Pular para o conteúdo principal

Não Deixe Sua Informação Virar Traça


Um dos paradigmas gerenciais, que felizmente está indo por água abaixo na sociedade do conhecimento, é o famoso “informação é poder, e por isso eu não a divido com ninguém”.

Nunca acreditei muito nessa lorota, mas agora o fracasso dessa postura está ficando mais evidente.

Minhas impressões sobre cinco dos porquês, que podem explicar essa virada:

1. Informação antes era estoque, agora é fluxo. Como quase tudo atualmente, o ciclo de vida de uma informação é curtíssimo. Assim, um gerente à moda antiga pode pensar que está guardando uma mina de ouro, quando na verdade, ao abrir a gaveta, encontrará apenas traças;

2.  Na era da internet e das mídias sociais, os gerentes passam a ser avaliados por suas relações. Quem não troca informações não cresce profissionalmente e passa a marcar passo na carreira. Cada vez mais as organizações, ao recrutarem novos profissionais, observam, além do curriculum tradicional do pretendente, sua presença no mundo virtual, representada por postagens em blogs, participação em fóruns técnicos, inserção em redes sociais, entre outras. Quanto mais “estrelinhas” o gerente conquistar nesse universo, maior será sua chance de sucesso profissional;

3.  As organizações contemporâneas esperam de um gerente que ele seja muito mais do que um mero guardador de informações, estimulando a geração continuada de conhecimento, que, como já sabemos, é o único insumo que só se multiplica quanto é dividido. Como participar desse ciclo, sem trocar figurinhas o tempo todo?

4.  As novas gerações, hiperconectadas, ao ingressarem no mercado de trabalho trazem dentro de suas cabeças novos modelos mentais, centrados na colaboração e na cocriação, e acham esquisito quem não age assim. Um gerente que não tenha a humildade de rever suas práticas irá, com o passar do tempo, estreitando seus horizontes;

5. Com o crescimento das incertezas e da natureza complexa dos problemas a serem tratados nas organizações, nenhuma especialização sozinha consegue articular soluções efetivas.  O jeito é buscar outras visões com as quais se possa aprender e ensinar. Observe que, hoje, projetos complexos só vão para frente quando idealizados, construídos e implantados sob uma abordagem transdisciplinar.

Abandonar paradigmas que prevaleceram por tantos e tantos anos não é tarefa fácil para nenhum de nós, o que, entretanto, não nos exime de tentar novos caminhos. Mesmo que os primeiros quilômetros possam ser angustiantes, aos poucos essa sensação irá sendo trocada por uma bela “paisagem”, que, neste caso, simboliza a confiança reconquistada.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles i niciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia. Isto por que, na maioria dos  5563 municípios  brasileiros, i ndependente de porte ou localização , há um imenso  descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las.  Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno  século XXI,  índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU. Bem, a choradeira para por ai.  O que gostaríamos de falar, daqui para a frente,  para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as  grandes alterações  que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo  novas oportunida

Choque de Conhecimento I

O acelerado crescimento econômico da Irlanda, que já caminha para duas décadas, é um dos mais ilustrativos exemplos da reinvenção de um país em torno da produção do conhecimento. Em meados da década de 80, a Irlanda tinha um produto por habitante cerca de 60% abaixo da média dos países da UE -União Européia. O desemprego, oscilando em torno dos 18%, a forte emigração em busca de novas oportunidades no exterior e a contínua degradação de áreas urbanas, notadamente na capital, Dublin, eram algumas das mais tristes marcas dessa época de desalento. Hoje, cerca de 20 anos depois, a Irlanda tornou-se um país opulento. O produto per capita está, agora, em torno de US$ 38 mil, 40% acima da média dos países europeus e o segundo maior da UE, o desemprego recuou para 4%, a emigração deu lugar à imigração e os programas de recuperação urbana tornaram-se “cases” mundiais de sucesso. Um complexo conjunto de fatores, nos planos, político, social e econômico, que podem ser conferidos, por exemplo, no

Design Thinking em Governo: abrem-se os caminhos

Temos dedicado muito tempo de nossas pesquisas na avaliação da metodologia de Design Thinking, adaptada a governo para apoiar a inovação, na tentativa de adotá-la para a criação e reformulação de serviços públicos. O Pepe já havia comentado aqui anteriormente sobre Roger Martin e o Design de Negócios, bem como nos trouxe uma trilogia de posts ( 1 , 2 e 3 ) apontando a aplicação que pode ser dada ao tema em governo, baseado também na obra de Tim Brown e nos cases da IDEO . Nossas impressões foram confirmadas com a recente publicação de dois trabalhos que a IDEO realizou junto a The Partnership for Public Services , entidade não governamental que trabalha para produzir inovação em governo nos EUA. Essas publicações, que considero leitura obrigatória, estão dirigidas a dois públicos distintos: Innovation in Government : para todos envolvidos em inovação, é uma agradável e bem organizada leitura que introduz o assunto inovação em governo, baseada em depoimentos de especialistas, a