Pular para o conteúdo principal

Inovação nos tempos da recessão

A maneira mais comum de tornar viáveis cortes nos gastos públicos (particularmente drásticos no caso atual do Reino Unido) é diminuindo o escopo de responsabilidades do Estado. Muitas vezes isso se dá através do bom e velho corte nos serviços oferecidos (vide o polêmico fechamento de bibliotecas) com correspondentes demissões de pessoal. O artigo "Local government strategies in an age of austerity", de Talbot e Talbot, publicado em abril como parte do relatório “Redefining local government”, descreve as diversas abordagens adotadas por governos locais em situação de cortes orçamentários. Mas, de modo geral, pode-se dizer que em tempos de crise há um forte impulso para inovação em serviços.

De fato pressão orçamentária como fator determinante e impulso para inovação me faz lembrar da primeira gestão Covas, durante a qual se viu as tecnologias de informação sendo amplamente usadas para facilitar profundas mudanças em cultura e processos, que eventualmente resultaram no saneamento das finanças do governo de São Paulo, conforme descrevi na minha tese de doutorado.

No caso britânico a proposta do governo central é que a inovação se dê através da transferência da responsabilidade pela prestação de serviços para indivíduos, grupos, ONGs e o setor privado. Neste contexto sobem de importância conceitos como “Grande Sociedade”, Localismo e a Co-produção.

Mas a transferência de serviços para outros setores pura e simples não é possível nem atende todas as questões relacionadas à provisão de serviços. Muitas vezes a responsabilidade final permanece com o setor público (como no caso da proteção de crianças e adultos vulneráveis).

Além disso, há a necessidade de garantir que elementos como respeito à diversidade e inclusão de minorias façam parte dos serviços prestados. Por exemplo, se uma instituição religiosa decide prestar voluntariamente serviços de planejamento familiar, existe a necessidade de uma terceira parte que garanta a neutralidade e integridade deste serviço.

Estas considerações tornam clara a necessidade de não apenas transferir, mas sim repensar serviços, sem perder de vista sua razão de ser. O relatório Radical Efficiency da Nesta, propõe redesenhar serviços do zero, atingindo os objetivos desejados porém com uma configuração bastante diferente.


Adaptado do relatório Radical Efficiency


Exemplos:
- Hotéis para pacientes na Suécia: um meio termo entre a internação em um hospital e a alta, neste hotel os pacientes em processo avançado de recuperação permanecem em um ambiente próximo ao hospital, com facilidade de acesso em caso de emergência, porém duas diferenças importantes. A primeira é que não há enfermeiras nem médicos no local, de modo que os pacientes cuidam de si próprios (de refeições a curativos). A segunda é que amigos e familiares podem ficar hospedados com eles, auxiliando assim com os cuidados e a recuperação. O custo para o governo por leito no “hotel” é menos de um terço de um hospital.

- Serviço de apoio para o retorno ao mercado de trabalho no nordeste da Inglaterra: Neste projeto a consultoria LiveWork apoiou o governo de Sunderland no projeto de redesenho do serviço. O resultado foi a criação de um grupo comunitário responsável por contactar usuários em situação de desemprego e apoiá-lo ao longo das diversas etapas na jornada de volta ao trabalho. O esquema foca em particular as etapas iniciais, frequentemente negligenciadas por abordagens tradicionais, durante as quais o usuário precisa resolver uma série de problemas pessoais antes de estar estável o suficiente para procurar emprego. E o custo deste serviço é 90% mais baixo do que o máximo recomendado pelo governo.

E as recomendações para implementação de eficiências radicias (descritas em detalhe no relatório completo) guardam estreita semelhança com princípios do design thinking (tema de post recente do Alvaro):
- Parceria com usuários;
- Facilitação do surgimento de lideranças emergentes;
- Foco na qualidade de vida dos usuários (ao invés da qualidade do serviço);
- Envolvimento de famílias, amigos e vizinhos (não somente usuários);
- Gerenciamento de riscos (ao invés de evitá-los).




Publicado também no Observatório do Conhecimento.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles iniciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia.

Isto por que, na maioria dos 5563 municípios brasileiros, independente de porte ou localização, há um imenso descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las. Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno século XXI, índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU.
Bem, a choradeira para por ai. O que gostaríamos de falar, daqui para a frente, para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as grandes alterações que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo novas oportunidades para os municípios, não im…

Design Thinking em Governo: abrem-se os caminhos

Temos dedicado muito tempo de nossas pesquisas na avaliação da metodologia de Design Thinking, adaptada a governo para apoiar a inovação, na tentativa de adotá-la para a criação e reformulação de serviços públicos. O Pepe já havia comentado aqui anteriormente sobre Roger Martin e o Design de Negócios, bem como nos trouxe uma trilogia de posts ( 1, 2 e 3 ) apontando a aplicação que pode ser dada ao tema em governo, baseado também na obra de Tim Brown e nos cases da IDEO.

Nossas impressões foram confirmadas com a recente publicação de dois trabalhos que a IDEO realizou junto a The Partnership for Public Services, entidade não governamental que trabalha para produzir inovação em governo nos EUA. Essas publicações, que considero leitura obrigatória, estão dirigidas a dois públicos distintos:


Innovation in Government: para todos envolvidos em inovação, é uma agradável e bem organizada leitura que introduz o assunto inovação em governo, baseada em depoimentos de especialistas, apresentando …

Habilidades e Atitudes do Novo Gerente

Os gerentes que, ao longo dos próximos anos, ambicionarem progressos consistentes em suas carreiras deverão dedicar particular atenção à readequação de suas competências e habilidades, recalibrando-as no sentido da chefia tradicional para a liderança de equipes, do “mandar” para o “convencer”, do “eu ganhei, nós empatamos e vocês perderam” para o “tamo juntos”, só para exemplificar.
Esta, seguramente, não será - ou não tem sido, para aqueles que já iniciaram essa caminhada - uma mudança fácil, pois envolve, além de crescentes esforços de atualização no âmbito estritamente técnico, uma profunda remontagem nos modelos mentais tradicionais.
No campo técnico, a rápida e incansável diminuição no ciclo de vida de processos e produtos tem colocado, cada vez mais, a aprendizagem continuada na ordem do dia. O know-how dos colaboradores e, por consequência, das organizações, sofre ataques praticamente diários que empurram a atividade “aprender” para dentro da “folhinha de produção”. Nesse cenário…