Pular para o conteúdo principal

Cidadão Único

Quando se fala em serviços eletrônicos, tenho em conta que o governo de Cingapura foi quem fez o primeiro portal organizado por eventos de vida, dedicado ao cidadão e serviços públicos, lá em 2004, com o inovador e bem-sucedido e-Citizen, que serviu de base para que montássemos aqui em São Paulo o Cidadão.SP e outros governos, como a França com o Service Public, também o copiassem como um modelo de government to citizen (G2C).

Inovando continuamente, Cingapura lançou em 2005 o myecitizen, um portal personalizado para que cada cidadão pudesse ter em sua página exclusiva e segura, todos os registros e transações que faz com o governo. O myecitizen era, e ainda é, o case mais próximo que um governo já chegou do CRM - Citizen Relationship Management. Com todos os avanços cingapurianos já comentados aqui, ficou impossível acompanhá-los: são rápidos, competentes e sabem o que os serviços online podem fazer.

Uso o exemplo do myecitizen toda vez que quero falar sobre inovação na relação governo-cidadão na web. Mas era um exemplo solitário, um caso isolado, quase uma dádiva daquela cidade-estado asiática. Notícia boa: a França também fez e chama-se Mon Sérvice Public.

Lançado em dezembro de 2008, o portal francês estava em desenvolvimento e testes desde 2006. Foram dois longos anos para que o governo entregasse aos seus cidadãos um mega-serviço online.

No Mon Sérvice Public, o cidadão pode criar uma conta onde registra seus dados pessoais uma única vez e compartilha esses dados com os vários órgãos da administração. Assim, o cidadão tem em seu site, seguro sob login, os serviços públicos relacionados diretamente com seu interesse, como documentos, impostos, seguridade social e outros, mas de forma personalizada, já que o sistema reconhece-o como cidadão único, independente de qual órgão do governo se relaciona.

Este conceito de cidadão único reduz trâmites e a complexidade administrativa, eliminando por exemplo que o cidadão seja só motorista ou proprietário de carro para o DETRAN, segurado para o INSS, contribuinte para a Receita e assim por diante. Um cidadão único para um governo unificado.

Como para usar o site é necessário ser cidadão francês, conheça esse novo serviço francês com o tour, que pode ser acessado aqui

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles i niciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia. Isto por que, na maioria dos  5563 municípios  brasileiros, i ndependente de porte ou localização , há um imenso  descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las.  Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno  século XXI,  índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU. Bem, a choradeira para por ai.  O que gostaríamos de falar, daqui para a frente,  para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as  grandes alterações  que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo  novas oportunida

Quem Fica Olhando Muito Para Trás, Tem Um Grande Passado Pela Frente

A frase que dá título a este post, proferida pelo grande filósofo e professor Mario Sergio Cortella, deve servir de alerta a muitos de nossos prefeitos.  A maioria deles ainda enxerga a atração de indústrias como o único caminho para o desenvolvimento de uma cidade. Esta visão, formada nos tempos em que fábrica era sinônimo de riqueza, tem feito com que novas oportunidades de crescimento, vinculadas a uma economia cada vez mais pujante, centrada no conhecimento, o mais valioso insumo dos nossos dias, não sejam devidamente estudadas, exploradas e aproveitadas. O que os senhores prefeitos precisam descobrir, desde já, é que nos dias atuais há uma nova "estrada", ainda mal sinalizada, para cidades que almejam um papel de destaque na emergente sociedade do conhecimento. De antemão, asseguro que para chegar a ela não basta usar a velha e onerosa prática de atrair empresas. O sucesso para galgar essa nova "estrada" depende da atração de talentos, pesso

Design Thinking em Governo: abrem-se os caminhos

Temos dedicado muito tempo de nossas pesquisas na avaliação da metodologia de Design Thinking, adaptada a governo para apoiar a inovação, na tentativa de adotá-la para a criação e reformulação de serviços públicos. O Pepe já havia comentado aqui anteriormente sobre Roger Martin e o Design de Negócios, bem como nos trouxe uma trilogia de posts ( 1 , 2 e 3 ) apontando a aplicação que pode ser dada ao tema em governo, baseado também na obra de Tim Brown e nos cases da IDEO . Nossas impressões foram confirmadas com a recente publicação de dois trabalhos que a IDEO realizou junto a The Partnership for Public Services , entidade não governamental que trabalha para produzir inovação em governo nos EUA. Essas publicações, que considero leitura obrigatória, estão dirigidas a dois públicos distintos: Innovation in Government : para todos envolvidos em inovação, é uma agradável e bem organizada leitura que introduz o assunto inovação em governo, baseada em depoimentos de especialistas, a