Pular para o conteúdo principal

Rio Grande do Sul na trilha da inovação

Conheci em Porto Alegre, de forma breve em 2006, o atual presidente da PROCERGS, Ademir Picolli, que naquela ocasião era o anfitrião da cerimônia de entrega do Prêmio e-Gov e não escondia então seu interesse em empregar recursos da web 2.0 - como cloud computing e ferramentas sociais - na gestão gaúcha, a despeito de só haver uma iniciativa brasileira no setor público, a do governo paulista, que dava os primeiros passos em blogs e redes sociais.

Voltamos a nos encontrar em São Paulo, em 2009, em reunião menor e com foco centrado nessa estratégia de implantação de blogs, sites, canais de vídeo, Twitter e tudo que possa melhorar rapidamente a comunicação do governo, que felizmente permanecia no horizonte de Picolli. Percebi que a intenção se transformava em decisão.

O fato inédito nisso tudo é que se trata do primeiro presidente de empresa estatal de informática, a empenhar-se no uso dessas ferramentas como propulsoras da inovação em governo.

Em artigo publicado ontem no Jornal do Comércio riograndense, Picolli reforça a posição da empresa que dirige nesse sentido, que a seguir reproduzimos:

Os Governos e as redes sociais

Não é de hoje que as redes sociais vêm se tornando um dos principais meios de comunicação e de relacionamento para milhões de pessoas em todo o mundo. Só nos Estados Unidos, na primeira semana de 2010, o número de usuários do Facebook já tinha ultrapassado os 100 milhões. Desta parcela, 40% têm menos de 25 anos. É a geração Y trazendo irreversíveis mudanças no modo como as pessoas se relacionam.

No Brasil, em setembro de 2009, o número de usuários do Facebook já havia ultrapassado os 5 milhões. Um número pouco expressivo se comparado ao total de usuários do Orkut, que, no mesmo mês, era de 26 milhões. O Twitter, na época, contabilizava 9,2 milhões. Ou seja, uma parcela muito relevante da população utiliza as redes sociais para se informar, emitir opiniões e influenciar. É impossível falar em atitudes de comunicação inovadoras hoje, tanto nas empresas quanto nos governos, sem considerar essas alternativas como uma premissa.

Adequada a frase do pioneiro Roberto Agune, cuja experiência de implantação das redes sociais em São Paulo lhe chancela ter cunhado a seguinte afirmação: “A sociedade já decidiu participar das redes sociais e se relacionar por meio delas, e os governos devem estar onde a sociedade está”.

No Rio Grande do Sul, a Procergs – Centro de Soluções em Governo Eletrônico – atua como indutora desta nova forma de comunicação junto aos órgãos da Administração Pública Estadual. A Secretaria de Justiça e Desenvolvimento Social, por exemplo, conta, desde 2009, com dois blogues para estreitar o relacionamento com a sociedade. A Polícia Civil, vinculada à Secretaria da Segurança, lançou uma nova versão da Delegacia On-Line, que permite ao cidadão registrar ocorrências de furto, roubo e perdas a partir da internet.

Só que existe uma compreensível preocupação dos gestores com a segurança. O medo de abrir novos pontos de vulnerabilidade nas redes tem sido um argumento preponderante para que os governos ainda estejam engatinhando nessas ferramentas. É um temor a ser enfrentado. Não se pode esquecer que, em breve, os representantes da geração Y ocuparão posições relevantes no mercado e tratarão essas questões como pressupostos.

As entidades estaduais de Tecnologia da Informação e Comunicação têm a oportunidade única de serem protagonistas desta inovação. Se esse direcionamento ocorrer de forma concomitante, poderá levar ao crescimento conjunto. Esforço decisivo para os novos avanços que o futuro exige cada vez mais rapidamente.

Para ler na íntegra este artigo e outros posts da companhia gaúcha, acesse o blog da PROCERGS.

Comentários

Adans Soares disse…
Parabéns pela iniciativa, realmente sair do "quadrado" que se encontram os órgãos políticos na questão de interatividade é uma ótima forma de aproximar pessoas, interesses e assuntos em comum, trabalho como Designer Gráfico da SAA do Estado de São Paulo e também estamos investindo e avançando nesta área.

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles i niciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia. Isto por que, na maioria dos  5563 municípios  brasileiros, i ndependente de porte ou localização , há um imenso  descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las.  Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno  século XXI,  índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU. Bem, a choradeira para por ai.  O que gostaríamos de falar, daqui para a frente,  para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as  grandes alterações  que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo  novas oportunida

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Terceiro: o Governo como Plataforma

A ideia de Tim O'Reilly ao criar o termo e a abordagem de Governo como Plataforma, foi dar uma perspectiva de valor de patrimônio e de uso aos dados governamentais. Inicia explicando que as plataformas seguem uma lógica de alto investimento, onde praticamente só o Estado é capaz de investir, mas permitem à população, ao utilizarem essa plataforma, gerar riquezas. Temos um claro exemplo ao pensar em uma rodovia como esse investimento. O governo a constrói, mas a entrega aos usuários para trafegarem seus produtos, serviços, passageiros, estimular turismo e economias integradoras etc.. Em outras palavras, uma plataforma rodoviária do governo, mesmo em concessão, será usada pela sociedade, mesmo a custo de pedágios. O mesmo serve para plataformas digitais. O governo americano durante a gestão Reagan, em 1983, tornou disponível ao mundo o Sistema de Posicionamento Global - GPS. A partir do uso mundial dessa plataforma podemos calcular quantos outros produtos e serviços foram gerado

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Segundo: Governo Único para Cidadão Único.

A visão organizacional que o governo tem de si mesmo é a de ser um amontoado de compartimentos organizados por temas, numa estrutura hierárquica funcional que, de pesado equilíbrio, assenta-se de forma estanque e rígida em sólidas bases da lei. Por isso, só executa scripts de competências restritas, estimulando o isolamento – quantos governos dentro de um só – e a decorrente ausência de cooperação, refletindo, na visão do cidadão, um governo fragmentado, com algumas ilhas de excelência e grandes continentes de baixa eficiência. De igual forma, o governo também vê o cidadão de modo fragmentado: às vezes contribuinte, outras motorista, proprietário, aluno, paciente... mas nunca um cidadão único. E essas fragmentações impedem a visão da pluralidade, do todo, de um único harmônico, impedem o entendimento do que representam um e outro. retirado de  Korea IT Times O governo que se apresenta em fragmentos, naturalmente por agir de forma fragmentada, dispersa responsabilid