Pular para o conteúdo principal

As Pedras no Caminho dos Design Thinkers


Fonte da Ilustração: Zonar.net


Na imensa maioria dos casos, a inovação não é neutra. Quase sempre, inovadores e cautelosos costumam a se envolver em sangrentas batalhas organizacionais que, se analisadas com um certo distanciamento no tempo e no espaço, só terá perdedores.

Projetos de design thinking, enquadram-se nessa categoria. Sua implantação, a menos que se parta da estaca zero, ou seja, em organizações que estão começando agora, sempre tenderá antagonizar “criativos” e “bitolados”. Os primeiros chamam os segundos de cegos, teimosos, ultrapassados e daí para cima. Os segundos chamam os primeiros de lunáticos, sonhadores, pretensiosos, para ficarmos no campo dos adjetivos publicáveis.

Encerrando o ano de 2010 e a trilogia dedicada ao design thinking, vamos falar sobre as dicas de Roger Martin, cujas idéias centrais a respeito desse método foram rapidamente introduzidas em postagem anterior, para que o profissional dessa área possa colaborar para conectar esses dois mundos e zerar ou, ao menos, minimizar o número de vítimas.

As cinco sugestões apresentadas pelo autor, segundo minha leitura, são:

Limão em limonada

Diferenças de visão não devem servir de pretexto para imobilizar projetos de design thinking. É fácil falar que tal pessoa é impermeável à mudança ou que o outro é louco de pedra, mas este tipo de desabafo não acelera a inovação, ao contrário, a atrasa ou inviabiliza. Martin recomenda que o antagonismo seja naturalmente incorporado no projeto como uma instigante tarefa a ser vencida.

Penetre no universo alheio

O design thinker tem que ultrapassar as barreiras típicas dos mundos específicos de analíticos e inovadores, procurando entender os porquês de cada um deles. Desarmar as minas encontradas pelo caminho é um trabalho que impõe entender, criar empatia com as posições de cada profissional envolvido.

Que não comunica se trumbica

Sem conhecer o idioma de criativos e analíticos é praticamente impossível criar empatia com ambas as espécies. Segundo Martin, o melhor método para dominar esses idiomas repousa em ouvir, ouvir e ouvir.

Fala diferente

Muitas vezes, não basta somente aprender os idiomas dos usuários, há necessidade adicional de criar analogias, contar histórias, por exemplo. Eles facilitam tanto a visualização de situações algo nebulosas como a mensuração mais adequada dos riscos envolvidos por pessoas que sem este artifício tenderiam, a priori, a criar ou aprofundar preconceitos.

Prova de vida

O time dos analíticos, quer provas fundadas em eventos passados. Os time dos intuitivos acham que o novo sempre vai funcionar às mil maravilhas. Cabe ao design thinking a função de criar experimentos controlados que antecipem “em laboratório” um cenário futurista. A realização de oficinas e criação de protótipos colaboram para trazer o amanhã para o aqui e agora.

Esses desafios podem não soar lá muito fáceis, mas são indispensáveis para tornar o design thinking uma atividade prazerosa para quem faz e efetiva para quem encomenda.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles iniciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia.

Isto por que, na maioria dos 5563 municípios brasileiros, independente de porte ou localização, há um imenso descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las. Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno século XXI, índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU.
Bem, a choradeira para por ai. O que gostaríamos de falar, daqui para a frente, para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as grandes alterações que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo novas oportunidades para os municípios, não im…

Design Thinking em Governo: abrem-se os caminhos

Temos dedicado muito tempo de nossas pesquisas na avaliação da metodologia de Design Thinking, adaptada a governo para apoiar a inovação, na tentativa de adotá-la para a criação e reformulação de serviços públicos. O Pepe já havia comentado aqui anteriormente sobre Roger Martin e o Design de Negócios, bem como nos trouxe uma trilogia de posts ( 1, 2 e 3 ) apontando a aplicação que pode ser dada ao tema em governo, baseado também na obra de Tim Brown e nos cases da IDEO.

Nossas impressões foram confirmadas com a recente publicação de dois trabalhos que a IDEO realizou junto a The Partnership for Public Services, entidade não governamental que trabalha para produzir inovação em governo nos EUA. Essas publicações, que considero leitura obrigatória, estão dirigidas a dois públicos distintos:


Innovation in Government: para todos envolvidos em inovação, é uma agradável e bem organizada leitura que introduz o assunto inovação em governo, baseada em depoimentos de especialistas, apresentando …

Habilidades e Atitudes do Novo Gerente

Os gerentes que, ao longo dos próximos anos, ambicionarem progressos consistentes em suas carreiras deverão dedicar particular atenção à readequação de suas competências e habilidades, recalibrando-as no sentido da chefia tradicional para a liderança de equipes, do “mandar” para o “convencer”, do “eu ganhei, nós empatamos e vocês perderam” para o “tamo juntos”, só para exemplificar.
Esta, seguramente, não será - ou não tem sido, para aqueles que já iniciaram essa caminhada - uma mudança fácil, pois envolve, além de crescentes esforços de atualização no âmbito estritamente técnico, uma profunda remontagem nos modelos mentais tradicionais.
No campo técnico, a rápida e incansável diminuição no ciclo de vida de processos e produtos tem colocado, cada vez mais, a aprendizagem continuada na ordem do dia. O know-how dos colaboradores e, por consequência, das organizações, sofre ataques praticamente diários que empurram a atividade “aprender” para dentro da “folhinha de produção”. Nesse cenário…