Pular para o conteúdo principal

O Primeiro Desafio da Gestão do Conhecimento


Implementar um programa de gestão do conhecimento nas organizações, independente de tamanho ou setor, não é tarefa simples. Nas salas de aula e nos ambientes de trabalho, com raras e honrosas exceções, não somos estimulados a agir proativamente e a criar e compartilhar conhecimento.

Escolas e empresas, moldadas que foram pela era industrial, privilegiam a obediência inconteste e a especialização extremada. A produção de conhecimento, neste modelo, é atribuição de uns poucos cérebros iluminados, situados na parte de cima dos organogramas, que os repassa, sob a forma de tarefas, para os demais funcionários.

A incipiente era do conhecimento possui, no entanto, outros valores e paradigmas, que são, a princípio, como é comum em momentos de mudança, mal compreendidos, subestimados, ridicularizados ou, até mesmo, nos casos mais agudos de cegueira organizacional, simplesmente ignorados.

Com o passar do tempo e com o aumento do fracasso de métodos tradicionais que sempre deram certo, a questão do conhecimento vai, de mansinho, entrando na pauta das empresas, ainda que nem sempre - na verdade quase nunca - isto ocorra pela porta da frente.

Nas frestas abertas para o exame da questão do conhecimento, percebo que o primeiro problema a ser enfrentado é dirimir a confusão ainda hoje muito presente, entre gestão da informação e gestão do conhecimento.

Se pudéssemos transformá-las em pessoas, veríamos que, embora parentes próximos, primos irmãos eu diria, a informação e o conhecimento possuem personalidades bem diferentes, merecendo, por isso mesmo, tratamento bem distinto.

A informação é desconfiada, disciplinada, pragmática, rigorosa, gosta de tudo bem certinho, não é muito dada a improvisações. Se pudesse falar, repetiria coisas do tipo: Pão pão, queijo queijo. Quem espera sempre alcança. Anda, sempre, com a tábua de logaritmos debaixo do braço.

O conhecimento ao contrário, arrisca mais, é abusado, irreverente, distraído, tem certa dificuldade de expressão. Lembraria, se pudesse se manifestar, ditados tais como: Errando é que se aprende. Agora, Inês é morta. Seu livro de cabeceira é “Dom Quixote” de Cervantes.

Voltando para o plano organizacional, desconsiderar essas diferenças impede a implantação de programas sérios de Gestão do Conhecimento e frusta aqueles que buscam, apenas, um bom projeto de Gestão de Informação.

Na próxima postagem, à luz dessas peculiaridades, mostrarei os requisitos e os impactos de uma e de outra ação sobre os principais recursos e dimensões organizacionais.

Até lá, caro leitor, peça aos dois para não brigarem.

Comentários

Anônimo disse…
Muito bom este texto. Existe outro problema relacionado com GC que é imaginar que tudo que diga respeito à documentação é de responsabilidade da GC. Em parte isto é verdade. No entanto, devido ao fato que a GC é uma atividade com uma larga abrangência ela não pode querer abraçar tudo. Isto seria impossível. Assim, cada empresa deve definir um foco prioritário de atuação da sua área de GC, de acordo com a capacidade de atuação da sua equipe de GC.

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles iniciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia.

Isto por que, na maioria dos 5563 municípios brasileiros, independente de porte ou localização, há um imenso descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las. Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno século XXI, índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU.
Bem, a choradeira para por ai. O que gostaríamos de falar, daqui para a frente, para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as grandes alterações que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo novas oportunidades para os municípios, não im…

Design Thinking em Governo: abrem-se os caminhos

Temos dedicado muito tempo de nossas pesquisas na avaliação da metodologia de Design Thinking, adaptada a governo para apoiar a inovação, na tentativa de adotá-la para a criação e reformulação de serviços públicos. O Pepe já havia comentado aqui anteriormente sobre Roger Martin e o Design de Negócios, bem como nos trouxe uma trilogia de posts ( 1, 2 e 3 ) apontando a aplicação que pode ser dada ao tema em governo, baseado também na obra de Tim Brown e nos cases da IDEO.

Nossas impressões foram confirmadas com a recente publicação de dois trabalhos que a IDEO realizou junto a The Partnership for Public Services, entidade não governamental que trabalha para produzir inovação em governo nos EUA. Essas publicações, que considero leitura obrigatória, estão dirigidas a dois públicos distintos:


Innovation in Government: para todos envolvidos em inovação, é uma agradável e bem organizada leitura que introduz o assunto inovação em governo, baseada em depoimentos de especialistas, apresentando …

Habilidades e Atitudes do Novo Gerente

Os gerentes que, ao longo dos próximos anos, ambicionarem progressos consistentes em suas carreiras deverão dedicar particular atenção à readequação de suas competências e habilidades, recalibrando-as no sentido da chefia tradicional para a liderança de equipes, do “mandar” para o “convencer”, do “eu ganhei, nós empatamos e vocês perderam” para o “tamo juntos”, só para exemplificar.
Esta, seguramente, não será - ou não tem sido, para aqueles que já iniciaram essa caminhada - uma mudança fácil, pois envolve, além de crescentes esforços de atualização no âmbito estritamente técnico, uma profunda remontagem nos modelos mentais tradicionais.
No campo técnico, a rápida e incansável diminuição no ciclo de vida de processos e produtos tem colocado, cada vez mais, a aprendizagem continuada na ordem do dia. O know-how dos colaboradores e, por consequência, das organizações, sofre ataques praticamente diários que empurram a atividade “aprender” para dentro da “folhinha de produção”. Nesse cenário…