Pular para o conteúdo principal

A Ministra da Inovação e a Ministra 2.0





O anúncio do novo ministério do governo espanhol de Zapatero, recém-eleito para a segunda legislatura, traz dois fatos surpreendentes. Primeiro, dos 17 ministros escolhidos, 9 são mulheres, uma maioria sem par nos governos da Europa e que deve dar um novo tom à administração de Espanha.


O segundo fato corresponde a duas mulheres e pastas que podem provocar essa mudança, influenciando inclusive outros governos.
Cristina Garmendia, de 46 anos, é a ministra do agora criado Ministério da Inovação, cuja principal função é incentivar a pesquisa e o desenvolvimento em torno da gestão do conhecimento e do compartilhamento científico para a evolução de seu país. É bióloga molecular e defensora do uso de células-mãe para fins terapêuticos, sendo conhecida como uma "mujer hecha a sí misma".
Bibiana Aído (foto), de 31 anos, é a titular do Ministério da Igualdade e a mais jovem detentora de cargo de ministro em toda a história da democracia espanhola. Talvez até por isso, apresenta um perfil político mais alinhado com as novas tecnologias e vem sendo chamada pela imprensa como a "ministra 2.0".
A ministra Bibiana tem (e ela mesma atualiza) um blog, um canal no YouTube, uma conta no Flickr (de onde tirei a foto deste post) e seu perfil no Twitter. Todas essas ferramentas de web 2.0, de rede e comunicação social, devem ser adotadas por políticos e gestores públicos, tanto no sentido da transparência como no da sensibilização com a realidade, afinal, o eleitorado há muito tempo já não cabe nos gabinetes.

Bom, se em nossas eleições não teremos a web 2.0, estaria ótimo se o executivo pudesse adotá-la de imediato, o que seria até mais louvável do que o uso promocional eleitoral, uma vez que aproxima o cidadão com quem está no poder, não com quem pretende alcançá-lo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles iniciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia.

Isto por que, na maioria dos 5563 municípios brasileiros, independente de porte ou localização, há um imenso descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las. Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno século XXI, índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU.
Bem, a choradeira para por ai. O que gostaríamos de falar, daqui para a frente, para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as grandes alterações que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo novas oportunidades para os municípios, não im…

Design Thinking em Governo: abrem-se os caminhos

Temos dedicado muito tempo de nossas pesquisas na avaliação da metodologia de Design Thinking, adaptada a governo para apoiar a inovação, na tentativa de adotá-la para a criação e reformulação de serviços públicos. O Pepe já havia comentado aqui anteriormente sobre Roger Martin e o Design de Negócios, bem como nos trouxe uma trilogia de posts ( 1, 2 e 3 ) apontando a aplicação que pode ser dada ao tema em governo, baseado também na obra de Tim Brown e nos cases da IDEO.

Nossas impressões foram confirmadas com a recente publicação de dois trabalhos que a IDEO realizou junto a The Partnership for Public Services, entidade não governamental que trabalha para produzir inovação em governo nos EUA. Essas publicações, que considero leitura obrigatória, estão dirigidas a dois públicos distintos:


Innovation in Government: para todos envolvidos em inovação, é uma agradável e bem organizada leitura que introduz o assunto inovação em governo, baseada em depoimentos de especialistas, apresentando …

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Terceiro: o Governo como Plataforma

A ideia de Tim O'Reilly ao criar o termo e a abordagem de Governo como Plataforma, foi dar uma perspectiva de valor de patrimônio e de uso aos dados governamentais. Inicia explicando que as plataformas seguem uma lógica de alto investimento, onde praticamente só o Estado é capaz de investir, mas permitem à população, ao utilizarem essa plataforma, gerar riquezas.

Temos um claro exemplo ao pensar em uma rodovia como esse investimento. O governo a constrói, mas a entrega aos usuários para trafegarem seus produtos, serviços, passageiros, estimular turismo e economias integradoras etc.. Em outras palavras, uma plataforma rodoviária do governo, mesmo em concessão, será usada pela sociedade, mesmo a custo de pedágios.

O mesmo serve para plataformas digitais. O governo americano durante a gestão Reagan, em 1983, tornou disponível ao mundo o Sistema de Posicionamento Global - GPS. A partir do uso mundial dessa plataforma podemos calcular quantos outros produtos e serviços foram gerados, a…