Pular para o conteúdo principal

Cartas a um jovem inovador: os evangelistas

Inspirado pelos títulos "Cartas a um jovem...", que serena e lentamente se instalaram em nossas bibliotecas em anos recentes, que por sua vez tomaram em empréstimo do original "Cartas a um jovem poeta" (1929), obra de Rainer Maria Rilke, aqui utilizarei o mote para uma série de posts dedicados ao jovem que pretende trabalhar com inovação, especificamente inovação em governo.


Caro jovem, não importando sua idade, a inovação em governo é um desafio que exigirá vigor mental, tolerância, capacidade de persuasão e, acima de tudo, parcerias com gente competente e de boas intenções. Conto que inteligência, humildade e atitude de compartilhar idéias já lhe sejam características, uma vez que reuniu-se aqui neste modesto blog.


Sabemos que é comum encontrarmos no serviço público aqueles que abominam o novo, quer seja o novo processo, a nova estrutura, o novo sistema ou qualquer alteração no confortável status quo do cotidiano em governo. Portanto, entre sem fazer muito barulho, instale-se e comece a evangelização para a inovação.


O termo evangelização, trazido da iniciativa privada, li-o há alguns anos pelo autor Guy Kawasaki, que ocupava o cargo de evangelizador da Apple. A missão de Kawasaki era a de convencer os produtores de software que a plataforma Macintosh, na época um produto estreante, era boa e seria um sucesso de vendas, confiável o suficiente para que se produzissem aplicativos para esse equipamento. Uma árdua tarefa em meados dos anos 1980, hoje um caso de sucesso.


Mas o evangelho - que a propósito, quer dizer "boas novas" - da inovação ainda está sendo escrito, dia-a-dia nas últimas décadas por evangelistas como Nonaka, Drucker, Peter Senge, Chris Anderson, Steven Johnson, Tim Brown e tantos outros que nos apoiarão nesta jornada, porém, há de se observar, que esses autores focaram a inovação em organizações privadas, com uma abordagem de governo em background; o que teremos que fazer é focar em governo e produzir o "novo em inovação", com perdão pelo pleonasmo.


Focar no governo, em nosso caso na gestão pública, é de tamanha riqueza, já que possibilita inovar na saúde, na educação, em transportes públicos, na habitação e nos outros setores em que prevalece a ação governamental, aparentando uma certa facilidade, visto que é uma organização que bem conhecemos, quer como cidadãos consumidores de seus serviços, quer como servidores. Não há facilidade alguma, só complexidade.


E o que tentam esses evangelistas contemporâneos é nos fazer entender essa complexidade. 
Por exemplo, aplicar gestão de conhecimento (Nonaka, Takeuchi e Senge) na administração pública, parece-me o caminho mais eficaz para o aprendizado interno da organização através da troca evolutiva do conhecimento. A organização que aprende, através de técnicas e métodos de compartilhamento de conhecimento tácito, prepara-se para inovar.


A lição que nos traz Drucker, dito como o homem que inventou a gestão, é a de que o administrador público pode ser um empreendedor interno. Dele surgiu quase todos os termos/idéias que utilizamos de mais moderno na administração, como descentralização, empowerment, outsourcing, estrutura sistêmica, equipes interdisciplinares, o uso de redes para o conhecimento e tantos outros, iluminando-nos com frases como "a melhor maneira de prever o futuro é criá-lo".


Uma outra frase que gosto, esta de Chris Anderson, o autor de "A Cauda Longa", é a de que  “Nós não estamos numa época de mudanças, mas sim em uma mudança de época”. Anderson e Johnson nos ensinam muito sobre inteligência coletiva e novos modelos de negócios.


Negócios que hoje são remodelados e revistos e criados por novos métodos, centrados no usuário, cumprindo quesitos de desejabilidade, viabilidade e empatia, utilizando técnicas de brainstorm, storytelling, prototipagem e aquilo que Tim Brown e Roger Martin pregam como o Design Thinking a ser despertado por toda a organização.


Esses são alguns dos evangelistas básicos nos quais o jovem inovador deve, a princípio, apoiar-se. Adiante, em outras cartas, falaremos de como esses conceitos aplicam-se na prática da gestão pública inovadora.

Comentários

Li e gostei muito. Parabéns!

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles iniciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia.

Isto por que, na maioria dos 5563 municípios brasileiros, independente de porte ou localização, há um imenso descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las. Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno século XXI, índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU.
Bem, a choradeira para por ai. O que gostaríamos de falar, daqui para a frente, para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as grandes alterações que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo novas oportunidades para os municípios, não im…

Objetivos e valores do Laboratório de Inovação

Um laboratório de inovação em governo pode atuar desde a criação de novas políticas públicas até a prototipagem de serviços prestados ao cidadão. A diferença não se trata apenas de níveis da gestão (estratégica e operacional), mas também define o porquê deve existir o lab, sua estrutura, seus objetivos e quais valores irá agregar ao governo.

Objetivar amplitude e formas de atuação nos ajuda a relacionar quesitos, estabelecer limites e buscar as parcerias certas.

Antes de apresentar uma nova relação sobre os aspectos de construção do laboratório, como os aspectos projetuais colocados em post anterior, apresento uma lista que pode ajudar a definir com um pouco mais de formalidade e precisão, após respondido o checklist projetual, para que está sendo criado o laboratório e no que pode contribuir para um governo inovador.

A ideia é de que usemos essa relação para selecionar aqueles itens que se aproximam com os objetivos do lab que pretendemos construir ou significar, mantendo em mente o …

Quem Fica Olhando Muito Para Trás, Tem Um Grande Passado Pela Frente

A frase que dá título a este post, proferida pelo grande filósofo e professor Mario Sergio Cortella, deve servir de alerta a muitos de nossos prefeitos. 
A maioria deles ainda enxerga a atração de indústrias como o único caminho para o desenvolvimento de uma cidade. Esta visão, formada nos tempos em que fábrica era sinônimo de riqueza, tem feito com que novas oportunidades de crescimento, vinculadas a uma economia cada vez mais pujante, centrada no conhecimento, o mais valioso insumo dos nossos dias, não sejam devidamente estudadas, exploradas e aproveitadas.
O que os senhores prefeitos precisam descobrir, desde já, é que nos dias atuais há uma nova "estrada", ainda mal sinalizada, para cidades que almejam um papel de destaque na emergente sociedade do conhecimento. De antemão, asseguro que para chegar a ela não basta usar a velha e onerosa prática de atrair empresas. O sucesso para galgar essa nova "estrada" depende da atração de talentos, pessoas, gente que possa, …