Pular para o conteúdo principal

Big Data: Como Evitar um Big Fracasso

Há mais de 40 anos, em um trabalho acadêmico, tive a oportunidade de entrevistar um empresário aqui de São Paulo. Durante a conversa, fui por ele apresentado a uma pasta contendo uma série de recortes de notícias colhidos nos mais importantes jornais e revistas da época, aos quais se somavam alguns manuscritos por ele mesmo redigidos com base no que captava nos programas de rádio e TV. Tudo classificado de A a Z.

Este é o meu mais importante banco de dados, me disse com indisfarçável orgulho.

E as informações que vem dos computadores? O senhor não as utiliza? Perguntei algo surpreso.

É lógico que sim. Na sequência, sapecou uma frase que não mais esqueci. Os números que recebo dos computadores me falam do hoje e do amanhã, enquanto que estas minhas pastas me preparam para o futuro.

Tecnicamente falando, o computador lhe instrumentava o operacional e o gerencial e suas pastas, o estratégico.

Interrompo a história, para lembrar aos nativos digitais que os computadores, à época, embora impressionassem pelo tamanho, eram máquinas caras e muito limitadas, que só entendiam a linguagem dos números. Informações desestruturadas, como as colecionadas por meu entrevistado, não podiam ser processadas.

Retomando, lembro outra frase marcante de meu interlocutor: Tenho certeza que, no futuro, os computadores além processarem dados numéricos conseguirão preparar estas pastas para mim.

Quase meio século depois, o surgimento dos Big Data, está demonstrando que meu entrevistado estava certo.

Os computadores tornaram-se máquinas mais poderosas e o mundo muito mais complexo e mutante. As organizações contemporâneas têm sido levadas, para sobreviver, a aprimorar a sua capacidade analítica. Os Big Data fornecem o instrumento, misturando números e dados não estruturados.

Como o instrumento tende a se espalhar para a maioria das grandes organizações, a diferença entre o sucesso e fracasso, entre o dinheiro bem aplicado e o desperdício, estará mais uma vez centrada na composição e na qualidade dos “químicos” que irão preparar esse “coquetel”.

De imediato, a organização que pretender utilizar os Big Data deve superar o estágio eliminatório, que envolve responder duas questões fundamentais, aparentemente óbvias, mas que nem sempre são levadas em consideração:

- Nós dispomos de boas bases de dados quantitativos e qualitativos que nos permitam preparar o “coquetel”? 

- Nós temos clareza sobre o que fazer com os indicadores que serão gerados?

Se está etapa corresponder a dois sins, então é hora de montar uma equipe altamente qualificada para essa atividade.

Nessa montagem, deve ficar cristalino que a implantação de projetos de Big Data, embora envolva ações como um viés bastante forte em TIC - Tecnologia da Informação e Comunicação, não deve ficar circunscrita  a essas especializações. Dado o caráter transversal desses projetos, a equipe envolvida nessa empreitada, sob nosso julgamento, deverá agregar ao menos mais dois perfis de conhecimento, que na história por mim relatada, guardadas as diferenças de época, eram acumuladas pelo meu sagaz interlocutor.

São eles:

- Pessoas com bons insights e visão compreensiva da complexidade que marca a sociedade e a economia atuais;

- Colaboradores com profundo conhecimento do negócio que se pretenda monitorar e projetar.

Se a transdisciplinaridade não ficar clara para os stakeholders do projeto, e não se refletir na montagem da equipe, o mesmo tende a ser encarado como mais uma tarefa exclusiva da "turma da computação" e o fracasso será questão de tempo.

Neste caso, ficará bem mais em conta montar pastinhas como as do meu entrevistado.

Comentários

Luiz Soares disse…
Achei muito boas suas colocações.

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles iniciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia.

Isto por que, na maioria dos 5563 municípios brasileiros, independente de porte ou localização, há um imenso descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las. Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno século XXI, índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU.
Bem, a choradeira para por ai. O que gostaríamos de falar, daqui para a frente, para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as grandes alterações que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo novas oportunidades para os municípios, não im…

Design Thinking em Governo: abrem-se os caminhos

Temos dedicado muito tempo de nossas pesquisas na avaliação da metodologia de Design Thinking, adaptada a governo para apoiar a inovação, na tentativa de adotá-la para a criação e reformulação de serviços públicos. O Pepe já havia comentado aqui anteriormente sobre Roger Martin e o Design de Negócios, bem como nos trouxe uma trilogia de posts ( 1, 2 e 3 ) apontando a aplicação que pode ser dada ao tema em governo, baseado também na obra de Tim Brown e nos cases da IDEO.

Nossas impressões foram confirmadas com a recente publicação de dois trabalhos que a IDEO realizou junto a The Partnership for Public Services, entidade não governamental que trabalha para produzir inovação em governo nos EUA. Essas publicações, que considero leitura obrigatória, estão dirigidas a dois públicos distintos:


Innovation in Government: para todos envolvidos em inovação, é uma agradável e bem organizada leitura que introduz o assunto inovação em governo, baseada em depoimentos de especialistas, apresentando …

Habilidades e Atitudes do Novo Gerente

Os gerentes que, ao longo dos próximos anos, ambicionarem progressos consistentes em suas carreiras deverão dedicar particular atenção à readequação de suas competências e habilidades, recalibrando-as no sentido da chefia tradicional para a liderança de equipes, do “mandar” para o “convencer”, do “eu ganhei, nós empatamos e vocês perderam” para o “tamo juntos”, só para exemplificar.
Esta, seguramente, não será - ou não tem sido, para aqueles que já iniciaram essa caminhada - uma mudança fácil, pois envolve, além de crescentes esforços de atualização no âmbito estritamente técnico, uma profunda remontagem nos modelos mentais tradicionais.
No campo técnico, a rápida e incansável diminuição no ciclo de vida de processos e produtos tem colocado, cada vez mais, a aprendizagem continuada na ordem do dia. O know-how dos colaboradores e, por consequência, das organizações, sofre ataques praticamente diários que empurram a atividade “aprender” para dentro da “folhinha de produção”. Nesse cenário…