Pular para o conteúdo principal

Os blogueiros de Cuba

O movimento de jornalistas independentes, iniciado em Cuba nos anos 90 e destroçado pelo governo daquele país na Primavera Negra de 2003, deixou um legado de atores intelectuais que coloca o regime castrista em desconcertada situação : os blogueiros.


Essa retomada jornalística de opinião - creio que já não temos mais que discutir diferenças entre jornalistas e blogueiros - começa em 2008 quando o presidente cubano Raúl Castro autorizou a venda de computadores para a população, liberando também que cubanos pudessem entrar em hotéis reservados a turistas.

A medida possibilitou que os blogueiros de Cuba pudessem compor seus textos em equipamentos pessoais, apesar das diversas restrições de acesso a internet, que ainda hoje, é limitado a residentes estrangeiros, funcionários de alto escalão, hotéis e cibercafés autorizados pelo governo. Para ter uma idéia, uma hora de conexão nos cibercafés custa perto de cinco dólares, ou seja, um terço da média salarial cubana.

Diante disso, os blogueiros começam a driblar o acesso vetado, postando heroicamente em seus blogs e mostrando a Cuba não-oficial para o mundo. Destaco três blogs apresentados na reportagem do El País:
  • El Octavo Cerco, escrito por Claudia Cardelo, uma jovem de 26 anos que, para postar, envia os textos em meio digital offline a amigos que estão fora do país;
  • Cruzar Las Alambradas, de Luis Felipe Rojas que, por telefone, lê seus textos a amigos na Espanha e EUA, que gravam e postam na rede. Rojas foi detido pela polícia local em 25 de dezembro último, mas já está "livre" novamente; e
  • Geração Y, de Yoani Sánchez, uma mulher de 34 anos que representa a alma máter do movimento blogueiro cubano, que narra em seu blog uma visão pessoal e realista sobre os nascidos em Cuba nos anos 70 e 80. Yoani foi, juntamente com seu marido, presa e espancada por agentes à paisana em novembro.
Nas palavras de Maite Rico, no El País, os blogueiros cubanos representam "o contraponto exato do padrão almejado pelo regime comunista: são espontâneos, sinceros e antidogmáticos. Esbanjam humor e ironia. Não tem medo.".

Esta é a resposta ao que perguntei em agosto de 2008, ao postar aqui sobre o blog do Fidel.

Comentários

Angelo disse…
Bravo!
Democracia é frágil mas necessária para se pensar e sentir como interromper a des(H)umanização e morte do habitat humano. Estamos todos linkados embora alguns não possam estar, como bem mostrastes nesta postagem magnífica. O link humano pode mudar a rota suicida da humanidade neste século 21.
Alvaro!
É preciso, mais do que nunca, estarmos interligados na razão e na emoção!
Bjkas e bom domingo!
Anônimo disse…
Apaguem essa bobagem que dá vergonha alheia!
Se fosse nos EUA, esses "blogueiros" já tinham sido executados(receber grana de potência estrangeira para conspirar contra o próprio país é crime em qualquer lugar do mundo,mas só em Cuba essa gente ganha arrego - ao menos em quanto não pegarem em armas).
Alvaro Gregorio disse…
Mandar apagar e postar como anônimo é típico de déspota e covarde.
O post fica e, apesar de imbecil, o seu comentário também.

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles i niciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia. Isto por que, na maioria dos  5563 municípios  brasileiros, i ndependente de porte ou localização , há um imenso  descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las.  Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno  século XXI,  índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU. Bem, a choradeira para por ai.  O que gostaríamos de falar, daqui para a frente,  para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as  grandes alterações  que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo  novas oportunida

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Terceiro: o Governo como Plataforma

A ideia de Tim O'Reilly ao criar o termo e a abordagem de Governo como Plataforma, foi dar uma perspectiva de valor de patrimônio e de uso aos dados governamentais. Inicia explicando que as plataformas seguem uma lógica de alto investimento, onde praticamente só o Estado é capaz de investir, mas permitem à população, ao utilizarem essa plataforma, gerar riquezas. Temos um claro exemplo ao pensar em uma rodovia como esse investimento. O governo a constrói, mas a entrega aos usuários para trafegarem seus produtos, serviços, passageiros, estimular turismo e economias integradoras etc.. Em outras palavras, uma plataforma rodoviária do governo, mesmo em concessão, será usada pela sociedade, mesmo a custo de pedágios. O mesmo serve para plataformas digitais. O governo americano durante a gestão Reagan, em 1983, tornou disponível ao mundo o Sistema de Posicionamento Global - GPS. A partir do uso mundial dessa plataforma podemos calcular quantos outros produtos e serviços foram gerado

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Segundo: Governo Único para Cidadão Único.

A visão organizacional que o governo tem de si mesmo é a de ser um amontoado de compartimentos organizados por temas, numa estrutura hierárquica funcional que, de pesado equilíbrio, assenta-se de forma estanque e rígida em sólidas bases da lei. Por isso, só executa scripts de competências restritas, estimulando o isolamento – quantos governos dentro de um só – e a decorrente ausência de cooperação, refletindo, na visão do cidadão, um governo fragmentado, com algumas ilhas de excelência e grandes continentes de baixa eficiência. De igual forma, o governo também vê o cidadão de modo fragmentado: às vezes contribuinte, outras motorista, proprietário, aluno, paciente... mas nunca um cidadão único. E essas fragmentações impedem a visão da pluralidade, do todo, de um único harmônico, impedem o entendimento do que representam um e outro. retirado de  Korea IT Times O governo que se apresenta em fragmentos, naturalmente por agir de forma fragmentada, dispersa responsabilid