Pular para o conteúdo principal

Olha a Zebra Aí, Gente


O tradicional jogo entre pensamento analítico x intuição, um dos maiores clássicos do mundo corporativo, vive, nos dias de hoje, momentos particularmente emocionantes. Embora o retrospecto mostre uma boa vantagem para o time do pensamento analítico, que nos últimos cem anos tem conseguido ganhar os torneios mais importantes, a equipe da intuição se reforçou muito, principalmente a partir do século XXI, e tem conseguido levar alguns campeonatos que, antes, eram tradicionalmente conquistados pelo poderoso oponente.

Para entender melhor essa mudança, vamos dar uma olhada nas principais caraterísticas de cada equipe.

Pensamento Analítico

Filosofia de jogo: Usa processos rígidos repetidos à exaustão e estimula o uso de métodos quantitativos.

Como chegar ao gol, ou seja preservar a competitividade ao longo do tempo: Lança mão do conhecimento já existente, obtido com base em dados do passado. Não gosta de firulas e desestimula os jogadores a ficarem dando palpite. Cada jogador sabe direitinho o seu papel.

Slogan: Em time que ganha, não se mexe

Intuição

Filosofia de jogo: Explora a criatividade e a inovação. Tem um jogo baseado na velocidade.

Como chegar ao gol, ou seja preservar a competitividade ao longo do tempo: Usa sempre novas formas de conhecimento. O drible é incentivado e ninguém tem posição fixa. Os jogadores falam muito entre si e tem autonômia para improvisar.

Slogan: O futuro não é mais o que era.

Analisando as duas fichas, acho que dá para perceber por que o time da intuição tem surpreendido.

O mundo do pensamento analítico está muito centrado em cenários estabilizados, com ciclos de vida longos, onde a inovação ocorre de forma bastante espaçada. Por exemplo, lembram-se da linguagem de programação Cobol? Ela sobreviveu durante muitos e muitos anos. Um bom profissional nessa especialidade conseguiu levar toda uma carreira em cima dela. Bons tempos!

O mundo atual, no entanto, está centrado na mudança rápida, em ciclos de vida abreviados. O que nós sabemos hoje, não garante a sobrevida amanhã.

Lembro, até hoje, da frase, dita em tom grave e solene, por um amigo meu, da área de informática, lá nos meados dos anos 80.

- Daqui para frente, quem não souber Clipper está morto.

Hoje eu atualizaria a fala dele, completando.

- E quem souber, também.

Voltando ao nosso jogo, para encerrar esta postagem, quando o futuro é muito pouco previsível e a mudança predominante, melhor do que ler mapas é saber fazê-los. Me parece que o time da intuição navega melhor por essas águas.

Na próxima postagem, falarei, no entanto, sobre uma nova equipe que está vindo por aí, chamada “Design Thinking”, que está tentando conciliar as duas visões de mundo, de modo a garantir vantagem competitiva, para organizações privadas, e sintonia fina com a cidadania, para os governos.

Eh! Oh! Eh! Oh! O futuro é um terror!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles iniciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia.

Isto por que, na maioria dos 5563 municípios brasileiros, independente de porte ou localização, há um imenso descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las. Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno século XXI, índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU.
Bem, a choradeira para por ai. O que gostaríamos de falar, daqui para a frente, para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as grandes alterações que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo novas oportunidades para os municípios, não im…

Objetivos e valores do Laboratório de Inovação

Um laboratório de inovação em governo pode atuar desde a criação de novas políticas públicas até a prototipagem de serviços prestados ao cidadão. A diferença não se trata apenas de níveis da gestão (estratégica e operacional), mas também define o porquê deve existir o lab, sua estrutura, seus objetivos e quais valores irá agregar ao governo.

Objetivar amplitude e formas de atuação nos ajuda a relacionar quesitos, estabelecer limites e buscar as parcerias certas.

Antes de apresentar uma nova relação sobre os aspectos de construção do laboratório, como os aspectos projetuais colocados em post anterior, apresento uma lista que pode ajudar a definir com um pouco mais de formalidade e precisão, após respondido o checklist projetual, para que está sendo criado o laboratório e no que pode contribuir para um governo inovador.

A ideia é de que usemos essa relação para selecionar aqueles itens que se aproximam com os objetivos do lab que pretendemos construir ou significar, mantendo em mente o …

Design Thinking em Governo: abrem-se os caminhos

Temos dedicado muito tempo de nossas pesquisas na avaliação da metodologia de Design Thinking, adaptada a governo para apoiar a inovação, na tentativa de adotá-la para a criação e reformulação de serviços públicos. O Pepe já havia comentado aqui anteriormente sobre Roger Martin e o Design de Negócios, bem como nos trouxe uma trilogia de posts ( 1, 2 e 3 ) apontando a aplicação que pode ser dada ao tema em governo, baseado também na obra de Tim Brown e nos cases da IDEO.

Nossas impressões foram confirmadas com a recente publicação de dois trabalhos que a IDEO realizou junto a The Partnership for Public Services, entidade não governamental que trabalha para produzir inovação em governo nos EUA. Essas publicações, que considero leitura obrigatória, estão dirigidas a dois públicos distintos:


Innovation in Government: para todos envolvidos em inovação, é uma agradável e bem organizada leitura que introduz o assunto inovação em governo, baseada em depoimentos de especialistas, apresentando …