Pular para o conteúdo principal

Revolução invisível


Ainda outro dia postava aqui sobre o uso de celulares contra o crime, que está sendo implantado pela Libéria, na África. É nesse mesmo continente que iniciativas de uso de celulares vem ganhando dimensões de inclusão digital, social e educacional, em velocidade espantosa e com grande criatividade. Pode-se mesmo dizer que as aplicações que os governos e ONGs estão desenvolvendo para uso no celular estão na pauta do dia como solução quando o problema é informação e comunicação.

É assim que parece pensar também Joel Selanikio, autor do artigo “The invisible computer revolution“, publicado no site da BBC, físico e fundador da DataDyne.org, organização voltada para projetos mobile em países em desenvolvimento. Acho obrigatório conhecer esse projeto em função da simplicidade das soluções, brevemente expostas no artigo da BBC.

Selanikio argumenta que a inclusão digital e educacional na África não tem se realizado por meio de “projetos de laptops de US$ 100″, mas via celular, que, nestas regiões, é utilizado como um computador - para acessar emails, agendar compromissos e fazer pagamentos.

Ainda segundo o artigo, nos países mais ricos o celular também é usado para essas tarefas, mas somente se o computador não estiver acessível. Diferente de países mais pobres, onde, na maioria das vezes, o único ‘computador’ e meio de acessar a internet é o celular.

Entre os projetos da DataDyne, o principal é o EpiSurveyor, que foi adotado pela Organização Mundial da Saúde como software padrão em mobile (pdas e celulares) para coleta de dados e pesquisa, tendo sido inteiramente desenvolvido por programadores da Índia, Quênia e África do Sul. A apresentação do software na OMS você acessa aqui.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles i niciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia. Isto por que, na maioria dos  5563 municípios  brasileiros, i ndependente de porte ou localização , há um imenso  descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las.  Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno  século XXI,  índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU. Bem, a choradeira para por ai.  O que gostaríamos de falar, daqui para a frente,  para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as  grandes alterações  que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo  novas oportunida

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Segundo: Governo Único para Cidadão Único.

A visão organizacional que o governo tem de si mesmo é a de ser um amontoado de compartimentos organizados por temas, numa estrutura hierárquica funcional que, de pesado equilíbrio, assenta-se de forma estanque e rígida em sólidas bases da lei. Por isso, só executa scripts de competências restritas, estimulando o isolamento – quantos governos dentro de um só – e a decorrente ausência de cooperação, refletindo, na visão do cidadão, um governo fragmentado, com algumas ilhas de excelência e grandes continentes de baixa eficiência. De igual forma, o governo também vê o cidadão de modo fragmentado: às vezes contribuinte, outras motorista, proprietário, aluno, paciente... mas nunca um cidadão único. E essas fragmentações impedem a visão da pluralidade, do todo, de um único harmônico, impedem o entendimento do que representam um e outro. retirado de  Korea IT Times O governo que se apresenta em fragmentos, naturalmente por agir de forma fragmentada, dispersa responsabilid

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Terceiro: o Governo como Plataforma

A ideia de Tim O'Reilly ao criar o termo e a abordagem de Governo como Plataforma, foi dar uma perspectiva de valor de patrimônio e de uso aos dados governamentais. Inicia explicando que as plataformas seguem uma lógica de alto investimento, onde praticamente só o Estado é capaz de investir, mas permitem à população, ao utilizarem essa plataforma, gerar riquezas. Temos um claro exemplo ao pensar em uma rodovia como esse investimento. O governo a constrói, mas a entrega aos usuários para trafegarem seus produtos, serviços, passageiros, estimular turismo e economias integradoras etc.. Em outras palavras, uma plataforma rodoviária do governo, mesmo em concessão, será usada pela sociedade, mesmo a custo de pedágios. O mesmo serve para plataformas digitais. O governo americano durante a gestão Reagan, em 1983, tornou disponível ao mundo o Sistema de Posicionamento Global - GPS. A partir do uso mundial dessa plataforma podemos calcular quantos outros produtos e serviços foram gerado