Pular para o conteúdo principal

Cingapura e o m-Gov


A cidade-estado de Cingapura tem sido um modelo em inovação e excelência em e-governo. Desde 2004, quando comecei a acompanhar a evolução das ações de e-gov daquele país, me surpreendo com a determinação e velocidade com que implantam novos serviços públicos eletrônicos.

Começou com o e-citizen, portal de serviços ao cidadão, que inspirou tantos outros portais (inclusive o de São Paulo), na sua arquitetura por Life Events, explicado aqui pelo governo canadense, também pioneiro em sua utilização, e aqui na versão australiana que conheci esses dias.

Em seguida Cingapura implantou o myecitizen, uma espécie de CzRM online, que personaliza não somente o acesso mas também os serviços e informações do cidadão e cria um novo modelo de relacionamento com o governo.

Agora Cingapura novamente impressiona colocando 150 serviços públicos no celular, agrupados em 5 perfis e 17 categorias, que vão desde informações fiscais, sobre saúde e previsão do tempo, até notificações via SMS sobre renovação de passaporte ou chegada de novos livros na biblioteca, compra de passagem de ônibus/metrô e acompanhamento de processos da Suprema Corte.

Penso que aqueles que estão trabalhando com m-Gov já tem uma centena e meia de boas práticas.

Comentários

Antonio Celso disse…
Quando da implantação do Governo Eletrônico no Brasil, em 2.000, Singapura já servia de exemplo. Em 2.001 Brasil e Canadá se reuniram para avaliar políticas comuns para e-gov. O m-gov foi levantado como uma prioridade, mas as tecnologias ainda não estavam preparadas para as ações desejadas. A grande revolução de Singapura se dá não apenas pela inovação na oferta de serviços, mas também na oferta dos meios de acesso, pois lá são pesquisadas e desenvolvidas soluções de acesso, como novos hardwares (smartphones) e a tecnologia de transmissão necessária. Há que se pensar toda a cadeia para que no Brasil ocorra revolução semelhante, ou seremos sempre meros seguidores...

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles i niciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia. Isto por que, na maioria dos  5563 municípios  brasileiros, i ndependente de porte ou localização , há um imenso  descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las.  Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno  século XXI,  índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU. Bem, a choradeira para por ai.  O que gostaríamos de falar, daqui para a frente,  para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as  grandes alterações  que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo  novas oportunida

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Terceiro: o Governo como Plataforma

A ideia de Tim O'Reilly ao criar o termo e a abordagem de Governo como Plataforma, foi dar uma perspectiva de valor de patrimônio e de uso aos dados governamentais. Inicia explicando que as plataformas seguem uma lógica de alto investimento, onde praticamente só o Estado é capaz de investir, mas permitem à população, ao utilizarem essa plataforma, gerar riquezas. Temos um claro exemplo ao pensar em uma rodovia como esse investimento. O governo a constrói, mas a entrega aos usuários para trafegarem seus produtos, serviços, passageiros, estimular turismo e economias integradoras etc.. Em outras palavras, uma plataforma rodoviária do governo, mesmo em concessão, será usada pela sociedade, mesmo a custo de pedágios. O mesmo serve para plataformas digitais. O governo americano durante a gestão Reagan, em 1983, tornou disponível ao mundo o Sistema de Posicionamento Global - GPS. A partir do uso mundial dessa plataforma podemos calcular quantos outros produtos e serviços foram gerado

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Segundo: Governo Único para Cidadão Único.

A visão organizacional que o governo tem de si mesmo é a de ser um amontoado de compartimentos organizados por temas, numa estrutura hierárquica funcional que, de pesado equilíbrio, assenta-se de forma estanque e rígida em sólidas bases da lei. Por isso, só executa scripts de competências restritas, estimulando o isolamento – quantos governos dentro de um só – e a decorrente ausência de cooperação, refletindo, na visão do cidadão, um governo fragmentado, com algumas ilhas de excelência e grandes continentes de baixa eficiência. De igual forma, o governo também vê o cidadão de modo fragmentado: às vezes contribuinte, outras motorista, proprietário, aluno, paciente... mas nunca um cidadão único. E essas fragmentações impedem a visão da pluralidade, do todo, de um único harmônico, impedem o entendimento do que representam um e outro. retirado de  Korea IT Times O governo que se apresenta em fragmentos, naturalmente por agir de forma fragmentada, dispersa responsabilid