Pular para o conteúdo principal

Usuários, não. Parceiros, sim! – Co-produzindo serviços públicos

Uma ideia que é consequência direta da aplicação prática do Localismo em gestão pública é a necessidade de se desenvolver serviços locais em conjunto com parceirosde fora do governo, como o terceiro setor, cidadãos, outras instâncias e outros departamentos de governo, bem como fornecedores privados. Essa necessidade fez subir para o topo da agenda da gestão pública aqui no Reino Unido o co-desenho e a co-produção, que versam mais especificamente sobre o envolvimento de cidadãos e usuários no processo de prestação de serviços, desde sua concepção (desenho) até a entrega final (produção).






Na verdade, a visão de alguns (como as think tanks Demos e Governance International) é que co-produção significa mais do que envolver o usuário no processo de desenvolvimento ou transformação de um serviço, mas sim a criação de uma parceria entre usuários e funcionários do serviço público, colocando ambos em um patamar de igualdade. Dessa maneira seria possível compartilhar conhecimento e habilidades, advindos tanto da experiência prática como do aprendizado profissional, como descreve o relatório da Nesta em conjunto com a New Economics Foundation (Nef).
A ideia é que todos os envolvidos na prestação de um serviço, isto é, não só o usuário final, mas também sua família e entes próximos, são responsáveis por entregar uma parte do resultado, em geral oferecendo ajuda mútua (o nosso bem brasileiro “mutirão”). Dessa forma não só melhoraria o serviço prestado, mas também seria ampliado o escopo de serviços oferecidos, principalmente aqueles aspectos que não dependem somente de competências profissionais, mas de um “toque humano”.
É o caso dos pacientes com lesão cerebral que frequentam o projeto
Headway East London. A abordagem tradicional para pacientes que sofrem lesão cerebral é tentar “reabilitá-los”. Entretanto, muitas vezes estes pacientes têm sequelas permanentes, que os impedem de voltar à rotina pré-lesão. No projeto da Headway, a idéia é identificar atividades que estas pessoas possam fazer (ao invés do foco nas suas limitações), e os incorporam às atividades ONG, oferecendo apoio a outros pacientes em situações similares às suas.
Além do caso da Headway, um outro
relatório da parceria Nesta/ Nef contém diversos exemplos de co-produção. Cito dois:




  • A escola Scallywags, único jardim de infância administrado por pais no Reino Unido. Aqui os pais são responsáveis não só pela administração da escolinha, mas também trabalham lá um dia por semana, ajudando a cuidar das crianças, fazendo comida, organizando o espaço. A vantagem, além da criação de laços comunitários entre pais e crianças, é o custo reduzido da escola (um terço do valor médio cobrado por hora em outros jardins de infância).
  • Clínica de Paxton Green e seu banco de horas: pacientes da clínica médica se inscrevem no programa que permite que as pessoas troquem suas habilidades umas com as outras, usando o tempo como unidade de valor. Uma hora de trabalho sempre vale o mesmo, independente das habilidades envolvidas. Valem: carona para o hospital, aula de meditação, companhia para uma caminhada, trocar a lâmpada para um idoso, e por aí vai.



Os casos práticos chamam a atenção para algumas das forças e fraquezas da co-produção. De fato, ela pode significar serviços mais efetivos, preventivos e eficientes (vide outro relatório da Nef, Cutting It). Além disso, há o desejável efeito colateral de que o maior envolvimento de usuários em um serviço traga também a possibilidade de sua emancipação, ao romper a diferenciação entre provedor e recebor do serviço. A co-produção parece funcionar especialmente bem em um contexto de localismo. Os exemplos acima mostram soluções quase artesanais, que funcionam em um dado contexto, e são profundamente dependentes do comprometimento das pessoas envolvidas no processo, como no caso de serviços relacionados a saúde e assistência social. Mas, como aplicar estas ideias a um serviço mais massificado, como por exemplo coleta de lixo, ou manutenção de parques? E como envolver outros parceiros no processo de produção, como fornecedores e outras instâncias de governo?








Publicado também no Observatório do Conhecimento.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles i niciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia. Isto por que, na maioria dos  5563 municípios  brasileiros, i ndependente de porte ou localização , há um imenso  descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las.  Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno  século XXI,  índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU. Bem, a choradeira para por ai.  O que gostaríamos de falar, daqui para a frente,  para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as  grandes alterações  que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo  novas oportunida

Quem Fica Olhando Muito Para Trás, Tem Um Grande Passado Pela Frente

A frase que dá título a este post, proferida pelo grande filósofo e professor Mario Sergio Cortella, deve servir de alerta a muitos de nossos prefeitos.  A maioria deles ainda enxerga a atração de indústrias como o único caminho para o desenvolvimento de uma cidade. Esta visão, formada nos tempos em que fábrica era sinônimo de riqueza, tem feito com que novas oportunidades de crescimento, vinculadas a uma economia cada vez mais pujante, centrada no conhecimento, o mais valioso insumo dos nossos dias, não sejam devidamente estudadas, exploradas e aproveitadas. O que os senhores prefeitos precisam descobrir, desde já, é que nos dias atuais há uma nova "estrada", ainda mal sinalizada, para cidades que almejam um papel de destaque na emergente sociedade do conhecimento. De antemão, asseguro que para chegar a ela não basta usar a velha e onerosa prática de atrair empresas. O sucesso para galgar essa nova "estrada" depende da atração de talentos, pesso

Design Thinking em Governo: abrem-se os caminhos

Temos dedicado muito tempo de nossas pesquisas na avaliação da metodologia de Design Thinking, adaptada a governo para apoiar a inovação, na tentativa de adotá-la para a criação e reformulação de serviços públicos. O Pepe já havia comentado aqui anteriormente sobre Roger Martin e o Design de Negócios, bem como nos trouxe uma trilogia de posts ( 1 , 2 e 3 ) apontando a aplicação que pode ser dada ao tema em governo, baseado também na obra de Tim Brown e nos cases da IDEO . Nossas impressões foram confirmadas com a recente publicação de dois trabalhos que a IDEO realizou junto a The Partnership for Public Services , entidade não governamental que trabalha para produzir inovação em governo nos EUA. Essas publicações, que considero leitura obrigatória, estão dirigidas a dois públicos distintos: Innovation in Government : para todos envolvidos em inovação, é uma agradável e bem organizada leitura que introduz o assunto inovação em governo, baseada em depoimentos de especialistas, a