Pular para o conteúdo principal

Contra a Gripe, Rap

Nesta época, relações de melhores do ano estão por todos os cantos. Dos filmes mais assistidos às grandes mancadas, nada escapa à febre das listagens. Pois bem, tomado por este espírito classificatório, resolvi, na minha derradeira postagem do ano, embarcar nesta canoa e escolher a melhor aplicação web 2.0 em governo de 2009.



Para efetuar a minha escolha, levei em consideração os seguintes aspectos: criatividade, interesse público, transparência, uso de inteligência coletiva, penetração popular e economia de recursos.


Será que existe uma única aplicação de ferramentas sociais que contemple todos esses quesitos? No meu entendimento existe, e, por isto mesmo, merece esta honraria.



Fazendo um pouco de suspense, antes de apontar a vencedora, eu gostaria, de contar a história de como surgiu esta aplicação.



O governo americano, através de sua Secretaria de Saúde, pasta que equivale ao Ministério da Saúde no Brasil, observou que as campanhas tradicionais para divulgação dos riscos e dos cuidados associados à gripe H1N1, não despertavam maior interesse nos grupos que mais precisavam ser sensibilizados.



Buscando reverter esta situação, a Secretaria de Saúde resolveu dar a esta questão um tratamento nada convencional. Promoveu um concurso na modalidade, PSA, Public Service Announcement, pedindo à população que postasse, no YouTube, um vídeo falando livremente sobre os cuidados em relação a gripe H1N1.



Após analisar os 250 vídeos encaminhados, especialistas nesta matéria escolheram 10 finalistas que foram, após isto, submetidos à votação popular, com vistas à seleção do trabalho vencedor.



Concluída a apuração de mais de 50 mil votos, o ganhador foi o vídeo “Rap da Gripe” (tradução livre minha), criado pelo Dr. John Clarke, diretor médico do Long Island Rail Road, que o leitor do iGov Brasil poderá assistir ao cabo desta postagem.


Desfeito o suspense, vamos ver, agora, critério a critério, por que esta iniciativa, levada avante pela Secretaria da Saúde norte-americana, ganhou o “cobiçado” título de melhor aplicação Web 2.0 em governo do ano.



1. Criatividade.

Desnecessário falar muito sobre este quesito. O processo descrito acima mostra como a criatividade esteve presente em cada momento deste desafio.



2. Interesse público.

Sensibilizar a população sobre a gravidade e os cuidados a serem dispensados para uma doença global que tem provocado confusão, internações e até mesmo mortes, mundo afora, confere claro interesse público a esta ação.



3. Transparência

Desde o tratamento inicial do tema, até a definição do vencedor, o governo americano deu, neste caso, um banho de transparência sobre a forma de tratar um assunto de alta relevância e interesse popular, como o aqui abordado.



4. Uso de inteligência coletiva

Outro marco desta campanha. Ao invés de decidir como sensibilizar a população, a Secretaria de Saúde observou que a própria cidadania poderia fazê-lo, da produção do vídeo à escolha do vencedor.



5. Penetração popular

O concurso atraiu a atenção dos maiores meios de comunicação norte-americanos. As grandes emissoras de TV, por exemplo, batalharam fortemente pela primazia de colocar o vídeo vencedor em rede nacional no horário nobre. A audiência maciça do trabalho no YouTube, até agora, reafirma o apelo popular da medida.



6. Economia de recursos

Por fim, quanto o Governo Americano gastou nesta empreitada? Meros dois mil e quinhentos dólares, pagos ao Dr. John Clarke.



E agora, caiamos no rap.



Por fim, nesta última postagem do ano, meus votos de um super 2010 a todos os leitores do IgovBrasil. Até mais.

Comentários

Sônia Silvino disse…
Tenha uma linda noite da virada com muita paz no teu coração!
Bjs!

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles iniciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia.

Isto por que, na maioria dos 5563 municípios brasileiros, independente de porte ou localização, há um imenso descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las. Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno século XXI, índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU.
Bem, a choradeira para por ai. O que gostaríamos de falar, daqui para a frente, para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as grandes alterações que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo novas oportunidades para os municípios, não im…

Design Thinking em Governo: abrem-se os caminhos

Temos dedicado muito tempo de nossas pesquisas na avaliação da metodologia de Design Thinking, adaptada a governo para apoiar a inovação, na tentativa de adotá-la para a criação e reformulação de serviços públicos. O Pepe já havia comentado aqui anteriormente sobre Roger Martin e o Design de Negócios, bem como nos trouxe uma trilogia de posts ( 1, 2 e 3 ) apontando a aplicação que pode ser dada ao tema em governo, baseado também na obra de Tim Brown e nos cases da IDEO.

Nossas impressões foram confirmadas com a recente publicação de dois trabalhos que a IDEO realizou junto a The Partnership for Public Services, entidade não governamental que trabalha para produzir inovação em governo nos EUA. Essas publicações, que considero leitura obrigatória, estão dirigidas a dois públicos distintos:


Innovation in Government: para todos envolvidos em inovação, é uma agradável e bem organizada leitura que introduz o assunto inovação em governo, baseada em depoimentos de especialistas, apresentando …

Habilidades e Atitudes do Novo Gerente

Os gerentes que, ao longo dos próximos anos, ambicionarem progressos consistentes em suas carreiras deverão dedicar particular atenção à readequação de suas competências e habilidades, recalibrando-as no sentido da chefia tradicional para a liderança de equipes, do “mandar” para o “convencer”, do “eu ganhei, nós empatamos e vocês perderam” para o “tamo juntos”, só para exemplificar.
Esta, seguramente, não será - ou não tem sido, para aqueles que já iniciaram essa caminhada - uma mudança fácil, pois envolve, além de crescentes esforços de atualização no âmbito estritamente técnico, uma profunda remontagem nos modelos mentais tradicionais.
No campo técnico, a rápida e incansável diminuição no ciclo de vida de processos e produtos tem colocado, cada vez mais, a aprendizagem continuada na ordem do dia. O know-how dos colaboradores e, por consequência, das organizações, sofre ataques praticamente diários que empurram a atividade “aprender” para dentro da “folhinha de produção”. Nesse cenário…