Pular para o conteúdo principal

Crescem as comunidades virtuais de governo



Uma das grandes vantagens das redes sociais é, sem dúvida, o partilhar de informações. Sementes para o conhecimento. Por vezes, as idéias unidas, misturadas e praticadas em conjunto constroem o que chamamos de inovação. Um novo bem, para ser novamente partilhado.
A proposta portuguesa comunidades@ina, muito se assemelha a esse ciclo. A iniciativa do Instituto Nacional de Administração, une em um portal os meios para que profissionais da administração pública lusitana e interessados da área, troquem informações e experiências a fim de sanar questões rotineiras do trabalho.
Nos Estados Unidos, também temos referência de um projeto como esse – é o GovLoop, rede que reúne funcionários do governo, especialistas e cidadãos para discutirem o uso da ferramenta Web 2.o dentro da sociedade.
Em São Paulo, a rede que discute o tema é a NósGov, restrita apenas aos funcionários do Governo do Estado de São Paulo. Outra iniciativa paulista, dirigida à gestão de municípios é a Rede CIM, que vem realizando um prodigioso trabalho em comunidade de assuntos governamentais.
Faço parte dessas redes e por elas tenho recebido intensa colaboração, mas volto a Europa que desenvolveu uma apresentação inspiradora sobre a importância das redes sociais. Nela, é possível notar o sentido social da internet, em um momento onde as redes virtuais passam a ir além de um ponto de encontro entre amigos.
O projeto da ESN - European Social Network também visa a participação dos cidadãos na construção de melhorias feitas a partir da Web. O curioso desse caso é unir diferentes países, línguas e culturas com um único objetivo em comum.
De acordo com FastTrackGov, responsável pela pesquisa sobre o uso de mídias sociais em administração pública no Estados Unidos, três em cada cinco dos Governos Municipais os EUA fazem uso desse recurso como forma de comunicação com os cidadãos e empresários. A opção mais utilizada é o Facebook, seguido do Twitter.
Dos entrevistados, 47% acreditam que a comunidade aderiu ao meio de comunicação governamental. O número deixa claro que as ações virtuais foram bem recebidas pela população e que o caminho tomado, tem bons motivos para ser bem sucedido em diferentes países.

Comentários

Olá!
Tem um presente pra ti em:
http://soniasilvinothebestblogs.blogspot.com
Passe lá!
Abraços!

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles i niciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia. Isto por que, na maioria dos  5563 municípios  brasileiros, i ndependente de porte ou localização , há um imenso  descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las.  Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno  século XXI,  índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU. Bem, a choradeira para por ai.  O que gostaríamos de falar, daqui para a frente,  para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as  grandes alterações  que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo  novas oportunida

Design Thinking em Governo: abrem-se os caminhos

Temos dedicado muito tempo de nossas pesquisas na avaliação da metodologia de Design Thinking, adaptada a governo para apoiar a inovação, na tentativa de adotá-la para a criação e reformulação de serviços públicos. O Pepe já havia comentado aqui anteriormente sobre Roger Martin e o Design de Negócios, bem como nos trouxe uma trilogia de posts ( 1 , 2 e 3 ) apontando a aplicação que pode ser dada ao tema em governo, baseado também na obra de Tim Brown e nos cases da IDEO . Nossas impressões foram confirmadas com a recente publicação de dois trabalhos que a IDEO realizou junto a The Partnership for Public Services , entidade não governamental que trabalha para produzir inovação em governo nos EUA. Essas publicações, que considero leitura obrigatória, estão dirigidas a dois públicos distintos: Innovation in Government : para todos envolvidos em inovação, é uma agradável e bem organizada leitura que introduz o assunto inovação em governo, baseada em depoimentos de especialistas, a

Choque de Conhecimento I

O acelerado crescimento econômico da Irlanda, que já caminha para duas décadas, é um dos mais ilustrativos exemplos da reinvenção de um país em torno da produção do conhecimento. Em meados da década de 80, a Irlanda tinha um produto por habitante cerca de 60% abaixo da média dos países da UE -União Européia. O desemprego, oscilando em torno dos 18%, a forte emigração em busca de novas oportunidades no exterior e a contínua degradação de áreas urbanas, notadamente na capital, Dublin, eram algumas das mais tristes marcas dessa época de desalento. Hoje, cerca de 20 anos depois, a Irlanda tornou-se um país opulento. O produto per capita está, agora, em torno de US$ 38 mil, 40% acima da média dos países europeus e o segundo maior da UE, o desemprego recuou para 4%, a emigração deu lugar à imigração e os programas de recuperação urbana tornaram-se “cases” mundiais de sucesso. Um complexo conjunto de fatores, nos planos, político, social e econômico, que podem ser conferidos, por exemplo, no