Pular para o conteúdo principal

O Futuro Segundo Meu Caderninho Virtual

Fonte da Ilustração: formatotxt.blogspot.com/

Aqui e ali, ainda de forma algo nebulosa, já podemos captar sinais de como serão as organizações do futuro, principalmente daquelas envolvidas com atividades de ponta, onde o cérebro fala mais alto do que o músculo.

Estas pistas, todavia, não permitem ainda desenhá-las com segurança. Eu, pelo menos, não me arriscaria a fazê-lo.

É possível, no entanto, anotar em um "caderninho virtual" alguns insights de como será essa nova organização.

Nesta postagem quero falar de um desses indícios: o fim da organização hierárquica.

Tal como na guerra costuma-se dizer que a primeira vítima é a verdade, na organização centrada no conhecimento, a primeira baixa será a hierarquia exacerbada, ainda muito viva na maioria das empresas.

Faço essa anotação com bastante convicção. Pessoas com alta qualificação, com poucos anos no mercado de trabalho, ou que estejam ingressando nele nos dias atuais, estão cada vez menos dispostas a se submeter a hierarquias que dividem a empresa entre quem manda e quem cumpre.

Entidades com este perfil subutilizam a inteligência coletiva e sobrevalorizam a coerção de chefes sobre chefiados. Resultado: não conseguem gerar idéias, conhecimentos e produtos que as mantenham competitivas.

E por que não conseguem? Por que esse tipo de empresa perde, dia após dia, a capacidade de atrair talentos e, mais ainda, de retê-los.

Se no passado, com todas as restrições financeiras e tecnológicas, muitos talentos, inconformados, prefiriam montar uma "central de sonhos" na garagem de casa, ao invés de aguentar lorotas corporativas do tipo - sua idéia é boa mas não tem futuro - imaginem agora com a tecnologia barata e com uma azeitadíssima estrutura de apoio à start ups...

Tudo bem, tudo bem, isso é verdade, mas como gerir uma organização minando a hierarquia, poderia arguir aquele gerente mais ansioso.

Infelizmente, meu precupado gerente, essa estrada ainda está em construção e não temos, por ora, respostas prontas. E o que é pior, não sei se a estrada vai ficar pronta um dia e se existirão respostas prontas, em algum momento. Por agora, só sabemos que a estrada velha está muito esburacada e mal sinalizada.

Meu apreensivo gerente, muita calma nessa hora. Na minha próxima postagem, prometo abrir meu caderninho virtual na seção dos exemplos animadores.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Terceiro: o Governo como Plataforma

A ideia de Tim O'Reilly ao criar o termo e a abordagem de Governo como Plataforma, foi dar uma perspectiva de valor de patrimônio e de uso aos dados governamentais. Inicia explicando que as plataformas seguem uma lógica de alto investimento, onde praticamente só o Estado é capaz de investir, mas permitem à população, ao utilizarem essa plataforma, gerar riquezas. Temos um claro exemplo ao pensar em uma rodovia como esse investimento. O governo a constrói, mas a entrega aos usuários para trafegarem seus produtos, serviços, passageiros, estimular turismo e economias integradoras etc.. Em outras palavras, uma plataforma rodoviária do governo, mesmo em concessão, será usada pela sociedade, mesmo a custo de pedágios. O mesmo serve para plataformas digitais. O governo americano durante a gestão Reagan, em 1983, tornou disponível ao mundo o Sistema de Posicionamento Global - GPS. A partir do uso mundial dessa plataforma podemos calcular quantos outros produtos e serviços foram gerado

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles i niciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia. Isto por que, na maioria dos  5563 municípios  brasileiros, i ndependente de porte ou localização , há um imenso  descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las.  Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno  século XXI,  índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU. Bem, a choradeira para por ai.  O que gostaríamos de falar, daqui para a frente,  para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as  grandes alterações  que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo  novas oportunida

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Segundo: Governo Único para Cidadão Único.

A visão organizacional que o governo tem de si mesmo é a de ser um amontoado de compartimentos organizados por temas, numa estrutura hierárquica funcional que, de pesado equilíbrio, assenta-se de forma estanque e rígida em sólidas bases da lei. Por isso, só executa scripts de competências restritas, estimulando o isolamento – quantos governos dentro de um só – e a decorrente ausência de cooperação, refletindo, na visão do cidadão, um governo fragmentado, com algumas ilhas de excelência e grandes continentes de baixa eficiência. De igual forma, o governo também vê o cidadão de modo fragmentado: às vezes contribuinte, outras motorista, proprietário, aluno, paciente... mas nunca um cidadão único. E essas fragmentações impedem a visão da pluralidade, do todo, de um único harmônico, impedem o entendimento do que representam um e outro. retirado de  Korea IT Times O governo que se apresenta em fragmentos, naturalmente por agir de forma fragmentada, dispersa responsabilid