Pular para o conteúdo principal

Cingapura e o m-Gov


A cidade-estado de Cingapura tem sido um modelo em inovação e excelência em e-governo. Desde 2004, quando comecei a acompanhar a evolução das ações de e-gov daquele país, me surpreendo com a determinação e velocidade com que implantam novos serviços públicos eletrônicos.

Começou com o e-citizen, portal de serviços ao cidadão, que inspirou tantos outros portais (inclusive o de São Paulo), na sua arquitetura por Life Events, explicado aqui pelo governo canadense, também pioneiro em sua utilização, e aqui na versão australiana que conheci esses dias.

Em seguida Cingapura implantou o myecitizen, uma espécie de CzRM online, que personaliza não somente o acesso mas também os serviços e informações do cidadão e cria um novo modelo de relacionamento com o governo.

Agora Cingapura novamente impressiona colocando 150 serviços públicos no celular, agrupados em 5 perfis e 17 categorias, que vão desde informações fiscais, sobre saúde e previsão do tempo, até notificações via SMS sobre renovação de passaporte ou chegada de novos livros na biblioteca, compra de passagem de ônibus/metrô e acompanhamento de processos da Suprema Corte.

Penso que aqueles que estão trabalhando com m-Gov já tem uma centena e meia de boas práticas.

Comentários

Antonio Celso disse…
Quando da implantação do Governo Eletrônico no Brasil, em 2.000, Singapura já servia de exemplo. Em 2.001 Brasil e Canadá se reuniram para avaliar políticas comuns para e-gov. O m-gov foi levantado como uma prioridade, mas as tecnologias ainda não estavam preparadas para as ações desejadas. A grande revolução de Singapura se dá não apenas pela inovação na oferta de serviços, mas também na oferta dos meios de acesso, pois lá são pesquisadas e desenvolvidas soluções de acesso, como novos hardwares (smartphones) e a tecnologia de transmissão necessária. Há que se pensar toda a cadeia para que no Brasil ocorra revolução semelhante, ou seremos sempre meros seguidores...

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles iniciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia.

Isto por que, na maioria dos 5563 municípios brasileiros, independente de porte ou localização, há um imenso descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las. Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno século XXI, índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU.
Bem, a choradeira para por ai. O que gostaríamos de falar, daqui para a frente, para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as grandes alterações que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo novas oportunidades para os municípios, não im…

Quem Fica Olhando Muito Para Trás, Tem Um Grande Passado Pela Frente

A frase que dá título a este post, proferida pelo grande filósofo e professor Mario Sergio Cortella, deve servir de alerta a muitos de nossos prefeitos. 
A maioria deles ainda enxerga a atração de indústrias como o único caminho para o desenvolvimento de uma cidade. Esta visão, formada nos tempos em que fábrica era sinônimo de riqueza, tem feito com que novas oportunidades de crescimento, vinculadas a uma economia cada vez mais pujante, centrada no conhecimento, o mais valioso insumo dos nossos dias, não sejam devidamente estudadas, exploradas e aproveitadas.
O que os senhores prefeitos precisam descobrir, desde já, é que nos dias atuais há uma nova "estrada", ainda mal sinalizada, para cidades que almejam um papel de destaque na emergente sociedade do conhecimento. De antemão, asseguro que para chegar a ela não basta usar a velha e onerosa prática de atrair empresas. O sucesso para galgar essa nova "estrada" depende da atração de talentos, pessoas, gente que possa, …

Objetivos e valores do Laboratório de Inovação

Um laboratório de inovação em governo pode atuar desde a criação de novas políticas públicas até a prototipagem de serviços prestados ao cidadão. A diferença não se trata apenas de níveis da gestão (estratégica e operacional), mas também define o porquê deve existir o lab, sua estrutura, seus objetivos e quais valores irá agregar ao governo.

Objetivar amplitude e formas de atuação nos ajuda a relacionar quesitos, estabelecer limites e buscar as parcerias certas.

Antes de apresentar uma nova relação sobre os aspectos de construção do laboratório, como os aspectos projetuais colocados em post anterior, apresento uma lista que pode ajudar a definir com um pouco mais de formalidade e precisão, após respondido o checklist projetual, para que está sendo criado o laboratório e no que pode contribuir para um governo inovador.

A ideia é de que usemos essa relação para selecionar aqueles itens que se aproximam com os objetivos do lab que pretendemos construir ou significar, mantendo em mente o …