Pular para o conteúdo principal

Geração Y

(imagem obtida no site onboardinggeny.com)

Há cerca de dez dias, assisti, na Globonews, o programa “Entre Aspas”, comandado pela jornalista Mônica Waldvogel, que discutiu o processo, nada tranqüilo, da chegada ao mercado de trabalho da Geração Y, nome dado ao contingente de pessoas nascido do final dos anos 80 ao final dos anos 90. O programa teve a participação dos especialistas em recrutamento Luiz Carlos Cabrera, “headhunter” e professor da Fundação Getúlio Vargas de São Paulo, e Sofia Esteves, Presidente da DMRH.

O desafio central, discutido no programa, está em como conciliar a maneira de trabalhar das grandes organizações, moldada em cima de hierarquias rígidas, profusão de departamentos, restrição à criatividade, só para citar alguns dos traços que ajudaram a construir a era industrial, com os anseios de jovens que vivem em uma sociedade caótica, globalizada na qual as novas tecnologias são utilizadas de forma tão intensa e natural em seus processos de aprendizagem, relacionamento e lazer que dificultam a percepção, por parte deles, mesmo nas menores faixas de renda, que já houve mundo sem Internet.

Por conta dessas características, o local de emprego é a praça de guerra onde esses conflitos vêm a tona de forma mais marcante. Observem que o mesmo olhar angustiante que o antigo profissional averso à inovação tem ao se deparar com um microcomputador em sua measa é encontrado entre os nativos digitais ao observar carimbos e caixinhas de entrada e saída de documentos.

Esse embate não vai ser fácil e o resultado ainda é nebuloso. Um aspecto, no entanto, ficou evidente pelo relato dos especialistas. Nessa luta, as organizações vão ter que mudar mais do que os jovens ingressantes. O motivo é surpreendentemente simples. Esse novo funcionário é também o novo fornecedor, o novo consumidor (para a empresa privada) e o novo cidadão (para os governos de uma forma geral). Eles estão atacando de todos os lados.

Outra informação bastante sugestiva, mostrada no programa, diz respeito ao processo seletivo desses jovens. Já há entidades mais antenadas que utilizam a montagem de blogs e a realização de vídeos para recrutar pessoas. Esse é um bom começo. O mais difícil será incorporar essas práticas no dia a dia da organização, pois isso envolve mudança de processos, por vezes centenários.

No caso particular do governo de São Paulo, esta questão merece um exame ainda mais aprofundado, na medida em a idade média dos funcionários públicos paulistas se aproxima dos 50 anos, o que sugere uma crescente incorporação de jovens ao longo dos próximos períodos.

Como servidor público e imigrante digital preocupado com esses desafios, fiz aqui uma consolidação das principais características destes jovens, com base no que assisti no “Entre Aspas”.


Creio que caberá ao governo como um todo e às diversas unidades de recursos humanos, em particular, examinar em profundidade esse perfil e definir estratégias para que, ao chegar ao setor público, a energia e o idealismo dessa garotada sejam utilizados em toda a sua potencialidade. Problemas a serem enfrentados não faltarão.

Quem quiser assistir a íntegra deste programa, clique aqui.

E, terminando, para os que quiserem saber um pouco mais sobre os aspectos culturais que marcam as diferentes gerações, recomendo, aos que ainda não o fizeram, a leitura, aqui mesmo no iGovBrasil, da matéria postada pelo Álvaro, Vídeo República e Vídeo Monarquia. Do mesmo Álvaro, já agora no iGovSaber, vale a pena conferir, também, a postagem sobre nativos digitais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Terceiro: o Governo como Plataforma

A ideia de Tim O'Reilly ao criar o termo e a abordagem de Governo como Plataforma, foi dar uma perspectiva de valor de patrimônio e de uso aos dados governamentais. Inicia explicando que as plataformas seguem uma lógica de alto investimento, onde praticamente só o Estado é capaz de investir, mas permitem à população, ao utilizarem essa plataforma, gerar riquezas. Temos um claro exemplo ao pensar em uma rodovia como esse investimento. O governo a constrói, mas a entrega aos usuários para trafegarem seus produtos, serviços, passageiros, estimular turismo e economias integradoras etc.. Em outras palavras, uma plataforma rodoviária do governo, mesmo em concessão, será usada pela sociedade, mesmo a custo de pedágios. O mesmo serve para plataformas digitais. O governo americano durante a gestão Reagan, em 1983, tornou disponível ao mundo o Sistema de Posicionamento Global - GPS. A partir do uso mundial dessa plataforma podemos calcular quantos outros produtos e serviços foram gerado

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles i niciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia. Isto por que, na maioria dos  5563 municípios  brasileiros, i ndependente de porte ou localização , há um imenso  descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las.  Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno  século XXI,  índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU. Bem, a choradeira para por ai.  O que gostaríamos de falar, daqui para a frente,  para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as  grandes alterações  que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo  novas oportunida

Laboratório é problema, mas a governança ajuda a resolver

É preciso considerar que um laboratório de inovação pode atrair pessoas que desprezam as regras, não tanto por rebeldia, mas como um estilo de vida, um espírito independente que busca ocupar um espaço. O lab será visto como um oásis – ou miragem – no deserto de novas ideias das corporações. Em parte isso é justificado pela aura de criatividade que envolve o novo ambiente ao transmitir uma mensagem de liberdade, com suas técnicas de ideação que estimulam a distância dos valores burocráticos e, claramente, a palavra disruptura que carrega um certo rompimento com padrões. Isso cria alguns problemas iniciais para a organização que começa o funcionamento do laboratório, tais como: se outras organizações participarão do laboratório, alguns ajustes serão necessários; a segurança física/predial pode ser fragilizada com a presença de “gente de fora”; a segurança digital terá que se adequar ao ambiente de acesso irrestrito e wifi; os horários de funcionamento podem sofrer mudan