Pular para o conteúdo principal

Viva os Icebergs

Não sei o que seria dos docentes de Gestão do Conhecimento se não existissem os icebergs!

Eu explico. Pelas suas características, essas formações fornecem ao professor um suporte gráfico bastante lúdico e intuitivo para trabalhar a diferença entre dados, informações e conhecimento, demonstração esta, fundamental para entender a disciplina em sua correta dimensão e, a partir daí, definir suas técnicas e ferramentas.

Se esta diferença não ficar clara, a tendência de confundir Gestão do Conhecimento com Gestão da Informação se agiganta e a tecnologia começa a empurrar o resto - entenda-se como resto, inclusive, as pessoas - para a periferia da questão. Nesta visão, nada escapa a um bom datawarehouse.

Estou falando isto para exaltar um site australiano, chamado anecdote, que descobri ao navegar pelo portal do David Gurteen, a mais ampla referência virtual que conheço sobre Gestão do Conhecimento.

O principal trabalho da equipe multidisciplinar que toca o anecdote consiste em identificar, trazer à tona e conectar à estratégia da organização histórias corporativas relevantes, mas que, normalmente, não são "enxergadas" pelos radares burocráticos da instituição. Somente histórias captam o que realmente está ocorrendo na organização, dizem os autores, com a minha humilde concordância

Para sustentar essa visão, o time da anecdote utiliza de forma consistente e convincente os princípios da Gestão do Conhecimento, deixando sempre muito presente que dados e informações não podem ser tratados como sinônimos de conhecimento, e mais ainda circulam por domínios completamente distintos.

Para fundamentar suas idéias, a equipe publicou um ótimo whitepaper aqui disponível para download gratuito, sobre o que consideram, de fato, vem a ser gestão do conhecimento. A linguagem adotada, como não poderia deixar de ser, é bastante coloquial e baseia-se na metáfora dos nossos famosos icebergs.

Ah! Se não fossem eles.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles i niciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia. Isto por que, na maioria dos  5563 municípios  brasileiros, i ndependente de porte ou localização , há um imenso  descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las.  Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno  século XXI,  índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU. Bem, a choradeira para por ai.  O que gostaríamos de falar, daqui para a frente,  para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as  grandes alterações  que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo  novas oportunida

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Terceiro: o Governo como Plataforma

A ideia de Tim O'Reilly ao criar o termo e a abordagem de Governo como Plataforma, foi dar uma perspectiva de valor de patrimônio e de uso aos dados governamentais. Inicia explicando que as plataformas seguem uma lógica de alto investimento, onde praticamente só o Estado é capaz de investir, mas permitem à população, ao utilizarem essa plataforma, gerar riquezas. Temos um claro exemplo ao pensar em uma rodovia como esse investimento. O governo a constrói, mas a entrega aos usuários para trafegarem seus produtos, serviços, passageiros, estimular turismo e economias integradoras etc.. Em outras palavras, uma plataforma rodoviária do governo, mesmo em concessão, será usada pela sociedade, mesmo a custo de pedágios. O mesmo serve para plataformas digitais. O governo americano durante a gestão Reagan, em 1983, tornou disponível ao mundo o Sistema de Posicionamento Global - GPS. A partir do uso mundial dessa plataforma podemos calcular quantos outros produtos e serviços foram gerado

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Segundo: Governo Único para Cidadão Único.

A visão organizacional que o governo tem de si mesmo é a de ser um amontoado de compartimentos organizados por temas, numa estrutura hierárquica funcional que, de pesado equilíbrio, assenta-se de forma estanque e rígida em sólidas bases da lei. Por isso, só executa scripts de competências restritas, estimulando o isolamento – quantos governos dentro de um só – e a decorrente ausência de cooperação, refletindo, na visão do cidadão, um governo fragmentado, com algumas ilhas de excelência e grandes continentes de baixa eficiência. De igual forma, o governo também vê o cidadão de modo fragmentado: às vezes contribuinte, outras motorista, proprietário, aluno, paciente... mas nunca um cidadão único. E essas fragmentações impedem a visão da pluralidade, do todo, de um único harmônico, impedem o entendimento do que representam um e outro. retirado de  Korea IT Times O governo que se apresenta em fragmentos, naturalmente por agir de forma fragmentada, dispersa responsabilid