Pular para o conteúdo principal

De optimo reipublicae statu, deque nova insula Utopia

Em português, Sobre o melhor Estado de uma República e sobre a nova ilha Utopia, ou simplesmente Utopia, é uma obra escrita há cinco séculos por Thomas Morus ou Thomas More, na qual imagina uma ilha onde vive uma sociedade organizada e justa. Nessa comunidade é estabelecida a propriedade comum dos bens, a isenção de guerras, onde impera a paz e a harmonia de interesses, com a distribuição equitativa dos recursos produzidos na ilha.

Foi um dos principais livros em minha juventude, durante a ditadura militar, uma espécie de rebeldia intelectual, visto que se aplicava muito bem ao comunismo ou, para outros, à anarquia. Na biografia de Thomas Morus, uma carreira bem trilhada, honrada e competente no serviço público da Inglaterra, com final trágico de martírio sob o jugo de Henrique VIII.


Poucos sabem, entretanto, que Thomas More foi, em outubro de 2000, declarado santo pelo Vaticano, sob o nome de São Tomás Moro, em carta apostólica de João Paulo II. E como santo, São Tomás Moro é o Patrono dos Governantes e dos Políticos, sendo comemorado seu dia em 22 de junho.


Como hoje estamos neste dia*, ao abrir os jornais e noticiários pela manhã e constatar o contínuo agravamento da desigualdade, os escândalos políticos sem punição, a decadência da justiça e tanta improbidade, resolvo evocar o santo e sua obra, mas apenas como lembrança, sem esperanças, nem milagres.


Por fim, como dia 28 de outubro é dia do Funcionário Público e dia de São Judas Tadeu, santo patrono das causas desesperadas e das causas perdidas, talvez com esse reforço o divino nos conceda a utópica justiça.


*publicado originariamente em 22/06/2009, em http://igovsp.blogspot.com/ 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles i niciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia. Isto por que, na maioria dos  5563 municípios  brasileiros, i ndependente de porte ou localização , há um imenso  descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las.  Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno  século XXI,  índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU. Bem, a choradeira para por ai.  O que gostaríamos de falar, daqui para a frente,  para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as  grandes alterações  que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo  novas oportunida

Design Thinking em Governo: abrem-se os caminhos

Temos dedicado muito tempo de nossas pesquisas na avaliação da metodologia de Design Thinking, adaptada a governo para apoiar a inovação, na tentativa de adotá-la para a criação e reformulação de serviços públicos. O Pepe já havia comentado aqui anteriormente sobre Roger Martin e o Design de Negócios, bem como nos trouxe uma trilogia de posts ( 1 , 2 e 3 ) apontando a aplicação que pode ser dada ao tema em governo, baseado também na obra de Tim Brown e nos cases da IDEO . Nossas impressões foram confirmadas com a recente publicação de dois trabalhos que a IDEO realizou junto a The Partnership for Public Services , entidade não governamental que trabalha para produzir inovação em governo nos EUA. Essas publicações, que considero leitura obrigatória, estão dirigidas a dois públicos distintos: Innovation in Government : para todos envolvidos em inovação, é uma agradável e bem organizada leitura que introduz o assunto inovação em governo, baseada em depoimentos de especialistas, a

Choque de Conhecimento I

O acelerado crescimento econômico da Irlanda, que já caminha para duas décadas, é um dos mais ilustrativos exemplos da reinvenção de um país em torno da produção do conhecimento. Em meados da década de 80, a Irlanda tinha um produto por habitante cerca de 60% abaixo da média dos países da UE -União Européia. O desemprego, oscilando em torno dos 18%, a forte emigração em busca de novas oportunidades no exterior e a contínua degradação de áreas urbanas, notadamente na capital, Dublin, eram algumas das mais tristes marcas dessa época de desalento. Hoje, cerca de 20 anos depois, a Irlanda tornou-se um país opulento. O produto per capita está, agora, em torno de US$ 38 mil, 40% acima da média dos países europeus e o segundo maior da UE, o desemprego recuou para 4%, a emigração deu lugar à imigração e os programas de recuperação urbana tornaram-se “cases” mundiais de sucesso. Um complexo conjunto de fatores, nos planos, político, social e econômico, que podem ser conferidos, por exemplo, no