Pular para o conteúdo principal

Um novo jeito de fazer política

Uma das sessões que aconteceu no Campus Party 2010, encerrado na semana passada, trouxe o conceito de Civic Hacking que, em síntese, estimula ações de participação política da comunidade web, de modo a dar expressão da população via rede. Em outras palavras, "faz uso estratégico da rede para fortalecer o poder político da sociedade.".

Civic Hacking é mais que um termo, é uma alternativa, uma tática que se insere na e-democracia.

Os criadores do clone do blog do Planato, aqui comentado, Pedro Markun e Daniela B. Silva, "duas crianças da Casa de Cultura Digital que fizeram [o clone] em trinta minutos", nas palavras de Markun, acompanhados pelo Vagner Diniz, do escritório brasileiro do W3C, debateram durante quarenta minutos sobre o engajamento político via rede, sobre a mudança no perfil do eleitor e sobre a urgência de um governo aberto, com bases de dados públicos disponíveis para a sociedade.

Um excelente painel, abaixo incorporado, que tenho como um dos destaques da Campus Party 2010 na área de governo.



Nota adicional deste post é sobre o recurso que estamos utilizando, o formspring, acessível no quadro aí do lado. A intenção é formarmos um conjunto de perguntas e respostas sobre inovação em governo, que possa ser útil tanto para os nossos leitores quanto para nossa elaboração de pauta. Participe clicando aqui.

Comentários

Carlos França disse…
Muito interessante este novo sítio publicado no Reino Unido. Acredito que é, mais uma vez, um padrão a ser seguido.
http://oneplace.direct.gov.uk/
"Here you can see how local public services are performing in England, if they provide value for money and where they could improve.
(...)
The site also contains information and data on how local public services are doing in the area on things like crime, education, social care, housing or the environment. Opinions and views of local people are also included on the site, through data gathered in the Place Survey."

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles i niciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia. Isto por que, na maioria dos  5563 municípios  brasileiros, i ndependente de porte ou localização , há um imenso  descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las.  Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno  século XXI,  índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU. Bem, a choradeira para por ai.  O que gostaríamos de falar, daqui para a frente,  para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as  grandes alterações  que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo  novas oportunida

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Terceiro: o Governo como Plataforma

A ideia de Tim O'Reilly ao criar o termo e a abordagem de Governo como Plataforma, foi dar uma perspectiva de valor de patrimônio e de uso aos dados governamentais. Inicia explicando que as plataformas seguem uma lógica de alto investimento, onde praticamente só o Estado é capaz de investir, mas permitem à população, ao utilizarem essa plataforma, gerar riquezas. Temos um claro exemplo ao pensar em uma rodovia como esse investimento. O governo a constrói, mas a entrega aos usuários para trafegarem seus produtos, serviços, passageiros, estimular turismo e economias integradoras etc.. Em outras palavras, uma plataforma rodoviária do governo, mesmo em concessão, será usada pela sociedade, mesmo a custo de pedágios. O mesmo serve para plataformas digitais. O governo americano durante a gestão Reagan, em 1983, tornou disponível ao mundo o Sistema de Posicionamento Global - GPS. A partir do uso mundial dessa plataforma podemos calcular quantos outros produtos e serviços foram gerado

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Segundo: Governo Único para Cidadão Único.

A visão organizacional que o governo tem de si mesmo é a de ser um amontoado de compartimentos organizados por temas, numa estrutura hierárquica funcional que, de pesado equilíbrio, assenta-se de forma estanque e rígida em sólidas bases da lei. Por isso, só executa scripts de competências restritas, estimulando o isolamento – quantos governos dentro de um só – e a decorrente ausência de cooperação, refletindo, na visão do cidadão, um governo fragmentado, com algumas ilhas de excelência e grandes continentes de baixa eficiência. De igual forma, o governo também vê o cidadão de modo fragmentado: às vezes contribuinte, outras motorista, proprietário, aluno, paciente... mas nunca um cidadão único. E essas fragmentações impedem a visão da pluralidade, do todo, de um único harmônico, impedem o entendimento do que representam um e outro. retirado de  Korea IT Times O governo que se apresenta em fragmentos, naturalmente por agir de forma fragmentada, dispersa responsabilid