nacional de Saúde - NHS. Mais um: Kingston está estudando a união com o governo local de Richmond para prestação de serviços para crianças e adolescentes (isso inclui educação, saúde e assistência social, entre outros).

(É interessante imaginar analogias para esse movimento no contexto brasileiro: o Ministério da Saúde compartilhando um diretor senior com uma Secretaria de Saúde estadual? Ou as prefeituras de Leme e Araras definindo conjuntamente o plano de melhoria das escolas? Duas cidades do ABC compartilhando seus sistemas de folha de pagamento? Até que ponto movimentos como esse esbarrariam no Brasil em barreiras legais, ou até constitucionais?)

Não é claro até que ponto esta saída dos serviços compartilhados é consistente com a agenda do Localismo, e de certa forma parece contradizê-la. Mas Kingston também tem contribuído com a agenda do localismo da aliança – afinal a assembléia daqui é predominantemente democrata liberal. O governo central tem facilitado uma série de projetos pilotos (o número total varia de acordo com a fonte, mas é algo em torno de 25) ao redor do país para colocar em prática conceitos de orçamentos comunitários e serviços locais integrados. Kingston faz parte deste grupo de pilotos, e o local escolhido para tal foi o distrito de Norbiton, com sete mil habitantes.

E o interessante é que a inspiração para esses pilotos é a experiência brasileira com orçamentos participativos. Quem diria que o Brasil iria se tornar referência em administração pública para o Reino Unido?



Publicado também no Observatório do Conhecimento.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles i niciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia. Isto por que, na maioria dos  5563 municípios  brasileiros, i ndependente de porte ou localização , há um imenso  descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las.  Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno  século XXI,  índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU. Bem, a choradeira para por ai.  O que gostaríamos de falar, daqui para a frente,  para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as  grandes alterações  que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo  novas oportunida

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Terceiro: o Governo como Plataforma

A ideia de Tim O'Reilly ao criar o termo e a abordagem de Governo como Plataforma, foi dar uma perspectiva de valor de patrimônio e de uso aos dados governamentais. Inicia explicando que as plataformas seguem uma lógica de alto investimento, onde praticamente só o Estado é capaz de investir, mas permitem à população, ao utilizarem essa plataforma, gerar riquezas. Temos um claro exemplo ao pensar em uma rodovia como esse investimento. O governo a constrói, mas a entrega aos usuários para trafegarem seus produtos, serviços, passageiros, estimular turismo e economias integradoras etc.. Em outras palavras, uma plataforma rodoviária do governo, mesmo em concessão, será usada pela sociedade, mesmo a custo de pedágios. O mesmo serve para plataformas digitais. O governo americano durante a gestão Reagan, em 1983, tornou disponível ao mundo o Sistema de Posicionamento Global - GPS. A partir do uso mundial dessa plataforma podemos calcular quantos outros produtos e serviços foram gerado

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Segundo: Governo Único para Cidadão Único.

A visão organizacional que o governo tem de si mesmo é a de ser um amontoado de compartimentos organizados por temas, numa estrutura hierárquica funcional que, de pesado equilíbrio, assenta-se de forma estanque e rígida em sólidas bases da lei. Por isso, só executa scripts de competências restritas, estimulando o isolamento – quantos governos dentro de um só – e a decorrente ausência de cooperação, refletindo, na visão do cidadão, um governo fragmentado, com algumas ilhas de excelência e grandes continentes de baixa eficiência. De igual forma, o governo também vê o cidadão de modo fragmentado: às vezes contribuinte, outras motorista, proprietário, aluno, paciente... mas nunca um cidadão único. E essas fragmentações impedem a visão da pluralidade, do todo, de um único harmônico, impedem o entendimento do que representam um e outro. retirado de  Korea IT Times O governo que se apresenta em fragmentos, naturalmente por agir de forma fragmentada, dispersa responsabilid