Pular para o conteúdo principal

Vicente Matheus, Yogi Berra e o Futuro

Embora Vicente Matheus e Yogi Berra provavelmente jamais tenham se conhecido pessoalmente, ambos notabilizaram-se não só pela sua atividade profissional, como pelas frases folcloricas que perpetravam.

As tiradas do saudoso presidente corintiano, e algumas outras a ele atribuídas, são hoje clássicos do anedotário brasileiro.

Da mesma forma, Yogi Berra, um dos maiores jogadores de baseball de todos os tempos, atualmente com 86 anos, também ficou conhecido pela suas frases de duplo ou sem sentido, todas muitos gozadas.

As semelhanças não param aí. Em ambos os casos, em ao menos uma ocasião, o descompromisso de suas frases tornaram-se vaticínios, ainda que involuntários.

Nela se encaixa a imortal tirada de Vicente Matheus, “Agradeço a Antártica pelas Brahmas enviadas ao Parque São Jorge”, que antecedeu, em alguns anos, a então improvável criação da Ambev, empresa que fundiu as duas marcas concorrentes.

Já Yogi viu uma de suas frases, “The future ain't what it used to be”, que livremente traduzida significaria algo como “O futuro não é mais o que era”, ultrapassar os limites estritos do folclore e entrar para a seleta galeria das grandes profecias. Nada mais correto.

Por exemplo, durante a minha infância e adolescência, nos anos 60, o futuro estava associado a algo abstrato, longínquo, que pouco passava pela cabeça de quem estava planejando a própria vida. Era também sinônimo de fim das doenças e de tudo que era ruim. O mais bem acabado ícone desta visão era o desenho animado dos Jetsons, uma família feliz, em uma época sem problemas.

No mercado de trabalho, pelo menos até o final dos anos 80, o futuro também era pouco lembrado. Nossas ações eram quase que totalmente balizadas pelo passado. Trabalho era sinônimo de conseguir um emprego, as profissões mais desejadas eram as tradicionais. Na minha turma do colegial, por exemplo, lembro que quando a professora de português perguntou que profissão seguiríamos, as opções limitaram-se, em 99% dos casos, à engenharia e medicina. Quando eu falei que iria prestar vestibular para economia, foi uma gargalhada só.

Depois de formado, uma vez empregado, a demanda por cursos universitários de aprimoramento profissional, embora até existisse, era tímida. Uma só especialização, na maioria dos casos, nos garantia uma vida profissional inteira. Os profissionais de processamento de dados (na época não havia informática, e muito menos tecnologia da informação e comunicação) que ingressaram no mercado nos anos 60 e que trabalhavam com a linguagem COBOL, por exemplo, tinham garantida uma carreira inteira sem grandes sobressaltos.

A chegada dos microcomputadores, da Internet e a conseqüente viabilização da globalização, deu cabo a esse cenário de ciclos de vida mais estabilizados.

Hoje, as crianças tornam-se adultas mais rápido. O futuro vai sendo desenhando no dia a dia, confundindo-se com o presente. Nada se repete por muito tempo.

A preocupação com a sustentabilidade, inexistente até a pouco, ganhou força. Temas como aquecimento global, terrorismo sem fronteiras, novas doenças foram, pouco a pouco, pautando nossa vida. Com essa percepção, a idéia do planeta sem problemas passou de sonho à galhofa.

Trabalho e emprego estão se separando, e de forma litigiosa. O talento, antes abafado pela necessidade de grandes capitais, com a disponibilidade de tecnologias poderosas e baratas ganhou sua carta de alforria. Na sociedade atual, a empresa corre atrás do talento, invertendo, aos poucos, a lógica anterior. As redes globais de colaboração conformam novas modalidades de negócio, colocando em cheque modelos tradicionais.

Música, gastronomia, hotelaria, turismo, e diversas outras atividades ligadas ao entretenimento, antes pouco valorizadas pelo mercado, aumentam a cada ano a sua fatia na formação da riqueza das nações, principalmente daquelas mais inseridas na nova economia, pautada pelo conhecimento.

Por isso tudo, a educação, antes um evento discreto, além de repensar seus conteúdos e métodos pedagógicos, tornou-se uma necessidade continuada, dado que muito do precisamos saber hoje, estará descartado amanhã.

Yogi Berra, você realmente é o cara!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles i niciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia. Isto por que, na maioria dos  5563 municípios  brasileiros, i ndependente de porte ou localização , há um imenso  descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las.  Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno  século XXI,  índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU. Bem, a choradeira para por ai.  O que gostaríamos de falar, daqui para a frente,  para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as  grandes alterações  que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo  novas oportunida

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Segundo: Governo Único para Cidadão Único.

A visão organizacional que o governo tem de si mesmo é a de ser um amontoado de compartimentos organizados por temas, numa estrutura hierárquica funcional que, de pesado equilíbrio, assenta-se de forma estanque e rígida em sólidas bases da lei. Por isso, só executa scripts de competências restritas, estimulando o isolamento – quantos governos dentro de um só – e a decorrente ausência de cooperação, refletindo, na visão do cidadão, um governo fragmentado, com algumas ilhas de excelência e grandes continentes de baixa eficiência. De igual forma, o governo também vê o cidadão de modo fragmentado: às vezes contribuinte, outras motorista, proprietário, aluno, paciente... mas nunca um cidadão único. E essas fragmentações impedem a visão da pluralidade, do todo, de um único harmônico, impedem o entendimento do que representam um e outro. retirado de  Korea IT Times O governo que se apresenta em fragmentos, naturalmente por agir de forma fragmentada, dispersa responsabilid

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Terceiro: o Governo como Plataforma

A ideia de Tim O'Reilly ao criar o termo e a abordagem de Governo como Plataforma, foi dar uma perspectiva de valor de patrimônio e de uso aos dados governamentais. Inicia explicando que as plataformas seguem uma lógica de alto investimento, onde praticamente só o Estado é capaz de investir, mas permitem à população, ao utilizarem essa plataforma, gerar riquezas. Temos um claro exemplo ao pensar em uma rodovia como esse investimento. O governo a constrói, mas a entrega aos usuários para trafegarem seus produtos, serviços, passageiros, estimular turismo e economias integradoras etc.. Em outras palavras, uma plataforma rodoviária do governo, mesmo em concessão, será usada pela sociedade, mesmo a custo de pedágios. O mesmo serve para plataformas digitais. O governo americano durante a gestão Reagan, em 1983, tornou disponível ao mundo o Sistema de Posicionamento Global - GPS. A partir do uso mundial dessa plataforma podemos calcular quantos outros produtos e serviços foram gerado