Pular para o conteúdo principal

Cartas a um jovem inovador: os evangelistas

Inspirado pelos títulos "Cartas a um jovem...", que serena e lentamente se instalaram em nossas bibliotecas em anos recentes, que por sua vez tomaram em empréstimo do original "Cartas a um jovem poeta" (1929), obra de Rainer Maria Rilke, aqui utilizarei o mote para uma série de posts dedicados ao jovem que pretende trabalhar com inovação, especificamente inovação em governo.


Caro jovem, não importando sua idade, a inovação em governo é um desafio que exigirá vigor mental, tolerância, capacidade de persuasão e, acima de tudo, parcerias com gente competente e de boas intenções. Conto que inteligência, humildade e atitude de compartilhar idéias já lhe sejam características, uma vez que reuniu-se aqui neste modesto blog.


Sabemos que é comum encontrarmos no serviço público aqueles que abominam o novo, quer seja o novo processo, a nova estrutura, o novo sistema ou qualquer alteração no confortável status quo do cotidiano em governo. Portanto, entre sem fazer muito barulho, instale-se e comece a evangelização para a inovação.


O termo evangelização, trazido da iniciativa privada, li-o há alguns anos pelo autor Guy Kawasaki, que ocupava o cargo de evangelizador da Apple. A missão de Kawasaki era a de convencer os produtores de software que a plataforma Macintosh, na época um produto estreante, era boa e seria um sucesso de vendas, confiável o suficiente para que se produzissem aplicativos para esse equipamento. Uma árdua tarefa em meados dos anos 1980, hoje um caso de sucesso.


Mas o evangelho - que a propósito, quer dizer "boas novas" - da inovação ainda está sendo escrito, dia-a-dia nas últimas décadas por evangelistas como Nonaka, Drucker, Peter Senge, Chris Anderson, Steven Johnson, Tim Brown e tantos outros que nos apoiarão nesta jornada, porém, há de se observar, que esses autores focaram a inovação em organizações privadas, com uma abordagem de governo em background; o que teremos que fazer é focar em governo e produzir o "novo em inovação", com perdão pelo pleonasmo.


Focar no governo, em nosso caso na gestão pública, é de tamanha riqueza, já que possibilita inovar na saúde, na educação, em transportes públicos, na habitação e nos outros setores em que prevalece a ação governamental, aparentando uma certa facilidade, visto que é uma organização que bem conhecemos, quer como cidadãos consumidores de seus serviços, quer como servidores. Não há facilidade alguma, só complexidade.


E o que tentam esses evangelistas contemporâneos é nos fazer entender essa complexidade. 
Por exemplo, aplicar gestão de conhecimento (Nonaka, Takeuchi e Senge) na administração pública, parece-me o caminho mais eficaz para o aprendizado interno da organização através da troca evolutiva do conhecimento. A organização que aprende, através de técnicas e métodos de compartilhamento de conhecimento tácito, prepara-se para inovar.


A lição que nos traz Drucker, dito como o homem que inventou a gestão, é a de que o administrador público pode ser um empreendedor interno. Dele surgiu quase todos os termos/idéias que utilizamos de mais moderno na administração, como descentralização, empowerment, outsourcing, estrutura sistêmica, equipes interdisciplinares, o uso de redes para o conhecimento e tantos outros, iluminando-nos com frases como "a melhor maneira de prever o futuro é criá-lo".


Uma outra frase que gosto, esta de Chris Anderson, o autor de "A Cauda Longa", é a de que  “Nós não estamos numa época de mudanças, mas sim em uma mudança de época”. Anderson e Johnson nos ensinam muito sobre inteligência coletiva e novos modelos de negócios.


Negócios que hoje são remodelados e revistos e criados por novos métodos, centrados no usuário, cumprindo quesitos de desejabilidade, viabilidade e empatia, utilizando técnicas de brainstorm, storytelling, prototipagem e aquilo que Tim Brown e Roger Martin pregam como o Design Thinking a ser despertado por toda a organização.


Esses são alguns dos evangelistas básicos nos quais o jovem inovador deve, a princípio, apoiar-se. Adiante, em outras cartas, falaremos de como esses conceitos aplicam-se na prática da gestão pública inovadora.

Comentários

Li e gostei muito. Parabéns!

Postagens mais visitadas deste blog

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Terceiro: o Governo como Plataforma

A ideia de Tim O'Reilly ao criar o termo e a abordagem de Governo como Plataforma, foi dar uma perspectiva de valor de patrimônio e de uso aos dados governamentais. Inicia explicando que as plataformas seguem uma lógica de alto investimento, onde praticamente só o Estado é capaz de investir, mas permitem à população, ao utilizarem essa plataforma, gerar riquezas. Temos um claro exemplo ao pensar em uma rodovia como esse investimento. O governo a constrói, mas a entrega aos usuários para trafegarem seus produtos, serviços, passageiros, estimular turismo e economias integradoras etc.. Em outras palavras, uma plataforma rodoviária do governo, mesmo em concessão, será usada pela sociedade, mesmo a custo de pedágios. O mesmo serve para plataformas digitais. O governo americano durante a gestão Reagan, em 1983, tornou disponível ao mundo o Sistema de Posicionamento Global - GPS. A partir do uso mundial dessa plataforma podemos calcular quantos outros produtos e serviços foram gerado

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles i niciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia. Isto por que, na maioria dos  5563 municípios  brasileiros, i ndependente de porte ou localização , há um imenso  descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las.  Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno  século XXI,  índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU. Bem, a choradeira para por ai.  O que gostaríamos de falar, daqui para a frente,  para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as  grandes alterações  que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo  novas oportunida

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Segundo: Governo Único para Cidadão Único.

A visão organizacional que o governo tem de si mesmo é a de ser um amontoado de compartimentos organizados por temas, numa estrutura hierárquica funcional que, de pesado equilíbrio, assenta-se de forma estanque e rígida em sólidas bases da lei. Por isso, só executa scripts de competências restritas, estimulando o isolamento – quantos governos dentro de um só – e a decorrente ausência de cooperação, refletindo, na visão do cidadão, um governo fragmentado, com algumas ilhas de excelência e grandes continentes de baixa eficiência. De igual forma, o governo também vê o cidadão de modo fragmentado: às vezes contribuinte, outras motorista, proprietário, aluno, paciente... mas nunca um cidadão único. E essas fragmentações impedem a visão da pluralidade, do todo, de um único harmônico, impedem o entendimento do que representam um e outro. retirado de  Korea IT Times O governo que se apresenta em fragmentos, naturalmente por agir de forma fragmentada, dispersa responsabilid