Pular para o conteúdo principal

Em Busca da Métrica Perdida


Em época de mudanças aceleradas como a atual, é natural que as regras do jogo também se alterem com maior frequência. Este cenário causa bastante desconforto para a grande maioria das organizações, sejam elas privadas ou governamentais, acostumadas a tempos menos turbulentos, nos quais as regras “jogo” eram mais estáveis facilitando seu entendimento. 

Uma das questões centrais neste cenário “montanha russa” passa, sob nosso ponto de vista pelo correto entendimento do conceito de produtividade.

A maioria das organizações ainda decodifica essa palavra a partir dos modelos mentais da antiga sociedade industrial. No mundo privado, essa leitura tem conduzido muitas organizações a perderem “market share” e, no mundo governamental, a gerar políticas públicas e serviços que se distanciam das demandas de uma cidadania articulada em rede.

Apesar dos mares turvos e agitados, a leitura tradicional do que seja produtividade não é fácil de ser descartada. Primeiro por que os métodos e técnicas desenvolvidos por Ford, Taylor, Fayol e seus seguidores permitiu observarmos, ao longo do século XX, um espetacular incremento de 50 vezes na produtividade do trabalho manual, conforme apontado no ótimo livro de Klaus North e Stefan Gueldeberg “Effective Knowledge Work”. Segundo por que a era do conhecimento é muito novinha e ainda está construindo suas trilhas e métricas.

De qualquer maneira, conforme formos adentrando no século XXI ficará mais perceptível para as empresas e para os governos que fazer mais do mesmo, ainda que mais rápido, será uma armadilha que conduzirá, respectivamente, à perda de oportunidades e de representatividade. 

Isto por que para a nova economia, calcada na produção de bens imateriais puros (software, games, serviços on-line, etc.) ou que tenham forte carga de conhecimento embutido (satélites, veículos, televisores, etc.), a produtividade do trabalho manual conta pouco. O desafio nessa era é gerar, nas palavras de Peter Drucker, uma nova forma de gestão que permita ao trabalhador do conhecimento obter aumentos de produtividade do trabalho intelectual compatíveis com os observados pelo trabalhador manual no século XX.

Neste blog e em toda rede paulista de inovação, temos nos dedicado bastante a falar sobre esses novos métodos e técnicas gerenciais que buscam incrementar a produtividade do trabalho intelectual, apontando casos de sucesso já obtidos por empresas e governos mais antenados.

Para encerrar, uma metáfora. Se pegarmos a estrada errada, pouco adiantará termos um carro econômico.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Terceiro: o Governo como Plataforma

A ideia de Tim O'Reilly ao criar o termo e a abordagem de Governo como Plataforma, foi dar uma perspectiva de valor de patrimônio e de uso aos dados governamentais. Inicia explicando que as plataformas seguem uma lógica de alto investimento, onde praticamente só o Estado é capaz de investir, mas permitem à população, ao utilizarem essa plataforma, gerar riquezas. Temos um claro exemplo ao pensar em uma rodovia como esse investimento. O governo a constrói, mas a entrega aos usuários para trafegarem seus produtos, serviços, passageiros, estimular turismo e economias integradoras etc.. Em outras palavras, uma plataforma rodoviária do governo, mesmo em concessão, será usada pela sociedade, mesmo a custo de pedágios. O mesmo serve para plataformas digitais. O governo americano durante a gestão Reagan, em 1983, tornou disponível ao mundo o Sistema de Posicionamento Global - GPS. A partir do uso mundial dessa plataforma podemos calcular quantos outros produtos e serviços foram gerado

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles i niciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia. Isto por que, na maioria dos  5563 municípios  brasileiros, i ndependente de porte ou localização , há um imenso  descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las.  Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno  século XXI,  índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU. Bem, a choradeira para por ai.  O que gostaríamos de falar, daqui para a frente,  para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as  grandes alterações  que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo  novas oportunida

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Segundo: Governo Único para Cidadão Único.

A visão organizacional que o governo tem de si mesmo é a de ser um amontoado de compartimentos organizados por temas, numa estrutura hierárquica funcional que, de pesado equilíbrio, assenta-se de forma estanque e rígida em sólidas bases da lei. Por isso, só executa scripts de competências restritas, estimulando o isolamento – quantos governos dentro de um só – e a decorrente ausência de cooperação, refletindo, na visão do cidadão, um governo fragmentado, com algumas ilhas de excelência e grandes continentes de baixa eficiência. De igual forma, o governo também vê o cidadão de modo fragmentado: às vezes contribuinte, outras motorista, proprietário, aluno, paciente... mas nunca um cidadão único. E essas fragmentações impedem a visão da pluralidade, do todo, de um único harmônico, impedem o entendimento do que representam um e outro. retirado de  Korea IT Times O governo que se apresenta em fragmentos, naturalmente por agir de forma fragmentada, dispersa responsabilid