Pular para o conteúdo principal

Holanda tem avaliação de serviços públicos



Dentre as boas práticas em serviços eletrônicos que já citamos aqui, uma que tenho especial admiração é a de utilizar a internet para a avaliação de serviços públicos.

Iniciativas como as do Patient Opinion, exemplo recorrente quando o assunto é inovação em governo, trazem aos gestores públicos a luz no caminho de aumentar a participação e a transparência da gestão na vida da população. Entretanto, apesar da facilidade de implantação dessas práticas, há uma reconhecida resistência, quer pela exigência de preparo da infraestrutura burocrática, quer pela aparente satisfação com atuais métodos de avaliação dos serviços governamentais.

Notícias do iGov dão conta de que o Governo holandês criou um novo site onde os cidadãos podem votar e avaliar os serviços disponibilizados pelos organismos públicos. Denominado Wijwaarderen.nl, o site está alojado na plataforma Burgerlink.nl, criada com o objetivo de melhorar a qualidade dos serviços públicos com base na opinião dos cidadãos. O primeiro setor de governo escolhido para o lançamento do serviço de avaliação nacional é o da educação, onde os pais e alunos podem dar notas de um a cinco em diversos quesitos sobre as respectivas escolas, justificando a nota atribuída e propondo melhorias para o ensino público. Avaliar outros serviços também já é possível no ambiente de testes em https://www.testmetbest.nl/.

Se os governos brasileiros adotassem iniciativas semelhantes, iniciando pela educação, o que teríamos ? A curto prazo, o desespero de dirigentes diante da demanda por melhores condições de aprendizado e ensino; a médio prazo, o envolvimento de pais, alunos e professores na gestão escolar; a longo prazo, um ensino decente, não atrelado a fornecimento de livros e merendas, mas comprometido em preparar gerações para o comando técnico e especializado que o país já sente a falta e ainda se agravará em breve.


A OCDE - Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico classifica o ensino público da Holanda em 9o. lugar, enquanto o Brasil amarga a 54a. posição no mesmo ranking. Não é preciso esforço para imaginar qual país tem melhores condições de futuro a longo prazo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles i niciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia. Isto por que, na maioria dos  5563 municípios  brasileiros, i ndependente de porte ou localização , há um imenso  descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las.  Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno  século XXI,  índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU. Bem, a choradeira para por ai.  O que gostaríamos de falar, daqui para a frente,  para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as  grandes alterações  que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo  novas oportunida

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Terceiro: o Governo como Plataforma

A ideia de Tim O'Reilly ao criar o termo e a abordagem de Governo como Plataforma, foi dar uma perspectiva de valor de patrimônio e de uso aos dados governamentais. Inicia explicando que as plataformas seguem uma lógica de alto investimento, onde praticamente só o Estado é capaz de investir, mas permitem à população, ao utilizarem essa plataforma, gerar riquezas. Temos um claro exemplo ao pensar em uma rodovia como esse investimento. O governo a constrói, mas a entrega aos usuários para trafegarem seus produtos, serviços, passageiros, estimular turismo e economias integradoras etc.. Em outras palavras, uma plataforma rodoviária do governo, mesmo em concessão, será usada pela sociedade, mesmo a custo de pedágios. O mesmo serve para plataformas digitais. O governo americano durante a gestão Reagan, em 1983, tornou disponível ao mundo o Sistema de Posicionamento Global - GPS. A partir do uso mundial dessa plataforma podemos calcular quantos outros produtos e serviços foram gerado

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Segundo: Governo Único para Cidadão Único.

A visão organizacional que o governo tem de si mesmo é a de ser um amontoado de compartimentos organizados por temas, numa estrutura hierárquica funcional que, de pesado equilíbrio, assenta-se de forma estanque e rígida em sólidas bases da lei. Por isso, só executa scripts de competências restritas, estimulando o isolamento – quantos governos dentro de um só – e a decorrente ausência de cooperação, refletindo, na visão do cidadão, um governo fragmentado, com algumas ilhas de excelência e grandes continentes de baixa eficiência. De igual forma, o governo também vê o cidadão de modo fragmentado: às vezes contribuinte, outras motorista, proprietário, aluno, paciente... mas nunca um cidadão único. E essas fragmentações impedem a visão da pluralidade, do todo, de um único harmônico, impedem o entendimento do que representam um e outro. retirado de  Korea IT Times O governo que se apresenta em fragmentos, naturalmente por agir de forma fragmentada, dispersa responsabilid