Pular para o conteúdo principal

Números não mentem, mas às vezes se escondem

Você sabe quantos brasileiros já nasceram hoje? E quantas sessões de cinema foram exibidas em 1980? Sabe qual a despesa pública que temos com educação atualmente?


As questões aparentemente irrelevantes em nosso corrido cotidiano, reforçam a relação de confiança dada através da transparência entre Estado e cidadão. A população se sente parte de uma construção conjunta e passa a refletir sobre números até então ignorados, tornando-se politicamente participativa dentro da sociedade. As vantagens dessa inovadora forma de relação é prática em alguns países e começa agora a ser experimentada em Portugal.


No site da Pordata a população consegue acessar o banco de dados estatístico português, disposto de maneira simples em uma interface amigável. São 12 categorias diferentes, incluindo Cultura, Proteção Social, Despesas Familiares e Contas do Estado.


O projeto é apoiado pela Fundação Francisco Manuel dos Santos e será dividido em três fases. A inicial disponibiliza dados para Portugal. A segunda disponibilizará dados para toda a União Européia e, por fim, as informações sobre as regiões e os municípios portugueses serão detalhados. Todas as informações seguem por base a ordem cronológica dos dados estatísticos, chegando a datar o ano de 1960 e registrando sua evolução até os dias atuais.


No entanto, o portal vai além de um belo acervo virtual de dados estatísticos e permite com que o internauta interaja, escolhendo quadros e gráficos de seu interesse, cruzando variáveis, calculando taxas de variação e porcentagens e exportando o resultado para o formato escolhido (pdf., xls., doc. ou jpeg.).


A preocupação com a arquitetura de informação garante que o conteúdo desejado seja disponibilizado em poucos cliques, satisfazendo os objetivos do usuário sem que ele precise ser um avançado entendedor de tabelas ou gráficos.


No Governo de São Paulo, um portal semelhante sobre as estatísticas e outros dados do Estado é o da Fundação SEADE, que há muito tempo dispõe desse serviço ao cidadão. Um rico acervo paulista de consulta franqueada e utilíssima a pesquisadores e a sociedade em geral, mas ainda lhe falta em interatividade e liberdade para as bases.


Fico com a sensação de que é preciso fazer mais com essa complexidade informacional, é preciso entregar as bases para a sociedade, como vimos defendendo neste espaço quando falamos em governo aberto ou quando vemos as ações de Civic Hacking ganhando os jornais. É preciso também criar e aproveitar novas formas de demonstrar esses dados, como aquelas que o Many Eyes ou o Google Public Data Explorer nos habilita a montar com simplicidade.


Com dados públicos e ferramentas de inteligência social, será mais fácil saber onde estamos e pra onde podemos ir.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Terceiro: o Governo como Plataforma

A ideia de Tim O'Reilly ao criar o termo e a abordagem de Governo como Plataforma, foi dar uma perspectiva de valor de patrimônio e de uso aos dados governamentais. Inicia explicando que as plataformas seguem uma lógica de alto investimento, onde praticamente só o Estado é capaz de investir, mas permitem à população, ao utilizarem essa plataforma, gerar riquezas. Temos um claro exemplo ao pensar em uma rodovia como esse investimento. O governo a constrói, mas a entrega aos usuários para trafegarem seus produtos, serviços, passageiros, estimular turismo e economias integradoras etc.. Em outras palavras, uma plataforma rodoviária do governo, mesmo em concessão, será usada pela sociedade, mesmo a custo de pedágios. O mesmo serve para plataformas digitais. O governo americano durante a gestão Reagan, em 1983, tornou disponível ao mundo o Sistema de Posicionamento Global - GPS. A partir do uso mundial dessa plataforma podemos calcular quantos outros produtos e serviços foram gerado

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles i niciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia. Isto por que, na maioria dos  5563 municípios  brasileiros, i ndependente de porte ou localização , há um imenso  descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las.  Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno  século XXI,  índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU. Bem, a choradeira para por ai.  O que gostaríamos de falar, daqui para a frente,  para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as  grandes alterações  que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo  novas oportunida

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Segundo: Governo Único para Cidadão Único.

A visão organizacional que o governo tem de si mesmo é a de ser um amontoado de compartimentos organizados por temas, numa estrutura hierárquica funcional que, de pesado equilíbrio, assenta-se de forma estanque e rígida em sólidas bases da lei. Por isso, só executa scripts de competências restritas, estimulando o isolamento – quantos governos dentro de um só – e a decorrente ausência de cooperação, refletindo, na visão do cidadão, um governo fragmentado, com algumas ilhas de excelência e grandes continentes de baixa eficiência. De igual forma, o governo também vê o cidadão de modo fragmentado: às vezes contribuinte, outras motorista, proprietário, aluno, paciente... mas nunca um cidadão único. E essas fragmentações impedem a visão da pluralidade, do todo, de um único harmônico, impedem o entendimento do que representam um e outro. retirado de  Korea IT Times O governo que se apresenta em fragmentos, naturalmente por agir de forma fragmentada, dispersa responsabilid