Pular para o conteúdo principal

Geração Y

(imagem obtida no site onboardinggeny.com)

Há cerca de dez dias, assisti, na Globonews, o programa “Entre Aspas”, comandado pela jornalista Mônica Waldvogel, que discutiu o processo, nada tranqüilo, da chegada ao mercado de trabalho da Geração Y, nome dado ao contingente de pessoas nascido do final dos anos 80 ao final dos anos 90. O programa teve a participação dos especialistas em recrutamento Luiz Carlos Cabrera, “headhunter” e professor da Fundação Getúlio Vargas de São Paulo, e Sofia Esteves, Presidente da DMRH.

O desafio central, discutido no programa, está em como conciliar a maneira de trabalhar das grandes organizações, moldada em cima de hierarquias rígidas, profusão de departamentos, restrição à criatividade, só para citar alguns dos traços que ajudaram a construir a era industrial, com os anseios de jovens que vivem em uma sociedade caótica, globalizada na qual as novas tecnologias são utilizadas de forma tão intensa e natural em seus processos de aprendizagem, relacionamento e lazer que dificultam a percepção, por parte deles, mesmo nas menores faixas de renda, que já houve mundo sem Internet.

Por conta dessas características, o local de emprego é a praça de guerra onde esses conflitos vêm a tona de forma mais marcante. Observem que o mesmo olhar angustiante que o antigo profissional averso à inovação tem ao se deparar com um microcomputador em sua measa é encontrado entre os nativos digitais ao observar carimbos e caixinhas de entrada e saída de documentos.

Esse embate não vai ser fácil e o resultado ainda é nebuloso. Um aspecto, no entanto, ficou evidente pelo relato dos especialistas. Nessa luta, as organizações vão ter que mudar mais do que os jovens ingressantes. O motivo é surpreendentemente simples. Esse novo funcionário é também o novo fornecedor, o novo consumidor (para a empresa privada) e o novo cidadão (para os governos de uma forma geral). Eles estão atacando de todos os lados.

Outra informação bastante sugestiva, mostrada no programa, diz respeito ao processo seletivo desses jovens. Já há entidades mais antenadas que utilizam a montagem de blogs e a realização de vídeos para recrutar pessoas. Esse é um bom começo. O mais difícil será incorporar essas práticas no dia a dia da organização, pois isso envolve mudança de processos, por vezes centenários.

No caso particular do governo de São Paulo, esta questão merece um exame ainda mais aprofundado, na medida em a idade média dos funcionários públicos paulistas se aproxima dos 50 anos, o que sugere uma crescente incorporação de jovens ao longo dos próximos períodos.

Como servidor público e imigrante digital preocupado com esses desafios, fiz aqui uma consolidação das principais características destes jovens, com base no que assisti no “Entre Aspas”.


Creio que caberá ao governo como um todo e às diversas unidades de recursos humanos, em particular, examinar em profundidade esse perfil e definir estratégias para que, ao chegar ao setor público, a energia e o idealismo dessa garotada sejam utilizados em toda a sua potencialidade. Problemas a serem enfrentados não faltarão.

Quem quiser assistir a íntegra deste programa, clique aqui.

E, terminando, para os que quiserem saber um pouco mais sobre os aspectos culturais que marcam as diferentes gerações, recomendo, aos que ainda não o fizeram, a leitura, aqui mesmo no iGovBrasil, da matéria postada pelo Álvaro, Vídeo República e Vídeo Monarquia. Do mesmo Álvaro, já agora no iGovSaber, vale a pena conferir, também, a postagem sobre nativos digitais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles iniciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia.

Isto por que, na maioria dos 5563 municípios brasileiros, independente de porte ou localização, há um imenso descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las. Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno século XXI, índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU.
Bem, a choradeira para por ai. O que gostaríamos de falar, daqui para a frente, para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as grandes alterações que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo novas oportunidades para os municípios, não im…

Design Thinking em Governo: abrem-se os caminhos

Temos dedicado muito tempo de nossas pesquisas na avaliação da metodologia de Design Thinking, adaptada a governo para apoiar a inovação, na tentativa de adotá-la para a criação e reformulação de serviços públicos. O Pepe já havia comentado aqui anteriormente sobre Roger Martin e o Design de Negócios, bem como nos trouxe uma trilogia de posts ( 1, 2 e 3 ) apontando a aplicação que pode ser dada ao tema em governo, baseado também na obra de Tim Brown e nos cases da IDEO.

Nossas impressões foram confirmadas com a recente publicação de dois trabalhos que a IDEO realizou junto a The Partnership for Public Services, entidade não governamental que trabalha para produzir inovação em governo nos EUA. Essas publicações, que considero leitura obrigatória, estão dirigidas a dois públicos distintos:


Innovation in Government: para todos envolvidos em inovação, é uma agradável e bem organizada leitura que introduz o assunto inovação em governo, baseada em depoimentos de especialistas, apresentando …

Habilidades e Atitudes do Novo Gerente

Os gerentes que, ao longo dos próximos anos, ambicionarem progressos consistentes em suas carreiras deverão dedicar particular atenção à readequação de suas competências e habilidades, recalibrando-as no sentido da chefia tradicional para a liderança de equipes, do “mandar” para o “convencer”, do “eu ganhei, nós empatamos e vocês perderam” para o “tamo juntos”, só para exemplificar.
Esta, seguramente, não será - ou não tem sido, para aqueles que já iniciaram essa caminhada - uma mudança fácil, pois envolve, além de crescentes esforços de atualização no âmbito estritamente técnico, uma profunda remontagem nos modelos mentais tradicionais.
No campo técnico, a rápida e incansável diminuição no ciclo de vida de processos e produtos tem colocado, cada vez mais, a aprendizagem continuada na ordem do dia. O know-how dos colaboradores e, por consequência, das organizações, sofre ataques praticamente diários que empurram a atividade “aprender” para dentro da “folhinha de produção”. Nesse cenário…