Pular para o conteúdo principal

Viva os Icebergs

Não sei o que seria dos docentes de Gestão do Conhecimento se não existissem os icebergs!

Eu explico. Pelas suas características, essas formações fornecem ao professor um suporte gráfico bastante lúdico e intuitivo para trabalhar a diferença entre dados, informações e conhecimento, demonstração esta, fundamental para entender a disciplina em sua correta dimensão e, a partir daí, definir suas técnicas e ferramentas.

Se esta diferença não ficar clara, a tendência de confundir Gestão do Conhecimento com Gestão da Informação se agiganta e a tecnologia começa a empurrar o resto - entenda-se como resto, inclusive, as pessoas - para a periferia da questão. Nesta visão, nada escapa a um bom datawarehouse.

Estou falando isto para exaltar um site australiano, chamado anecdote, que descobri ao navegar pelo portal do David Gurteen, a mais ampla referência virtual que conheço sobre Gestão do Conhecimento.

O principal trabalho da equipe multidisciplinar que toca o anecdote consiste em identificar, trazer à tona e conectar à estratégia da organização histórias corporativas relevantes, mas que, normalmente, não são "enxergadas" pelos radares burocráticos da instituição. Somente histórias captam o que realmente está ocorrendo na organização, dizem os autores, com a minha humilde concordância

Para sustentar essa visão, o time da anecdote utiliza de forma consistente e convincente os princípios da Gestão do Conhecimento, deixando sempre muito presente que dados e informações não podem ser tratados como sinônimos de conhecimento, e mais ainda circulam por domínios completamente distintos.

Para fundamentar suas idéias, a equipe publicou um ótimo whitepaper aqui disponível para download gratuito, sobre o que consideram, de fato, vem a ser gestão do conhecimento. A linguagem adotada, como não poderia deixar de ser, é bastante coloquial e baseia-se na metáfora dos nossos famosos icebergs.

Ah! Se não fossem eles.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles i niciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia. Isto por que, na maioria dos  5563 municípios  brasileiros, i ndependente de porte ou localização , há um imenso  descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las.  Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno  século XXI,  índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU. Bem, a choradeira para por ai.  O que gostaríamos de falar, daqui para a frente,  para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as  grandes alterações  que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo  novas oportunida

Quem Fica Olhando Muito Para Trás, Tem Um Grande Passado Pela Frente

A frase que dá título a este post, proferida pelo grande filósofo e professor Mario Sergio Cortella, deve servir de alerta a muitos de nossos prefeitos.  A maioria deles ainda enxerga a atração de indústrias como o único caminho para o desenvolvimento de uma cidade. Esta visão, formada nos tempos em que fábrica era sinônimo de riqueza, tem feito com que novas oportunidades de crescimento, vinculadas a uma economia cada vez mais pujante, centrada no conhecimento, o mais valioso insumo dos nossos dias, não sejam devidamente estudadas, exploradas e aproveitadas. O que os senhores prefeitos precisam descobrir, desde já, é que nos dias atuais há uma nova "estrada", ainda mal sinalizada, para cidades que almejam um papel de destaque na emergente sociedade do conhecimento. De antemão, asseguro que para chegar a ela não basta usar a velha e onerosa prática de atrair empresas. O sucesso para galgar essa nova "estrada" depende da atração de talentos, pesso

Design Thinking em Governo: abrem-se os caminhos

Temos dedicado muito tempo de nossas pesquisas na avaliação da metodologia de Design Thinking, adaptada a governo para apoiar a inovação, na tentativa de adotá-la para a criação e reformulação de serviços públicos. O Pepe já havia comentado aqui anteriormente sobre Roger Martin e o Design de Negócios, bem como nos trouxe uma trilogia de posts ( 1 , 2 e 3 ) apontando a aplicação que pode ser dada ao tema em governo, baseado também na obra de Tim Brown e nos cases da IDEO . Nossas impressões foram confirmadas com a recente publicação de dois trabalhos que a IDEO realizou junto a The Partnership for Public Services , entidade não governamental que trabalha para produzir inovação em governo nos EUA. Essas publicações, que considero leitura obrigatória, estão dirigidas a dois públicos distintos: Innovation in Government : para todos envolvidos em inovação, é uma agradável e bem organizada leitura que introduz o assunto inovação em governo, baseada em depoimentos de especialistas, a