Pular para o conteúdo principal

Um país em inovação: o momento da Irlanda


Quando comentei anteriormente sobre os PIIGS , defendi ao final do post que a Irlanda iria achar seu caminho para sair da crise, baseado no depoimento e pesquisa in loco feita pelo Pepe, há exatos dois anos, neste blog. Temos por vocação aqui no GATI autonomear-nos em várias coisas, assim, quando falamos em embaixadores da inovação, cuido de Portugal e Espanha, o Sérgio Bolliger representa Alemanha e Grécia, enquanto que o Pepe é o diplomata da Irlanda e dos EUA.


Somos seres pensantes. Há poucos dias Venessa Miemis, jovem estudante de graduação e assistente de ensino da The New School de Nova Iorque, nos relembrou a importância deste fato, em post que resume a palestra que realizará em abril na Social Business Edge Conference.


Venessa introduz o assunto, dizendo que poucos anos nos afastam do homem da era industrial que trabalhava como uma peça, parte de uma grande máquina. Não era preciso pensar, apenas reproduzir movimentos mecânicos e seu trabalho já teria valor. E completa o raciocínio: “O problema é que os seres humanos não foram projetados para mecanização. Fomos criados para criar”.


Em outro post, no seu blog, Venessa afirma que o mundo em que vivemos está em disrupção e cita David Geletner em "É hora de começarmos a pensar a internet seriamente".


É exatamente essa idéia que o Governo da Irlanda propõe em sua mais nova campanha “Your country. Your call” em que os cidadãos são convocados a pensar pelo país, enviando projetos inovadores que visem o bem comum. Os responsáveis pelas duas melhores propostas receberão um prêmio de 100 mil euros, além de um fundo de desenvolvimento que pode chegar a 500 mil euros por projeto.


Mais arrojado que o brainstorm nacional feito pelos EUA no ano passado, os irlandeses inovaram na proposta e na campanha, que está sendo veiculada em redes sociais, além das mídias convencionais. Assista ao vídeo da campanha que circula na TV e no Youtube:







O site acolherá propostas até o dia 30 de abril e para conhecer algumas das mais de duas mil idéias que foram enviadas, clique aqui para vê-las na belíssima interface preparada pela organização do Momento Irlandês, ou conheça de modo mais formal neste link.


A campanha irlandesa tomou outro cuidado fundamental: explicou didaticamente como os cidadãos devem fazer para enviar suas propostas, em apenas cinco minutos de vídeo. Com voz calma e de forma paciente, o narrador conduz o internauta e o ensina a questionar pontos principais que resumam sua proposta de forma eficiente. Ao final, um pequeno resumo do que foi falado é feito e a informação é passada com sucesso, até mesmo para aqueles que ignoram o idioma ou os artifícios da web.







É por si só, um modelo a copiar.


Sem dúvida as redes sociais vieram ao encontro da necessidade de nos tornarmos seres ativamente criadores e pensantes, trazendo uma mudança de valores em que o sigilo e a privacidade estão sendo gradativamente substituídos por uma maior abertura e transparência. Isso poderá nos levar a uma forma mais justa, participativa e humana de nos relacionarmos, como citou Venessa em seu artigo.


Na próxima quarta-feira, dia 17 de março, comemoramos o Dia de São Patrício. Com o Your Country, Your Call, todo irlandês, em toda a parte do mundo, tem mais um motivo para comemorar o orgulho pelo seu país.

E se o caro leitor tem uma boa idéia para a gestão pública, não deixe de registrá-la em http://inovagoverno.tk/, onde você também pode conhecer e votar nas idéias dos outros.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles iniciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia.

Isto por que, na maioria dos 5563 municípios brasileiros, independente de porte ou localização, há um imenso descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las. Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno século XXI, índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU.
Bem, a choradeira para por ai. O que gostaríamos de falar, daqui para a frente, para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as grandes alterações que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo novas oportunidades para os municípios, não im…

Design Thinking em Governo: abrem-se os caminhos

Temos dedicado muito tempo de nossas pesquisas na avaliação da metodologia de Design Thinking, adaptada a governo para apoiar a inovação, na tentativa de adotá-la para a criação e reformulação de serviços públicos. O Pepe já havia comentado aqui anteriormente sobre Roger Martin e o Design de Negócios, bem como nos trouxe uma trilogia de posts ( 1, 2 e 3 ) apontando a aplicação que pode ser dada ao tema em governo, baseado também na obra de Tim Brown e nos cases da IDEO.

Nossas impressões foram confirmadas com a recente publicação de dois trabalhos que a IDEO realizou junto a The Partnership for Public Services, entidade não governamental que trabalha para produzir inovação em governo nos EUA. Essas publicações, que considero leitura obrigatória, estão dirigidas a dois públicos distintos:


Innovation in Government: para todos envolvidos em inovação, é uma agradável e bem organizada leitura que introduz o assunto inovação em governo, baseada em depoimentos de especialistas, apresentando …

Habilidades e Atitudes do Novo Gerente

Os gerentes que, ao longo dos próximos anos, ambicionarem progressos consistentes em suas carreiras deverão dedicar particular atenção à readequação de suas competências e habilidades, recalibrando-as no sentido da chefia tradicional para a liderança de equipes, do “mandar” para o “convencer”, do “eu ganhei, nós empatamos e vocês perderam” para o “tamo juntos”, só para exemplificar.
Esta, seguramente, não será - ou não tem sido, para aqueles que já iniciaram essa caminhada - uma mudança fácil, pois envolve, além de crescentes esforços de atualização no âmbito estritamente técnico, uma profunda remontagem nos modelos mentais tradicionais.
No campo técnico, a rápida e incansável diminuição no ciclo de vida de processos e produtos tem colocado, cada vez mais, a aprendizagem continuada na ordem do dia. O know-how dos colaboradores e, por consequência, das organizações, sofre ataques praticamente diários que empurram a atividade “aprender” para dentro da “folhinha de produção”. Nesse cenário…