Pular para o conteúdo principal

Um país em inovação: o momento da Irlanda


Quando comentei anteriormente sobre os PIIGS , defendi ao final do post que a Irlanda iria achar seu caminho para sair da crise, baseado no depoimento e pesquisa in loco feita pelo Pepe, há exatos dois anos, neste blog. Temos por vocação aqui no GATI autonomear-nos em várias coisas, assim, quando falamos em embaixadores da inovação, cuido de Portugal e Espanha, o Sérgio Bolliger representa Alemanha e Grécia, enquanto que o Pepe é o diplomata da Irlanda e dos EUA.


Somos seres pensantes. Há poucos dias Venessa Miemis, jovem estudante de graduação e assistente de ensino da The New School de Nova Iorque, nos relembrou a importância deste fato, em post que resume a palestra que realizará em abril na Social Business Edge Conference.


Venessa introduz o assunto, dizendo que poucos anos nos afastam do homem da era industrial que trabalhava como uma peça, parte de uma grande máquina. Não era preciso pensar, apenas reproduzir movimentos mecânicos e seu trabalho já teria valor. E completa o raciocínio: “O problema é que os seres humanos não foram projetados para mecanização. Fomos criados para criar”.


Em outro post, no seu blog, Venessa afirma que o mundo em que vivemos está em disrupção e cita David Geletner em "É hora de começarmos a pensar a internet seriamente".


É exatamente essa idéia que o Governo da Irlanda propõe em sua mais nova campanha “Your country. Your call” em que os cidadãos são convocados a pensar pelo país, enviando projetos inovadores que visem o bem comum. Os responsáveis pelas duas melhores propostas receberão um prêmio de 100 mil euros, além de um fundo de desenvolvimento que pode chegar a 500 mil euros por projeto.


Mais arrojado que o brainstorm nacional feito pelos EUA no ano passado, os irlandeses inovaram na proposta e na campanha, que está sendo veiculada em redes sociais, além das mídias convencionais. Assista ao vídeo da campanha que circula na TV e no Youtube:







O site acolherá propostas até o dia 30 de abril e para conhecer algumas das mais de duas mil idéias que foram enviadas, clique aqui para vê-las na belíssima interface preparada pela organização do Momento Irlandês, ou conheça de modo mais formal neste link.


A campanha irlandesa tomou outro cuidado fundamental: explicou didaticamente como os cidadãos devem fazer para enviar suas propostas, em apenas cinco minutos de vídeo. Com voz calma e de forma paciente, o narrador conduz o internauta e o ensina a questionar pontos principais que resumam sua proposta de forma eficiente. Ao final, um pequeno resumo do que foi falado é feito e a informação é passada com sucesso, até mesmo para aqueles que ignoram o idioma ou os artifícios da web.







É por si só, um modelo a copiar.


Sem dúvida as redes sociais vieram ao encontro da necessidade de nos tornarmos seres ativamente criadores e pensantes, trazendo uma mudança de valores em que o sigilo e a privacidade estão sendo gradativamente substituídos por uma maior abertura e transparência. Isso poderá nos levar a uma forma mais justa, participativa e humana de nos relacionarmos, como citou Venessa em seu artigo.


Na próxima quarta-feira, dia 17 de março, comemoramos o Dia de São Patrício. Com o Your Country, Your Call, todo irlandês, em toda a parte do mundo, tem mais um motivo para comemorar o orgulho pelo seu país.

E se o caro leitor tem uma boa idéia para a gestão pública, não deixe de registrá-la em http://inovagoverno.tk/, onde você também pode conhecer e votar nas idéias dos outros.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

10 Dicas para Prefeitos Inovadores

Em poucos dias, prefeitas e prefeitos eleitos em outubro passado estarão assumindo seus mandatos. A princípio, sejam eles i niciantes ou reconduzidos, o cenário que os aguarda está mais para drama do que para comédia. Isto por que, na maioria dos  5563 municípios  brasileiros, i ndependente de porte ou localização , há um imenso  descompasso entre as legítimas demandas da sociedade e a capacidade do poder público em atendê-las.  Dificuldades de gerenciamento, aliadas a um processo civilizatório excludente, resultaram  em  uma triste realidade na qual poucos municípios brasileiros possuem, em pleno  século XXI,  índices de desenvolvimento humano - IDH considerados satisfatórios pela Organização das Nações Unidas - ONU. Bem, a choradeira para por ai.  O que gostaríamos de falar, daqui para a frente,  para prefeitas e prefeitos bem intencionados e que queiram, de fato, mudar o filme, é que as  grandes alterações  que estão ocorrendo no mundo, estão abrindo  novas oportunida

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Terceiro: o Governo como Plataforma

A ideia de Tim O'Reilly ao criar o termo e a abordagem de Governo como Plataforma, foi dar uma perspectiva de valor de patrimônio e de uso aos dados governamentais. Inicia explicando que as plataformas seguem uma lógica de alto investimento, onde praticamente só o Estado é capaz de investir, mas permitem à população, ao utilizarem essa plataforma, gerar riquezas. Temos um claro exemplo ao pensar em uma rodovia como esse investimento. O governo a constrói, mas a entrega aos usuários para trafegarem seus produtos, serviços, passageiros, estimular turismo e economias integradoras etc.. Em outras palavras, uma plataforma rodoviária do governo, mesmo em concessão, será usada pela sociedade, mesmo a custo de pedágios. O mesmo serve para plataformas digitais. O governo americano durante a gestão Reagan, em 1983, tornou disponível ao mundo o Sistema de Posicionamento Global - GPS. A partir do uso mundial dessa plataforma podemos calcular quantos outros produtos e serviços foram gerado

Cinco Princípios para Novos Serviços Públicos. Segundo: Governo Único para Cidadão Único.

A visão organizacional que o governo tem de si mesmo é a de ser um amontoado de compartimentos organizados por temas, numa estrutura hierárquica funcional que, de pesado equilíbrio, assenta-se de forma estanque e rígida em sólidas bases da lei. Por isso, só executa scripts de competências restritas, estimulando o isolamento – quantos governos dentro de um só – e a decorrente ausência de cooperação, refletindo, na visão do cidadão, um governo fragmentado, com algumas ilhas de excelência e grandes continentes de baixa eficiência. De igual forma, o governo também vê o cidadão de modo fragmentado: às vezes contribuinte, outras motorista, proprietário, aluno, paciente... mas nunca um cidadão único. E essas fragmentações impedem a visão da pluralidade, do todo, de um único harmônico, impedem o entendimento do que representam um e outro. retirado de  Korea IT Times O governo que se apresenta em fragmentos, naturalmente por agir de forma fragmentada, dispersa responsabilid