Pular para o conteúdo principal

Transformar máquinas apreendidas em inclusão

Uma das idéias que defendo e está lá postada em nosso fórum de idéias para a gestão pública inovadora, o inovagoverno, é a de reutilização das máquinas de video-poker apreendidas pela polícia, transformando-as em equipamentos de inclusão digital.

Entretanto eu desconhecia alguns números e possibilidades que essa prática, se adotada no Brasil, pode significar. Todos os anos são apreendidas no Brasil, pelas autoridades federais, milhares de máquinas ilegais de jogo; regra geral são destruídas, enquanto o processo penal transita em julgado.


No site do elearningeuropa descobri o artigo From cheating to teaching:a path for conversion of illegal gambling machines, de Juarez Bento da Silva, da Universidade do Sul de Santa Catarina (UNISUL), Gustavo Ribeiro Alves, do Instituto Politécnico do Porto e de João Bosco da Mota Alves, da Universidade Federal de Santa Catarina, no qual os autores descrevem um projeto desenvolvido no Brasil, na UNISUL, responsável pelo processo de conversão de máquinas de jogo e pelas oportunidades de inclusão social que dele decorrem.

Todos os participantes no projeto foram voluntários, procurando promover a inclusão social de jovens brasileiros, em especial através da inclusão digital. Até abril, data do artigo, o projeto conseguiu converter 200 máquinas de jogo e instalá-las em mais de 40 escolas do ensino básico, beneficiando assim diretamente mais de doze mil crianças em idade escolar.

No início este projeto partiu duma fundamentação tecnológica, mas as diferentes opções que surgiram devido ao processo de conversão das máquinas de jogo acabaram por também dar origem a uma experiência algo inovadora e única ao permitir às crianças em idade escolar e aos jovens com necessidades educativas especiais, terem acesso a aplicações pedagógicas informatizadas.


A disponibilidade destas máquinas convertidas ajuda igualmente a colocar constantemente as TIC no ambiente educativo diário destas crianças e jovens, servindo assim aos objetivos de inclusão social e cultural, ao ser estabelecido um diálogo com a comunidade e as suas expectativas tecnológicas e também ao contribuir diretamente para a sua alfabetização digital. Imagino que bastaria uma portaria ou resolução federal qualquer para que esse caminho fosse o padrão.

A imagem que encabeça este post é extraída do artigo e a seguir você assiste a uma reportagem do Jornal Nacional, feita sobre este tema.


Comentários

Unknown disse…
Parabéns pelo artigo, pois já há 04 anos estamos tentando dissiminar tais idéias, com a utilização do conceito Metareciclagem, no qual trabalho voluntariamente aos finais de semana na consientização ambiental e tecnológia, a fim de promover a inclusão digital, mais detalhes aqui http://www.slideshare.net/asustecnologia/metareciclagem-2009, além de alguns sites, como http://metareciclagem.org, http://metasorocaba.blogspot.com e http://metanave.blogspot.com.

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles i niciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia. Isto por que, na maioria dos  5563 municípios  brasileiros, i ndependente de porte ou localização , há um imenso  descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las.  Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno  século XXI,  índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU. Bem, a choradeira para por ai.  O que gostaríamos de falar, daqui para a frente,  para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as  grandes alterações  que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo  novas oportunida

Design Thinking em Governo: abrem-se os caminhos

Temos dedicado muito tempo de nossas pesquisas na avaliação da metodologia de Design Thinking, adaptada a governo para apoiar a inovação, na tentativa de adotá-la para a criação e reformulação de serviços públicos. O Pepe já havia comentado aqui anteriormente sobre Roger Martin e o Design de Negócios, bem como nos trouxe uma trilogia de posts ( 1 , 2 e 3 ) apontando a aplicação que pode ser dada ao tema em governo, baseado também na obra de Tim Brown e nos cases da IDEO . Nossas impressões foram confirmadas com a recente publicação de dois trabalhos que a IDEO realizou junto a The Partnership for Public Services , entidade não governamental que trabalha para produzir inovação em governo nos EUA. Essas publicações, que considero leitura obrigatória, estão dirigidas a dois públicos distintos: Innovation in Government : para todos envolvidos em inovação, é uma agradável e bem organizada leitura que introduz o assunto inovação em governo, baseada em depoimentos de especialistas, a

Choque de Conhecimento I

O acelerado crescimento econômico da Irlanda, que já caminha para duas décadas, é um dos mais ilustrativos exemplos da reinvenção de um país em torno da produção do conhecimento. Em meados da década de 80, a Irlanda tinha um produto por habitante cerca de 60% abaixo da média dos países da UE -União Européia. O desemprego, oscilando em torno dos 18%, a forte emigração em busca de novas oportunidades no exterior e a contínua degradação de áreas urbanas, notadamente na capital, Dublin, eram algumas das mais tristes marcas dessa época de desalento. Hoje, cerca de 20 anos depois, a Irlanda tornou-se um país opulento. O produto per capita está, agora, em torno de US$ 38 mil, 40% acima da média dos países europeus e o segundo maior da UE, o desemprego recuou para 4%, a emigração deu lugar à imigração e os programas de recuperação urbana tornaram-se “cases” mundiais de sucesso. Um complexo conjunto de fatores, nos planos, político, social e econômico, que podem ser conferidos, por exemplo, no