Pular para o conteúdo principal

Ferramentas sociais, crises e gripe suína


No ano passado comentamos sobre o uso de celulares na prevenção e combate ao crime, tomando por exemplo a Libéria, país da África Ocidental, que implementou a prática associada à vigilância comunitária e produziu resultados de redução dos incidentes criminais, essencialmente nas áreas urbanas.

Do outro lado daquele continente, no Quênia, outra iniciativa utilizando o mashup do GoogleMaps com a telefonia celular, tem permitido aos quenianos salvar vidas e previnir o crime. Trata-se do projeto Ushahidi, que significa "testemunho" em suaíli - o idioma oficial, uma plataforma multicanal, que recebe alertas de crise e violência através do celular, e-mail ou formulário web.

A palestra que Erik Hersman apresentou no TED, a seguir (em inglês), explica o projeto: 



O uso de mashups, celulares e ferramentas sociais para situações de crise e emergência combinam forças não apenas de comunicação, mas também de mobilização.

Vejamos a crise revelada nesta semana sobre a gripe suína. Desde sábado já foram publicados os mashups com GoogleMaps do H1N1, do 2009 Swine Flu (no mapa abaixo), além de blog, infográfico, planilha no GoogleDocs e Twitter. No Brasil, o portal do Ministério da Saúde publica um site, com um monte de pdfs e nenhuma interação. Em entrevista, o Presidente Lula diz que a gripe suína não chegou em nosso país e que "nós temos estoque de remédios para enfrentar essa situação" (sic).

Será que ninguém está pensando em implantar um plano de informação e orientação da população que considere o alcance da telefonia móvel em situações de crise ? No que pode ajudar ao cidadão a consulta em mapas elaborados pelos órgãos oficiais e disponíveis na rede ? 

Lembrei agora que em 1974 tivemos na cidade de São Paulo uma média de 33 óbitos/dia devido a uma epidemia de meningite, onde a imprensa e os órgãos de saúde foram impedidos, pelo regime da ditadura militar, de divulgar qualquer nota a respeito. Ora na atualidade, não podemos deixar de informar, e bem, o andamento de uma crise, orientando a sociedade para caminhos seguros.

Nessas situações, é a informação que mobiliza.


Veja 2009 Swine Flu (H1N1) Outbreak Map em tamanho grande.

Comentários

RC disse…
Sem dúvida, é preciso ter a coragem de experimentar as novas ferramentas, e estamos muito atrasados nisso. Porém, creio que precisamos pensar, também, nas limitações impostas pela nossa própria cultura, desenvolvimento tecnológico, democratização dos meios, etc., etc., etc.

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles i niciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia. Isto por que, na maioria dos  5563 municípios  brasileiros, i ndependente de porte ou localização , há um imenso  descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las.  Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno  século XXI,  índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU. Bem, a choradeira para por ai.  O que gostaríamos de falar, daqui para a frente,  para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as  grandes alterações  que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo  novas oportunida

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Segundo: Governo Único para Cidadão Único.

A visão organizacional que o governo tem de si mesmo é a de ser um amontoado de compartimentos organizados por temas, numa estrutura hierárquica funcional que, de pesado equilíbrio, assenta-se de forma estanque e rígida em sólidas bases da lei. Por isso, só executa scripts de competências restritas, estimulando o isolamento – quantos governos dentro de um só – e a decorrente ausência de cooperação, refletindo, na visão do cidadão, um governo fragmentado, com algumas ilhas de excelência e grandes continentes de baixa eficiência. De igual forma, o governo também vê o cidadão de modo fragmentado: às vezes contribuinte, outras motorista, proprietário, aluno, paciente... mas nunca um cidadão único. E essas fragmentações impedem a visão da pluralidade, do todo, de um único harmônico, impedem o entendimento do que representam um e outro. retirado de  Korea IT Times O governo que se apresenta em fragmentos, naturalmente por agir de forma fragmentada, dispersa responsabilid

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Terceiro: o Governo como Plataforma

A ideia de Tim O'Reilly ao criar o termo e a abordagem de Governo como Plataforma, foi dar uma perspectiva de valor de patrimônio e de uso aos dados governamentais. Inicia explicando que as plataformas seguem uma lógica de alto investimento, onde praticamente só o Estado é capaz de investir, mas permitem à população, ao utilizarem essa plataforma, gerar riquezas. Temos um claro exemplo ao pensar em uma rodovia como esse investimento. O governo a constrói, mas a entrega aos usuários para trafegarem seus produtos, serviços, passageiros, estimular turismo e economias integradoras etc.. Em outras palavras, uma plataforma rodoviária do governo, mesmo em concessão, será usada pela sociedade, mesmo a custo de pedágios. O mesmo serve para plataformas digitais. O governo americano durante a gestão Reagan, em 1983, tornou disponível ao mundo o Sistema de Posicionamento Global - GPS. A partir do uso mundial dessa plataforma podemos calcular quantos outros produtos e serviços foram gerado