Pular para o conteúdo principal

Plantando Um Sonho

Muitos de vocês já devem ter acessado o site da TED - Technology, Entertainment and Design, um dos mais instigantes ambientes disponíveis na web dedicado aos que trabalham ou se interessam pelas áreas de gestão do conhecimento, inovação, criatividade e temas afins.

De forma bem resumida, para os que ainda não a conhecem, TED é uma organização sem fins lucrativos, nascida em 1984, que tem como meta fomentar a circulação, em escala global, de grandes idéias, por meio da criação de uma comunidade de pensadores, professores e visionários de todo o mundo. Em 2001, a TED foi adquirida pela Sapling Foundation, de propriedade do pesquisador e escritor Chris Anderson.

A TED realiza, a cada ano, duas grandes conferências, TED Conferences; fornece um prêmio anual de 100 mil dólares para estimular a criação e a divulgação de idéias inovadoras e inspiradoras, TED Prize; e, mantém o já mencionado ambiente virtual, pelo qual se pode acessar, entre outros elementos, toda a base de gravações das palestras até aqui realizadas.

A partir de 2009, a fundação criou um novo conjunto de ações, denominado TEDx, com a proposta de incentivar comunidades, organizações e indivíduos espalhados pelo mundo a divulgarem experiências em âmbito local. Estes eventos são planejados e coordenados de forma independente, seguindo, no entanto, o formato estabelecido pela Fundação.

É exatamente sobre um destes eventos, o TEDx Vila Madá, que eu gostaria de falar mais detalhadamente, a partir de agora.

O TEDx Vila Madá, inaugurado em dezembro de 2009, é um evento operado pela Educartis, empresa especializada em projetos de inteligência coletiva. Desde sua abertura, o TEDx Vila Madá já promoveu 7 conjuntos de palestras, todos realizados no Teatro da Vila, localizado na Rua Jericó.

A mais recente dessas ações, realizada no dia 24 de junho passado, focou o tema “Nosso Governo – Soluções Inovadoras para o País". O programa, que foi apresentado por Maurício Curi, curador do evento e CEO da Educartis, contou com os seguintes palestrantes: Roberto Agune, Especialista em Programas de Inovação no Setor Público, Rodrigo Bandeira - Idealizador do portal Cidade Democrática, Marina Amaral - Diretora Executiva do Instituto Tellus, Raimundo Nonato - Diretor Nacional de Tecnologia para o Setor Público da Microsoft e Gilberto Dimenstein - Jornalista e Presidente da Associação Cidade Escola Aprendiz.

Em sua palestra, denominada “O Governo de Amanhã Começa Hoje”, Roberto destacou que a implantação de ações inovadoras, normalmente trazem, dentro dela, três componentes predominantes: risco, oportunidade e necessidade, cuja importância relativa irá variando ao longo tempo.

A princípio entendidos como ações de alto risco, os programas de inovação em governo foram, aos poucos, sendo encarados como uma grande oportunidade para melhorar o setor público, de uma forma geral. Para Roberto, no entanto, a complexidade dos problemas atuais e as profundas mudanças sociais centradas em uma cidadania cada vez mais participativa indicam que mais do que oportunidade, os programas de inovação em governo são, agora, uma necessidade, isto se quisermos construir um setor público de alta qualificação, insumo indispensável para a manutenção de democracias fortes.

Roberto encerrou sua participação falando do governo que ele sonha ver implantado, o mais breve possível. Os slides e o texto da apresentação de Roberto Agune estão disponíveis para download. O vídeo você assiste a seguir:



Finalmente, gostaria de destacar a participação dos músicos Heldy Cardoso e Paulo Voltolino, que, entre outras peças, nos brindaram com uma emocionante apresentação do hino nacional brasileiro, e das "palhacinhas" Consuelo (Marina Campos) e Solenta (Mônica Malheiros) que, com muito talento e simpatia, alinhavaram as diversas apresentações. O teatro abrigou também uma exposição do artista plástico Sérgio Fabris.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles i niciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia. Isto por que, na maioria dos  5563 municípios  brasileiros, i ndependente de porte ou localização , há um imenso  descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las.  Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno  século XXI,  índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU. Bem, a choradeira para por ai.  O que gostaríamos de falar, daqui para a frente,  para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as  grandes alterações  que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo  novas oportunida

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Terceiro: o Governo como Plataforma

A ideia de Tim O'Reilly ao criar o termo e a abordagem de Governo como Plataforma, foi dar uma perspectiva de valor de patrimônio e de uso aos dados governamentais. Inicia explicando que as plataformas seguem uma lógica de alto investimento, onde praticamente só o Estado é capaz de investir, mas permitem à população, ao utilizarem essa plataforma, gerar riquezas. Temos um claro exemplo ao pensar em uma rodovia como esse investimento. O governo a constrói, mas a entrega aos usuários para trafegarem seus produtos, serviços, passageiros, estimular turismo e economias integradoras etc.. Em outras palavras, uma plataforma rodoviária do governo, mesmo em concessão, será usada pela sociedade, mesmo a custo de pedágios. O mesmo serve para plataformas digitais. O governo americano durante a gestão Reagan, em 1983, tornou disponível ao mundo o Sistema de Posicionamento Global - GPS. A partir do uso mundial dessa plataforma podemos calcular quantos outros produtos e serviços foram gerado

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Segundo: Governo Único para Cidadão Único.

A visão organizacional que o governo tem de si mesmo é a de ser um amontoado de compartimentos organizados por temas, numa estrutura hierárquica funcional que, de pesado equilíbrio, assenta-se de forma estanque e rígida em sólidas bases da lei. Por isso, só executa scripts de competências restritas, estimulando o isolamento – quantos governos dentro de um só – e a decorrente ausência de cooperação, refletindo, na visão do cidadão, um governo fragmentado, com algumas ilhas de excelência e grandes continentes de baixa eficiência. De igual forma, o governo também vê o cidadão de modo fragmentado: às vezes contribuinte, outras motorista, proprietário, aluno, paciente... mas nunca um cidadão único. E essas fragmentações impedem a visão da pluralidade, do todo, de um único harmônico, impedem o entendimento do que representam um e outro. retirado de  Korea IT Times O governo que se apresenta em fragmentos, naturalmente por agir de forma fragmentada, dispersa responsabilid