Pular para o conteúdo principal

Internet e eleições



Tenho uma impressão sobre a habilidade dos políticos brasileiros, quando entendem os meios de comunicação, mais ou menos assim: Getúlio Vargas entendeu e usou como ninguém o rádio, enquanto que o Juscelino Kubitschek foi o pioneiro e elegante presidente na TV (a analógica, é claro), talvez superado por Fernando Collor em termos dramáticos, mas quem, no Brasil, será o hábil candidato a ocupar a mídia internet nas próximas eleições ?

Acompanho um pouco as eleições americanas e o competente trabalho da equipe de Barack Obama. Eles ocuparam todos os espaços e oportunidades da internet em torno das primárias democratas.

Desde site de adesão à campanha, além do oficial do senado, um wiki bem redigido, flickr enorme, wallpapers e ringtones para celulares, um canal no Youtube, RSS e releases e outros tantos endereços e recursos da web 2.0 a favor de sua campanha. Talvez a melhor campanha via internet até agora e, com certeza, a maior.

Visitar todas essas referências e estudar a estratégia da equipe de Obama para internet é, por si só, um grande prazer que pretendo desfrutar neste final de semana. Que aliás, começa hoje.

Porque nesta sexta-feira haverá um evento na Universidade de Nova York, reunindo Arianna Huffington, fundadora do portal de blogs políticos The Huffington Post; Jeff Jarvis, do Buzz Machine; Micah Sifry, fundador do TechPresident, blog sobre o uso da web na política; Lisa Tozzi, editora de política do NYTimes; e Jay Rosen, professor de jornalismo da UNY, que irá debater "como a internet está mudando a política nos EUA".

O debate terá transmissão ao vivo pela web no GroundReport.tv. É hoje, sexta-feira, às 20h, horário de Brasília.

Pst Post>> para quem perdeu o debate, mas gostaria de ver, clique aqui para acessar.

Comentários

Everson disse…
Prezado Álvaro,

Não sei se já expressei isso por aqui mas, acredito que nossa democracia seja ainda muito nova. Até pouco tempo atrás lutavamos para tirarmos o poder os militares. Falta também participação popular. Se você não participa os políticos fazem o que querem. Se participa você é uma andorinha no céu.. Eu mesmo vem brigando por melhorias próximo a minha residência a mais de três anos e não consigo.

Mas na nova ordem social que se conforma as tecnologias tem propiciado muitos avanços como consultas públicas, fóruns de discussão on line, audiências públicas eletrônicas, referendus etc. Alguns países já ousaram até em realizar votações on line.

Contudo, acredito que um dos problemas seja a falta da universalização do acesso as novas mídias.

Agora no caso específico que você relata de exploração dos recursos tecnológicos em campanhas eleitorais penso que no Brasil temos muito o que aprender ainda... Nas últimas eleições presidenciais resolvi fazer um exercício sobre as propostas de governo sobre o uso das tecnologias mas, o que encontrei foram apenas itens bastante genéricos. Acho que talvez em muitas ocasiões nossos governantes reproduzem ou não sabem nem o que estão falando..(:
Anônimo disse…
Enquanto isso no Brasil o TSE praticamente proíbe as campanhas de 2008 na internet.
Alvaro Gregorio disse…
Pois é, André e Everson, não sei se leram a Folha Informática do dia 02/abril, alguns dias após este post. Há uma frágil luz no fim do túnel.
O deputado federal José Aparecido (PV-MG), enviou ao TSE a consulta 1.477 questionando a possibilidade de usar outros meios (além do .can ) para a próxima campanha.
Vamos acompanhar.

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles i niciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia. Isto por que, na maioria dos  5563 municípios  brasileiros, i ndependente de porte ou localização , há um imenso  descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las.  Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno  século XXI,  índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU. Bem, a choradeira para por ai.  O que gostaríamos de falar, daqui para a frente,  para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as  grandes alterações  que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo  novas oportunida

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Terceiro: o Governo como Plataforma

A ideia de Tim O'Reilly ao criar o termo e a abordagem de Governo como Plataforma, foi dar uma perspectiva de valor de patrimônio e de uso aos dados governamentais. Inicia explicando que as plataformas seguem uma lógica de alto investimento, onde praticamente só o Estado é capaz de investir, mas permitem à população, ao utilizarem essa plataforma, gerar riquezas. Temos um claro exemplo ao pensar em uma rodovia como esse investimento. O governo a constrói, mas a entrega aos usuários para trafegarem seus produtos, serviços, passageiros, estimular turismo e economias integradoras etc.. Em outras palavras, uma plataforma rodoviária do governo, mesmo em concessão, será usada pela sociedade, mesmo a custo de pedágios. O mesmo serve para plataformas digitais. O governo americano durante a gestão Reagan, em 1983, tornou disponível ao mundo o Sistema de Posicionamento Global - GPS. A partir do uso mundial dessa plataforma podemos calcular quantos outros produtos e serviços foram gerado

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Segundo: Governo Único para Cidadão Único.

A visão organizacional que o governo tem de si mesmo é a de ser um amontoado de compartimentos organizados por temas, numa estrutura hierárquica funcional que, de pesado equilíbrio, assenta-se de forma estanque e rígida em sólidas bases da lei. Por isso, só executa scripts de competências restritas, estimulando o isolamento – quantos governos dentro de um só – e a decorrente ausência de cooperação, refletindo, na visão do cidadão, um governo fragmentado, com algumas ilhas de excelência e grandes continentes de baixa eficiência. De igual forma, o governo também vê o cidadão de modo fragmentado: às vezes contribuinte, outras motorista, proprietário, aluno, paciente... mas nunca um cidadão único. E essas fragmentações impedem a visão da pluralidade, do todo, de um único harmônico, impedem o entendimento do que representam um e outro. retirado de  Korea IT Times O governo que se apresenta em fragmentos, naturalmente por agir de forma fragmentada, dispersa responsabilid