Pular para o conteúdo principal

Brasil cai no ranking de governo eletrônico, de novo

O relatório United Nations E-Government Survey 2010, publicado na semana passada, apresenta a reputada pesquisa da Organização das Nações Unidas sobre a situação mundial no setor de governo eletrônico, consolidando um ranking de estados membros, que nos possibilita refletir sobre as iniciativas e práticas neste setor.

O Brasil ocupava, em 2005, a 33a. posição no ranking. Na edição 2008 do mesmo relatório, caiu 12 posições indo para o 45o. lugar e, nesta recente pesquisa de 2010, afasta-se para a posição de número 65.
Em outras palavras, no período dos últimos cinco anos o governo eletrônico brasileiro acumula uma perda de 32 posições no ranking mundial de e-gov.

Entretanto, o destaque no relatório que alivia o declínio brasileiro está por conta do tema Governo Aberto ou Open Data, onde a iniciativa do governo paulista é dada como a boa prática e o caminho a ser seguido:

"A criação do website data.gov pelo Governo dos Estados Unidos é uma das mais importantes medidas tomadas até agora para fornecer uma plataforma que permita o desenvolvimento de serviços por terceiros. Lançado em 2009, o website funciona como uma câmara de compensação para os conjuntos de dados gerados pelo governo em um formato acessível e amigável aos desenvolvedores.
O Reino Unido e o Estado de São Paulo, no Brasil, estão seguindo um caminho semelhante para a criação de sites que irá servir como um ponto único de acesso a dados públicos. Com a intenção de proporcionar valor agregado, ambos os Governos teem convidado os desenvolvedores de aplicativos para fornecer feedback sobre a concepção dos sites." (Capítulo 1, p. 16).

Outro destaque do relatório é para o site federal do PAC - Programa de Aceleração do Crescimento, por corresponder a uma resposta à crise econômica de 2009 e oferecer ao internauta informações sobre a alocação dos fundos por região e setor.

Na abordagem sobre uso de web 2.0 em governos, é citada a iniciativa de Belo Horizonte em promover o orçamento participativo com uso de ferramentas sociais.

Sobre e-democracia, o relatório também cita as iniciativas de desenvolvedores brasileiros que criaram o Meu Parlamento, de monitoração do legislativo nacional pelos cidadãos, proposta elaborada pelo pessoal do The Hack Day.

No Top Ten das Américas, o Brasil ocupa o décimo lugar; quando visto só a América do Sul, o e-gov brasileiro classifica-se em quinto. Quando comparado aos países em desenvolvimento, despenca para o 22o. lugar. No mesmo ranking de países em desenvolvimento, quando se trata de serviços online, o Brasil está em 29o lugar; nessa mesma categoria de serviços online, porém vista no rank de todos os países, ficamos na 55a. posição em serviços eletrônicos, motivado por míseros 10 pontos em serviços transacionais.

A propósito, ao observarmos o ranking de desenvolvimento geral e total no extrato a seguir:



...

Percebe-se que os números que vem causado a queda do governo eletrônico brasileiro no ranking da ONU está em dois focos principais: a insuficiência de serviços online e a deficiente infraestrutura de telecomunicações. Especificamente neste último quesito, o Brasil fica em 70o. lugar.



No último componente da tabela geral (Human Capital), aparentemente o Brasil está próximo dos demais, entretanto essa diferença, que é calculada com base na taxa de alfabetização e na combinação de escolas do primeiro ao terceiro grau, significa que nosso país, em termos de capital humano, está na distante 83a posição.

Por outro lado, um outro estudo, o benchmark europeu 'Smarter, Faster, Better eGovernment', que já está em sua oitava edição, aponta que Portugal tem os serviços públicos online mais sofisticados da Europa. Além do que já comentamos aqui sobre as iniciativas portuguesas, temos que ficar mais atentos e observar a estratégia de governo online em execução naquele país.

A síntese que coloco é uma tentativa de reflexão, mas se você tiver uma proposta de ação, não deixe de fazê-la em nosso fórum de idéias e inovação.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles i niciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia. Isto por que, na maioria dos  5563 municípios  brasileiros, i ndependente de porte ou localização , há um imenso  descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las.  Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno  século XXI,  índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU. Bem, a choradeira para por ai.  O que gostaríamos de falar, daqui para a frente,  para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as  grandes alterações  que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo  novas oportunida

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Segundo: Governo Único para Cidadão Único.

A visão organizacional que o governo tem de si mesmo é a de ser um amontoado de compartimentos organizados por temas, numa estrutura hierárquica funcional que, de pesado equilíbrio, assenta-se de forma estanque e rígida em sólidas bases da lei. Por isso, só executa scripts de competências restritas, estimulando o isolamento – quantos governos dentro de um só – e a decorrente ausência de cooperação, refletindo, na visão do cidadão, um governo fragmentado, com algumas ilhas de excelência e grandes continentes de baixa eficiência. De igual forma, o governo também vê o cidadão de modo fragmentado: às vezes contribuinte, outras motorista, proprietário, aluno, paciente... mas nunca um cidadão único. E essas fragmentações impedem a visão da pluralidade, do todo, de um único harmônico, impedem o entendimento do que representam um e outro. retirado de  Korea IT Times O governo que se apresenta em fragmentos, naturalmente por agir de forma fragmentada, dispersa responsabilid

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Terceiro: o Governo como Plataforma

A ideia de Tim O'Reilly ao criar o termo e a abordagem de Governo como Plataforma, foi dar uma perspectiva de valor de patrimônio e de uso aos dados governamentais. Inicia explicando que as plataformas seguem uma lógica de alto investimento, onde praticamente só o Estado é capaz de investir, mas permitem à população, ao utilizarem essa plataforma, gerar riquezas. Temos um claro exemplo ao pensar em uma rodovia como esse investimento. O governo a constrói, mas a entrega aos usuários para trafegarem seus produtos, serviços, passageiros, estimular turismo e economias integradoras etc.. Em outras palavras, uma plataforma rodoviária do governo, mesmo em concessão, será usada pela sociedade, mesmo a custo de pedágios. O mesmo serve para plataformas digitais. O governo americano durante a gestão Reagan, em 1983, tornou disponível ao mundo o Sistema de Posicionamento Global - GPS. A partir do uso mundial dessa plataforma podemos calcular quantos outros produtos e serviços foram gerado