Pular para o conteúdo principal

Olha a Zebra Aí, Gente


O tradicional jogo entre pensamento analítico x intuição, um dos maiores clássicos do mundo corporativo, vive, nos dias de hoje, momentos particularmente emocionantes. Embora o retrospecto mostre uma boa vantagem para o time do pensamento analítico, que nos últimos cem anos tem conseguido ganhar os torneios mais importantes, a equipe da intuição se reforçou muito, principalmente a partir do século XXI, e tem conseguido levar alguns campeonatos que, antes, eram tradicionalmente conquistados pelo poderoso oponente.

Para entender melhor essa mudança, vamos dar uma olhada nas principais caraterísticas de cada equipe.

Pensamento Analítico

Filosofia de jogo: Usa processos rígidos repetidos à exaustão e estimula o uso de métodos quantitativos.

Como chegar ao gol, ou seja preservar a competitividade ao longo do tempo: Lança mão do conhecimento já existente, obtido com base em dados do passado. Não gosta de firulas e desestimula os jogadores a ficarem dando palpite. Cada jogador sabe direitinho o seu papel.

Slogan: Em time que ganha, não se mexe

Intuição

Filosofia de jogo: Explora a criatividade e a inovação. Tem um jogo baseado na velocidade.

Como chegar ao gol, ou seja preservar a competitividade ao longo do tempo: Usa sempre novas formas de conhecimento. O drible é incentivado e ninguém tem posição fixa. Os jogadores falam muito entre si e tem autonômia para improvisar.

Slogan: O futuro não é mais o que era.

Analisando as duas fichas, acho que dá para perceber por que o time da intuição tem surpreendido.

O mundo do pensamento analítico está muito centrado em cenários estabilizados, com ciclos de vida longos, onde a inovação ocorre de forma bastante espaçada. Por exemplo, lembram-se da linguagem de programação Cobol? Ela sobreviveu durante muitos e muitos anos. Um bom profissional nessa especialidade conseguiu levar toda uma carreira em cima dela. Bons tempos!

O mundo atual, no entanto, está centrado na mudança rápida, em ciclos de vida abreviados. O que nós sabemos hoje, não garante a sobrevida amanhã.

Lembro, até hoje, da frase, dita em tom grave e solene, por um amigo meu, da área de informática, lá nos meados dos anos 80.

- Daqui para frente, quem não souber Clipper está morto.

Hoje eu atualizaria a fala dele, completando.

- E quem souber, também.

Voltando ao nosso jogo, para encerrar esta postagem, quando o futuro é muito pouco previsível e a mudança predominante, melhor do que ler mapas é saber fazê-los. Me parece que o time da intuição navega melhor por essas águas.

Na próxima postagem, falarei, no entanto, sobre uma nova equipe que está vindo por aí, chamada “Design Thinking”, que está tentando conciliar as duas visões de mundo, de modo a garantir vantagem competitiva, para organizações privadas, e sintonia fina com a cidadania, para os governos.

Eh! Oh! Eh! Oh! O futuro é um terror!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles i niciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia. Isto por que, na maioria dos  5563 municípios  brasileiros, i ndependente de porte ou localização , há um imenso  descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las.  Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno  século XXI,  índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU. Bem, a choradeira para por ai.  O que gostaríamos de falar, daqui para a frente,  para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as  grandes alterações  que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo  novas oportunida

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Terceiro: o Governo como Plataforma

A ideia de Tim O'Reilly ao criar o termo e a abordagem de Governo como Plataforma, foi dar uma perspectiva de valor de patrimônio e de uso aos dados governamentais. Inicia explicando que as plataformas seguem uma lógica de alto investimento, onde praticamente só o Estado é capaz de investir, mas permitem à população, ao utilizarem essa plataforma, gerar riquezas. Temos um claro exemplo ao pensar em uma rodovia como esse investimento. O governo a constrói, mas a entrega aos usuários para trafegarem seus produtos, serviços, passageiros, estimular turismo e economias integradoras etc.. Em outras palavras, uma plataforma rodoviária do governo, mesmo em concessão, será usada pela sociedade, mesmo a custo de pedágios. O mesmo serve para plataformas digitais. O governo americano durante a gestão Reagan, em 1983, tornou disponível ao mundo o Sistema de Posicionamento Global - GPS. A partir do uso mundial dessa plataforma podemos calcular quantos outros produtos e serviços foram gerado

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Segundo: Governo Único para Cidadão Único.

A visão organizacional que o governo tem de si mesmo é a de ser um amontoado de compartimentos organizados por temas, numa estrutura hierárquica funcional que, de pesado equilíbrio, assenta-se de forma estanque e rígida em sólidas bases da lei. Por isso, só executa scripts de competências restritas, estimulando o isolamento – quantos governos dentro de um só – e a decorrente ausência de cooperação, refletindo, na visão do cidadão, um governo fragmentado, com algumas ilhas de excelência e grandes continentes de baixa eficiência. De igual forma, o governo também vê o cidadão de modo fragmentado: às vezes contribuinte, outras motorista, proprietário, aluno, paciente... mas nunca um cidadão único. E essas fragmentações impedem a visão da pluralidade, do todo, de um único harmônico, impedem o entendimento do que representam um e outro. retirado de  Korea IT Times O governo que se apresenta em fragmentos, naturalmente por agir de forma fragmentada, dispersa responsabilid