Pular para o conteúdo principal

Cases de Design Thinking em Serviços Públicos fora do Brasil



É comum que me perguntem sobre cases de uso do Design Thinking pelos governos brasileiros, sejam municipais, estaduais ou federais. Há um certo "ver para crer" na pergunta, mas há também a necessidade de mostrar aos outros, incluindo chefes e tomadores de decisão, que existe um caminho mais promissor e realizável para tratar os desafios de hoje.

Minha experiência aponta mais para aquilo que fazemos no Governo do Estado de São Paulo, desde 2010, quando adotamos o DT como abordagem metodológica para entender a complexidade e resolver problemas com foco no cidadão. Nesse período vimos crescer a utilização em grandes empreendimentos como Poupatempo, Metrô, Secretarias da Fazenda, de Desenvolvimento Social e da Educação. Alguns outros exemplos e cases nacionais no setor público podem ser encontrados na Tellus, que tem atuado bastante em prefeituras e especialmente nas áreas de saúde e educação.

Mas neste post quero apenas apontar para alguns links daqueles que trabalham em outros países com a inovação social e no setor público, para que possam nos inspirar e servir para exemplos:

- Think Place Global: consultoria de inovação social mostra seus cases na Austrália, Quênia, Nova Zelândia e Singapura;

- Design Council UK: a agência britânica é bastante atuante e tem cases que são exemplares, vale à pena também usar os textos e kits que disponibilizam (veja na área Resources);

- The Behavioural Insights Team: com o apoio do Cabinet Office e do emérito britânico em inovação NESTA, a novidade do TBIT é concentrar suas iniciativas para que as pessoas façam as melhores escolhas... interessante para quem tem projeto de mudanças de comportamento;

- Presidential Innovation Fellow: programa altamente competitivo junta diversos tecnólogos e inovadores (bolsistas em residência) com altos funcionários públicos e criadores de mudanças que trabalham nos mais altos níveis do governo federal para enfrentar os maiores desafios;

- Veterans Affair Center of Innovation: a importância e complexidade dos casos dos veteranos americanos tem um centro de aplicação de design para solução de problemas, muito baseado na abordagem HCD, como relatado no blog dos veteranos;

- 18F : um departamento da Agencia Federal Americana de Serviços para Administração que atua na solução de problemas, especialmente os gerados por tecnologia. Tem uma área de Guidelines que recomendo a visita; e

- LabOPM: o Laboratório de Inovação do Departamento de Gestão de Pessoas dos EUA, onde além da aplicação e ensino do Design para funcionários públicos, inova também ao oferecer um serviço de Design Coaching. Outros labs de inovação também podem ser encontrados aqui.

Post post: veja neste link os case studies da cidade de New York.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles i niciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia. Isto por que, na maioria dos  5563 municípios  brasileiros, i ndependente de porte ou localização , há um imenso  descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las.  Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno  século XXI,  índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU. Bem, a choradeira para por ai.  O que gostaríamos de falar, daqui para a frente,  para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as  grandes alterações  que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo  novas oportunida

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Terceiro: o Governo como Plataforma

A ideia de Tim O'Reilly ao criar o termo e a abordagem de Governo como Plataforma, foi dar uma perspectiva de valor de patrimônio e de uso aos dados governamentais. Inicia explicando que as plataformas seguem uma lógica de alto investimento, onde praticamente só o Estado é capaz de investir, mas permitem à população, ao utilizarem essa plataforma, gerar riquezas. Temos um claro exemplo ao pensar em uma rodovia como esse investimento. O governo a constrói, mas a entrega aos usuários para trafegarem seus produtos, serviços, passageiros, estimular turismo e economias integradoras etc.. Em outras palavras, uma plataforma rodoviária do governo, mesmo em concessão, será usada pela sociedade, mesmo a custo de pedágios. O mesmo serve para plataformas digitais. O governo americano durante a gestão Reagan, em 1983, tornou disponível ao mundo o Sistema de Posicionamento Global - GPS. A partir do uso mundial dessa plataforma podemos calcular quantos outros produtos e serviços foram gerado

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Segundo: Governo Único para Cidadão Único.

A visão organizacional que o governo tem de si mesmo é a de ser um amontoado de compartimentos organizados por temas, numa estrutura hierárquica funcional que, de pesado equilíbrio, assenta-se de forma estanque e rígida em sólidas bases da lei. Por isso, só executa scripts de competências restritas, estimulando o isolamento – quantos governos dentro de um só – e a decorrente ausência de cooperação, refletindo, na visão do cidadão, um governo fragmentado, com algumas ilhas de excelência e grandes continentes de baixa eficiência. De igual forma, o governo também vê o cidadão de modo fragmentado: às vezes contribuinte, outras motorista, proprietário, aluno, paciente... mas nunca um cidadão único. E essas fragmentações impedem a visão da pluralidade, do todo, de um único harmônico, impedem o entendimento do que representam um e outro. retirado de  Korea IT Times O governo que se apresenta em fragmentos, naturalmente por agir de forma fragmentada, dispersa responsabilid