Pular para o conteúdo principal

Revolucionar em rede, não em hierarquias


O mundo assistiu e acompanha a "Revolução Egípcia"iniciada em 25 de janeiro e que teve sua primeira meta, a retirada do ditador Hosni Mubarak do poder, atingida em 11 de fevereiro, como a maior demonstração do alcance de redes sociais desde a criação deste termo.

A imprensa que cobriu o movimento do Cairo, deu grande destaque a estratégia popular sustentada inicialmente pelas redes sociais, mais tarde ao corte de acesso a servidores internet, à execução bem sucedida do plano Google/Twitter que garantiu a comunicação naqueles dias e, após a saída de Mubarak, a utilização do Facebook, onde numa página intitulada "Sonhem Conosco"a juventude egípcia convoca a todos para a construção coletiva de ideias para um novo país,  "Queremos ideias para elaborarmos um plano de ação para o Egito até 2021", disse um jovem ao jornal português Expresso.


As características de uma revolução sem líder é bem-vinda em nossos tempos e talvez aquela que mais me faz pensar em todo esse movimento e o uso da internet, que tem natureza idêntica da não liderança, da descentralização, ou mais, da pulverização da responsabilidade, sem perda de foco e com ações organizadas em tempo real. Mas será exclusividade da rede tecnológica ou a característica de rede social, independente do recurso high tech ?


Por coincidência, li na mesma semana no blog do Clemente Nóbrega, um relato ocorrido na Toyota em 1997 que, a par do fato de que a internet engatinhava naquela época, o uso da rede social por outros meios é apontado como o que salvou a empresa da crise, claramente com lideranças fora do modo de controle.


O excelente artigo de Malcom Gladwell, A revolução não será tuitada, traz vários casos em que o ativismo contrário ao status quo funcionou, independente de ferramentas sociais e tecnologias, mas justamente pela composição não hierarquizada dos movimentos, ou seja, a organização social em rede confrontando a organização institucional hierárquica, linear e tradicional.


A reflexão que faço não conduz a como os governos devem utilizar as redes sociais, mas como os governos devem ser organizados e integrados à sociedade. Sem dúvida, repensar as estruturas organizacionais das instituições públicas, preparando-as para a descentralização, em grids orientados para a prestação de serviços, com colaboração da sociedade, do planejamento à execução e controle, é tarefa difícil, mas necessária.


Talvez as tecnologias sociais facilitem esse trabalho, de fato acredito nisso, mas não acontece sem reformas estruturais nas organizações que, além de públicas precisam ser sociais.  

Comentários

Raphael disse…
Excelente texto!! Parabéns ao autor que soube tratar a necessidade imperiosa da quebra do status quo de detarminadas situações atrelando aos atuais acontecimentos históricos.
Alvaro Gregorio disse…
Obrigado Raphael.
Sem dúvida, a história nos ensina, repetidas vezes.

abs

Alvaro

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles i niciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia. Isto por que, na maioria dos  5563 municípios  brasileiros, i ndependente de porte ou localização , há um imenso  descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las.  Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno  século XXI,  índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU. Bem, a choradeira para por ai.  O que gostaríamos de falar, daqui para a frente,  para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as  grandes alterações  que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo  novas oportunida

Quem Fica Olhando Muito Para Trás, Tem Um Grande Passado Pela Frente

A frase que dá título a este post, proferida pelo grande filósofo e professor Mario Sergio Cortella, deve servir de alerta a muitos de nossos prefeitos.  A maioria deles ainda enxerga a atração de indústrias como o único caminho para o desenvolvimento de uma cidade. Esta visão, formada nos tempos em que fábrica era sinônimo de riqueza, tem feito com que novas oportunidades de crescimento, vinculadas a uma economia cada vez mais pujante, centrada no conhecimento, o mais valioso insumo dos nossos dias, não sejam devidamente estudadas, exploradas e aproveitadas. O que os senhores prefeitos precisam descobrir, desde já, é que nos dias atuais há uma nova "estrada", ainda mal sinalizada, para cidades que almejam um papel de destaque na emergente sociedade do conhecimento. De antemão, asseguro que para chegar a ela não basta usar a velha e onerosa prática de atrair empresas. O sucesso para galgar essa nova "estrada" depende da atração de talentos, pesso

Design Thinking em Governo: abrem-se os caminhos

Temos dedicado muito tempo de nossas pesquisas na avaliação da metodologia de Design Thinking, adaptada a governo para apoiar a inovação, na tentativa de adotá-la para a criação e reformulação de serviços públicos. O Pepe já havia comentado aqui anteriormente sobre Roger Martin e o Design de Negócios, bem como nos trouxe uma trilogia de posts ( 1 , 2 e 3 ) apontando a aplicação que pode ser dada ao tema em governo, baseado também na obra de Tim Brown e nos cases da IDEO . Nossas impressões foram confirmadas com a recente publicação de dois trabalhos que a IDEO realizou junto a The Partnership for Public Services , entidade não governamental que trabalha para produzir inovação em governo nos EUA. Essas publicações, que considero leitura obrigatória, estão dirigidas a dois públicos distintos: Innovation in Government : para todos envolvidos em inovação, é uma agradável e bem organizada leitura que introduz o assunto inovação em governo, baseada em depoimentos de especialistas, a