Pular para o conteúdo principal

Os blogueiros de Cuba

O movimento de jornalistas independentes, iniciado em Cuba nos anos 90 e destroçado pelo governo daquele país na Primavera Negra de 2003, deixou um legado de atores intelectuais que coloca o regime castrista em desconcertada situação : os blogueiros.


Essa retomada jornalística de opinião - creio que já não temos mais que discutir diferenças entre jornalistas e blogueiros - começa em 2008 quando o presidente cubano Raúl Castro autorizou a venda de computadores para a população, liberando também que cubanos pudessem entrar em hotéis reservados a turistas.

A medida possibilitou que os blogueiros de Cuba pudessem compor seus textos em equipamentos pessoais, apesar das diversas restrições de acesso a internet, que ainda hoje, é limitado a residentes estrangeiros, funcionários de alto escalão, hotéis e cibercafés autorizados pelo governo. Para ter uma idéia, uma hora de conexão nos cibercafés custa perto de cinco dólares, ou seja, um terço da média salarial cubana.

Diante disso, os blogueiros começam a driblar o acesso vetado, postando heroicamente em seus blogs e mostrando a Cuba não-oficial para o mundo. Destaco três blogs apresentados na reportagem do El País:
  • El Octavo Cerco, escrito por Claudia Cardelo, uma jovem de 26 anos que, para postar, envia os textos em meio digital offline a amigos que estão fora do país;
  • Cruzar Las Alambradas, de Luis Felipe Rojas que, por telefone, lê seus textos a amigos na Espanha e EUA, que gravam e postam na rede. Rojas foi detido pela polícia local em 25 de dezembro último, mas já está "livre" novamente; e
  • Geração Y, de Yoani Sánchez, uma mulher de 34 anos que representa a alma máter do movimento blogueiro cubano, que narra em seu blog uma visão pessoal e realista sobre os nascidos em Cuba nos anos 70 e 80. Yoani foi, juntamente com seu marido, presa e espancada por agentes à paisana em novembro.
Nas palavras de Maite Rico, no El País, os blogueiros cubanos representam "o contraponto exato do padrão almejado pelo regime comunista: são espontâneos, sinceros e antidogmáticos. Esbanjam humor e ironia. Não tem medo.".

Esta é a resposta ao que perguntei em agosto de 2008, ao postar aqui sobre o blog do Fidel.

Comentários

alouri disse…
Bravo!
Democracia é frágil mas necessária para se pensar e sentir como interromper a des(H)umanização e morte do habitat humano. Estamos todos linkados embora alguns não possam estar, como bem mostrastes nesta postagem magnífica. O link humano pode mudar a rota suicida da humanidade neste século 21.
Sônia Silvino disse…
Alvaro!
É preciso, mais do que nunca, estarmos interligados na razão e na emoção!
Bjkas e bom domingo!
Anônimo disse…
Apaguem essa bobagem que dá vergonha alheia!
Se fosse nos EUA, esses "blogueiros" já tinham sido executados(receber grana de potência estrangeira para conspirar contra o próprio país é crime em qualquer lugar do mundo,mas só em Cuba essa gente ganha arrego - ao menos em quanto não pegarem em armas).
Alvaro Gregorio disse…
Mandar apagar e postar como anônimo é típico de déspota e covarde.
O post fica e, apesar de imbecil, o seu comentário também.

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles iniciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia.

Isto por que, na maioria dos 5563 municípios brasileiros, independente de porte ou localização, há um imenso descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las. Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno século XXI, índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU.
Bem, a choradeira para por ai. O que gostaríamos de falar, daqui para a frente, para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as grandes alterações que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo novas oportunidades para os municípios, não im…

Design Thinking em Governo: abrem-se os caminhos

Temos dedicado muito tempo de nossas pesquisas na avaliação da metodologia de Design Thinking, adaptada a governo para apoiar a inovação, na tentativa de adotá-la para a criação e reformulação de serviços públicos. O Pepe já havia comentado aqui anteriormente sobre Roger Martin e o Design de Negócios, bem como nos trouxe uma trilogia de posts ( 1, 2 e 3 ) apontando a aplicação que pode ser dada ao tema em governo, baseado também na obra de Tim Brown e nos cases da IDEO.

Nossas impressões foram confirmadas com a recente publicação de dois trabalhos que a IDEO realizou junto a The Partnership for Public Services, entidade não governamental que trabalha para produzir inovação em governo nos EUA. Essas publicações, que considero leitura obrigatória, estão dirigidas a dois públicos distintos:


Innovation in Government: para todos envolvidos em inovação, é uma agradável e bem organizada leitura que introduz o assunto inovação em governo, baseada em depoimentos de especialistas, apresentando …

Habilidades e Atitudes do Novo Gerente

Os gerentes que, ao longo dos próximos anos, ambicionarem progressos consistentes em suas carreiras deverão dedicar particular atenção à readequação de suas competências e habilidades, recalibrando-as no sentido da chefia tradicional para a liderança de equipes, do “mandar” para o “convencer”, do “eu ganhei, nós empatamos e vocês perderam” para o “tamo juntos”, só para exemplificar.
Esta, seguramente, não será - ou não tem sido, para aqueles que já iniciaram essa caminhada - uma mudança fácil, pois envolve, além de crescentes esforços de atualização no âmbito estritamente técnico, uma profunda remontagem nos modelos mentais tradicionais.
No campo técnico, a rápida e incansável diminuição no ciclo de vida de processos e produtos tem colocado, cada vez mais, a aprendizagem continuada na ordem do dia. O know-how dos colaboradores e, por consequência, das organizações, sofre ataques praticamente diários que empurram a atividade “aprender” para dentro da “folhinha de produção”. Nesse cenário…