Pular para o conteúdo principal

A Valorização do Ato de Pensar

Na minha postagem anterior, escrevi que voltaria a falar tema design thinking para explicar melhor o que vem a ser esse “novo” método de trabalho e sobre os problemas associados a ele.

Comecemos pelas explicações.

De imediato, convém lembrar que o método não é tão recente assim - daí minha colocação de aspas na palavra novo. A evolução do conceito de design, que ao longo dos anos passou a ser entendido como um esforço mais funcional do que estético, somadas às rápidas mudanças da tecnologia e dos hábitos dos consumidores - para as empresas privadas, e dos cidadãos - para o setor público, fizeram com que o processo de criação de novos produtos e serviços ganhasse uma dimensão estratégica que, se negligenciada, poderia levar a perda de mercado, ou representatividade, no caso específico dos governos.
  
Este fato, por sua vez, fez com que muitos profissionais da área de design e de negócios, começassem, já há quase uma década, a repensar o processo criativo das organizações e a sistematizar esse esforço, por meio do estabelecimento de estágios e técnicas que incentivassem a inovação e facilitassem a criação de produtos e serviços relevantes.
O blog Noise Between Stations, de Victor Lombardi, dá uma boa visão dessa trajetória.
A IDEO, criada em 1991, representa, ao meu ver, a mais emblemática incorporação desses novos conceitos. A empresa que tem Tim Brown como presidente e Tom Kelley como gerente geral, já desenvolveu, nesse período, mais de 4 mil produtos utilizando o design thinking como método. Os sinais enviados pela IDEO foram, aos poucos, se multiplicando, abrindo mercado para o surgimento de diversas outras organizações alinhadas com esta filosofia de trabalho.

Dentre as diversas definições existentes sobre design thinking, destaco aqui justamente aquela esboçada por Tim Brown.

Segundo ele, design thinking é um processo multidisciplinar, centrado no ser humano, voltado para a inovação, que lança mão das ferramentas tradicionais de design para integrar o desejo das pessoas, as possibilidades tecnológicas e a viabilidade do negócio.

O caminho, ao longo desse processo criativo, envolve alguns procedimentos básicos:

  1. Definição clara do objeto a ser trabalhado. A quem interessa, grau de prioridade, fatores críticos para o sucesso;
  2. Conhecimento do problema. Envolve a pesquisa da história desse objeto, tentativas anteriores, apoiadores, lideranças, grupos de pressão, contatos com usuários finais;
  3.  Idealização. Compreende a identificação das necessidade e motivações dos usuários finais, a geração, sem censura, de idéias coerentes com as necessidades identificadas, utilizando brainstorming;
  4.  Prototipação. Etapa onde as idéias são sistematizadas e esboços de solução são apresentados a usuários finais, clientes e outros grupos de interesse;
  5. Seleção das idéias mais promissoras;
  6. Implementação. Contempla a definição e o planejamento das tarefas a serem executadas, a alocação de recursos, a distribuição de atribuições, e, por fim, a execução e entrega do produto;
  7.  Aprendizagem. Incorpora o mapeamento do retorno dos usuários e a verificação sobre o atendimento das expectativas formadas.
É errado pensar, no entanto, que a simples adoção mecânica desses procedimentos seja salvo conduto para o sucesso. Mais do que uma sucessão de procedimentos técnico-científicos, o design thinking alia o rigor do método matemático com habilidades tácitas vinculadas à capacidade de enxergar problemas e gargalos ocultos, de saber ouvir, de desatar nós, de estimular a criatividade e a ousadia, de vencer preconceitos e de achar interlocutores válidos. Por isso, é um método centrado no ser humano e na valorização, sem cessar, da capacidade de pensar.

Encerrando a trilogia sobre design thinking, em breve, falarei sobre os problemas a serem vencidos para a utilização deste método de trabalhar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles i niciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia. Isto por que, na maioria dos  5563 municípios  brasileiros, i ndependente de porte ou localização , há um imenso  descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las.  Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno  século XXI,  índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU. Bem, a choradeira para por ai.  O que gostaríamos de falar, daqui para a frente,  para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as  grandes alterações  que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo  novas oportunida

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Terceiro: o Governo como Plataforma

A ideia de Tim O'Reilly ao criar o termo e a abordagem de Governo como Plataforma, foi dar uma perspectiva de valor de patrimônio e de uso aos dados governamentais. Inicia explicando que as plataformas seguem uma lógica de alto investimento, onde praticamente só o Estado é capaz de investir, mas permitem à população, ao utilizarem essa plataforma, gerar riquezas. Temos um claro exemplo ao pensar em uma rodovia como esse investimento. O governo a constrói, mas a entrega aos usuários para trafegarem seus produtos, serviços, passageiros, estimular turismo e economias integradoras etc.. Em outras palavras, uma plataforma rodoviária do governo, mesmo em concessão, será usada pela sociedade, mesmo a custo de pedágios. O mesmo serve para plataformas digitais. O governo americano durante a gestão Reagan, em 1983, tornou disponível ao mundo o Sistema de Posicionamento Global - GPS. A partir do uso mundial dessa plataforma podemos calcular quantos outros produtos e serviços foram gerado

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Segundo: Governo Único para Cidadão Único.

A visão organizacional que o governo tem de si mesmo é a de ser um amontoado de compartimentos organizados por temas, numa estrutura hierárquica funcional que, de pesado equilíbrio, assenta-se de forma estanque e rígida em sólidas bases da lei. Por isso, só executa scripts de competências restritas, estimulando o isolamento – quantos governos dentro de um só – e a decorrente ausência de cooperação, refletindo, na visão do cidadão, um governo fragmentado, com algumas ilhas de excelência e grandes continentes de baixa eficiência. De igual forma, o governo também vê o cidadão de modo fragmentado: às vezes contribuinte, outras motorista, proprietário, aluno, paciente... mas nunca um cidadão único. E essas fragmentações impedem a visão da pluralidade, do todo, de um único harmônico, impedem o entendimento do que representam um e outro. retirado de  Korea IT Times O governo que se apresenta em fragmentos, naturalmente por agir de forma fragmentada, dispersa responsabilid